26 de jan de 2017

[Quote]: Entre o Céu e o Inferno


Levantei minha cabeça incredulamente, fixando o olhar naquele menino que se tornara homem e que com certeza era a pessoa que eu mais amava no mundo. Max! Ele realmente estava de volta. E foi naquele exato momento, depois de anos sem ter notícias daquele que me acompanhara ao inferno e ao céu por inúmeras vezes, que pude sentir a falta que ele fizera em minha vida. De repente o mundo parou, e como em um filme, aquele cenário era só nosso. Então ficamos nos fitando em silêncio, por segundos a fio, apenas nos comunicando pelo olhar, sabendo do risco que corríamos em viajar para o céu ou para o inferno, juntos novamente. [Livro: Entre o Céu e o Inferno, Cap.7]

25 de jan de 2017

100 anos da vírgula — por Associação Brasileira de Imprensa


Vírgula pode ser uma pausa... ou não. 
Não, espere. 
Não espere.

Ela pode sumir com seu dinheiro. 
23,4. 
2,34. 

Pode criar heróis. 
Isso só, ele resolve. 
Isso, só ele resolve. 

Ela pode ser a solução. 
Vamos perder, nada foi resolvido. 
Vamos perder nada, foi resolvido. 

A vírgula muda uma opinião. 
Não queremos saber. 
Não, queremos saber. 

A vírgula pode condenar ou salvar. 
Não tenha clemência! 
Não, tenha clemência! 

Uma vírgula muda tudo. ABI: 100 anos lutando para que ninguém mude uma vírgula da sua informação. 

Detalhes Adicionais: 
SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA. 

✔  Se você for mulher, certamente colocou a vírgula depois de MULHER... 
✔  Se você for homem, colocou a vírgula depois de TEM... 😂😂😃 

Moral da história: 
"A vida pode ser interpretada e vivida de diversas maneiras. Nós é que fazemos a pontuação. Pontue sua vida com o que realmente importa. Isso faz toda a diferença." 

CINCO RAZÕES PORQUE TODO MUNDO DEVIA ESCREVER UM LIVRO

Alguma vez passou pela sua cabeça escrever um livro? Se ainda não pensou nessa possibilidade, comece a planejar. É um projeto que vale a pena ser perseguido, independentemente do tema que você queira tratar e da atividade que desenvolva. Aqui vai cinco motivos para você escrever um livro! 

------------ xxx ------------

1. É como uma terapia 
Através do processo de escrever um livro, você vai aprender sobre si mesmo. Escolher uma história que é importante para você e pergunte a si mesmo o porquê desta história? O que te obriga a criar esses personagens e eventos? Você encontrará que, como você escreve, vai tirar de suas próprias experiências e as pessoas que conheceu, e isto irá forçá-lo a refletir sobre seu próprio caminho de vida. Então porque "escrever é reescrever," você vai continuar a cavar fundo dentro de si mesmo para descobrir novas facetas de sua história e recantos escondidos de sua experiência pessoal. Quantas oportunidades se para este nível de autorreflexão? 

2. Ele vai fazer você mais inteligente 
Não importa o que você escolher escrever sobre, em algum momento você terá que fazer alguma pesquisa. Você pode precisar aprender sobre um determinado período de tempo  seja o Egito antigo  ou apenas refrescar a memória de um lugar, objeto ou atividade. Puxando que segmento de descoberta vai desvendar uma riqueza de informações relacionadas, e antes de muito tempo você vai ser educar-se sobre todos os aspectos do mundo você está criando. 

3. Você aprenderá quanta dor você pode tomar 
Escrever um livro não é uma corrida, é uma maratona  um que pode levar meses, senão anos. Ao contrário de formas mais curtas de escrita, um livro é um exercício de disciplina e tempo de gestão que irá testar sua resistência. Não é fácil sentar na frente de uma tela de computador ou página em branco e preenchê-lo com palavras que contam uma história de uma forma coesa e divertida dia após dia, especialmente quando um tem que fazer malabarismos outras obrigações. Convenhamos, a maioria de nós não têm o luxo de passar os dias escrevendo. 

4. Sim, você é importante 
Se vocês percebam ou não, experiências de sua vida, personalidade e visão de mundo dar-lhe uma voz que é completamente única. Quando você compartilhar essa voz com o mundo, você pode ser surpreendido pelo poder de sua palavra escrita e que vai chegar. Uma das partes mais gratificante de escrever um livro é receber mensagens de pessoas todo mundo dizendo de várias maneiras que minhas palavras lhes tocaram. Agora pense sobre as consequências de não escrever seu livro. Se você não contar a sua história, ninguém mais irá. Ninguém mais pode. Será perda do mundo. O que nos leva... 

5. Você viverá para sempre! 
Memórias realmente são tudo que sobraram de nós quando deixarmos esta terra. Até mesmo uma foto no piano só pode ser conservada por um par de gerações, se tiver sorte. Seu livro, no entanto, viverá para sempre, especialmente na era digital. Se não sabe onde ele vai acabar e que continuará a inspirar através dos tempos. 

23 de jan de 2017

[Falando em]: O Amor em Primeiro Lugar — de Emily Giffin

Eis mais um enredo sensacional! Este livro também foi enviado pela parceira e amiga Fernanda Braga, para que eu resenhe no blog "Mato Por Livros" (P.S: Obrigada, Fer!). Estou falando de um lindo drama, escrito com o coração e para tocar corações. Agora confira a sinopse e resenha de "O Amor em Primeiro Lugar", obra da autora Emily Giffin, uma publicação da editora Novo Conceito.


Sinopse: Uma tragédia familiar muda tudo na vida das irmãs Josie e Meredith. A tristeza torna-se algo recorrente, mas elas fazem de tudo para seguir em frente. E seguem... Quinze anos mais tarde, Josie e Meredith não têm um relacionamento harmonioso. As diferenças de personalidade delas, que já existiam antes da tragédia, estão ainda mais acentuadas. Elas se veem com frequência, mas não se entendem. Uma vida marcada pela tristeza velada e por segredos que as afastam cada vez mais. Será que Josie e Meredith vão conseguir se libertar de seus medos e se abrir para o novo? Será que, finalmente, elas conseguirão seguir em frente de verdade? “O Amor em Primeiro Lugar” é uma fascinante história sobre família, amizade e a coragem de seguir o próprio coração.


"Porque a resposta é o amor" 

Um enredo maravilhoso!

Trata-se de uma família como qualquer outra, que depois de uma trágica fatalidade, quando Daniel (o irmão mais velho) sofre um acidente, deixa marcas, principalmente para Josie e Meredith, duas irmãs que não se entendem bem, pois sempre tiveram personalidades diferentes: Josie é extrovertida, sonha em ter filhos e constituir família; enquanto Meredith é o oposto, ou seja, introvertida e sonha em atuar. No entanto, quando Daniel sofre um acidente de carro e vem a óbito, tudo vai ladeira abaixo.

Sei o que pareço. Pareço uma merda de mãe e esposa. Ou no mínimo uma esposa inadequada e uma mãe ingrata  o que é um grande contraste em relação à imagem que tento retratar no Instagram. Hashtag vida feliz. Hashtag família linda. Hashtag abençoada. Às vezes, como hoje à noite, me pego pensando o que é mais grave: fingir ser feliz quando não se é ou se sentir constantemente insatisfeita quando você deveria estar feliz. (Livro: O Amor em Primeiro Lugar, Pág.40)

15 anos depois...
Diferente do que todos pensavam é Meredith que constitui família, deixando de lado o sonho de atuar. Ela se casa com o melhor amigo do irmão, Nolan, e tem um filha de quatro anos chamada Harper. De alguma forma, ambos  Meredith e Nolan  encontram conforto um no outro com a perda de Daniel, e, por fim, começam a se envolver, enlaçando-se matrimonialmente. Contudo, mesmo tendo um marido apaixonado e uma linda filha, ela é infeliz.

Josie, por sua vez, não consegue constituir família e ter filhos. Ela divide o apartamento com o melhor amigo, Gabe, e continua sendo desencanada, envolvendo-se com muitos homens e curtindo a vida adoidado. Ela torna-se professora e acaba por dar aulas para a filha do seu ex noivo, o que faz com que ela passe a se questionar ainda mais sobre a questão da maternidade, tomando uma decisão: ela vai ter um bebê! Porém, não de forma tradicional.

 Sim, mas é diferente. Sua mãe é só... tradicional. Conservadora. Ela quer que você siga aquela coisa de menino-conhece-menina porque acha que é o único caminho para felicidade... Meredith não é tradicional  ela só gosta de criticar você. Se outra amiga se aproximasse dela com a mesma ideia semiformada, ela aceitaria. Elogiaria a independência da amiga. (Livro: O Amor em Primeiro Lugar, Pág.94)

A irmã desencanada resolve ter um filho de forma independente, fazendo com que todos a questione. Ela está com trinta e oito anos e perdeu a esperança de encontrar o seu grande amor, e devido à idade, resolve ser uma mãe independente. A família tenta fazer com que ela enxergue as coisas de outra forma, mas Josie já está convicta do que quer, e assim o fará. 

Agora sei que você não pode controlar a vida, por mais que tente. Que inevitavelmente as pessoas vão embora e nos decepcionam e morrem. Mas existe uma coisa mais constante, algo com que sempre se pode contar: não só o amor vem em primeiro lugar como, no final das contas, é a única coisa que permanece. (Livro: O Amor em Primeiro Lugar, Pág.349)

Agora cesso os meus comentários para não soltar mais spoilers.  

Eu nunca havia lido nada dessa autora e afirmo: "Eu leria até mesmo a sua lista de compras". Afinal, ela escreve sobre o cotidiano, algo que me fascina. E ainda melhor é saber transpor dores e alegrias num texto, coisa que ela fez com maestria. Este é um enredo que fala sobre família, uma história onde a tragédia é o ponto em questão, e que devido a tragédia, às vezes culpamos a todos e deixamos de lutar por nossos sonhos. Eu fiquei apaixonada por todo contexto, os personagens são verossímeis e me fez questionar o quão Deles tenho dentro de mim. Josie e Meredith me deixaram numa confusão de sentimentos, muitas vezes me questionei: "Nossa, isso é tão eu!". E até mesmo os antagonistas me deixaram desta forma, ou seja, APAIXONADA! 

Não se trata de um enredo com uma grande história de amor, mas sim de uma história que fala sobre o amor, em sua mais bela essência... Um enredo tocante para os providos de coração, onde o leitor terá de tudo um pouco, até mesmo um "quê" de comédia. Todavia, o drama perpetua em grandeza e proporção. A propósito, existe mais alguns pontos cruciais (e lindos) que não citei aqui, dando ênfase ao amor e a dor. O final é lindo e leva consigo uma belíssima mensagem. Seu eu gostei? NÃO! EU NÃO GOSTEI... EU MEGA AMEI! S2

O livro é narrado em primeira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão, intercalados entre as irmãs Josie e Meredith; sua diagramação é simples, com espaçamentos e fontes em bom tamanho, adornada em papel pólen (o amarelinho); e sua capa é linda, estampando ao fundo as duas irmãs. Por fim, para você que curte um excelente drama, eis essa MARAVILHOSA pedida. o/


Livro: O Amor em Primeiro Lugar
Autora: Emily Giffin
Gênero: Drama
Editora: Novo Conceito
Ano: 2016
Páginas: 352

21 de jan de 2017

ANDEI POR AÍ — POR ROSA BERG


Andei perdida caminhando por atalhos, 
enfiada, que nem um gato, num balaio, 
buscando as melhores partes de mim 
Para, enfim, costurar pedaço por pedaço de meus retalhos. 

Andei sumida na fumaça dos meus dias, 
protegendo-me do calor de meus raios de sol incandescentes, 
banhando nas cachoeiras frias de minha energia, 
todas as incertezas, as minhas tristezas e uma certa melancolia. 

Andei, por aí, hibernando nas tocas de meu inconsciente, 
às vezes inteira e às vezes quase morta, 
mastigando, entre os dentes, pedaços de saudade. 
Buscava força e luz no fim do túnel 
para ter coragem e força de seguir em frente. 

Por: Rosa Berg

18 de jan de 2017

[Falando em]: IMPERFEITOS — de Cecelia Ahern

Eu recebi essa maravilha dias atrás, para resenhar num blog parceiro e do qual agora faço parte como colaboradora, ou seja, o blog "Mato Por Livros", e agradeço a moréca Fernanda Braga pelo belíssimo presente. Agora confiram a sinopse e resenha de IMPERFEITOS, obra da autora Cecelia Ahern, uma publicação da editora Novo Conceito.



Sinopse: Celestine North vive em uma sociedade que rejeita a imperfeição. Todos aqueles que praticam algum ato julgado como errado são marcados para sempre, rechaçados da comunidade, seres não merecedores de compaixão. Por isso, Celestine procura viver uma vida perfeita. Ela é um exemplo de filha e de irmã, é uma aluna excepcional, bem quista por todos do colégio, além do mais, ela namora Art Crevan, filho da autoridade máxima da cidade, o juiz Crevan. Em meio a essa vida perfeita, Celestine se encontra em uma situação incomum, que a faz tomar uma decisão instintiva. Ela faz uma escolha que pode mudar o futuro dela e das pessoas a seu redor. Ela pode ser presa? Ela pode ser marcada? Ela poderá se tornar, do dia para a noite Imperfeita? Nesta distopia deslumbrante, a autora best-seller Cecelia Ahern retrata uma sociedade em que a perfeição é primordial e quem cometer qualquer ato falho será punido. A história de uma jovem que decide tomar uma posição que poderá custar-lhe tudo.




"Nossos defeitos nos fazem ser quem somos" 






Um enredo sensacional!


Trata-se de uma distopia onde Celestine North, uma garota de 17 anos, é a personificação de perfeição: uma filha, aluna e namorada exemplar. Ela cresceu em uma sociedade onde qualquer ato que seja considerado errado, perante as normas do Tribunal, com sede no Castelo das Terras Altas, é julgado, sentenciado e marcado em uma parte do corpo, excluindo a pessoa da sociedade e definindo-a como "IMPERFEITA". 

Celestine vem de uma família aparentemente feliz em sua perfeição, e diferente da irmã mais velha, Juniper, consegue se controlar e tornar-se a mais perfeita da casa, algo que orgulha os pais e também seu namorado, Art, que é filho do juiz Bosco Crevan, considerado por muitos um herói, além de ser a maior autoridade da cidade. No entanto, em um jantar de comemoração ao "Dia da Terra", acontece o inesperado... Quando todos estão  na casa da Família North, acontece o improvável: a sirene soa, um alerta muito perigoso de que alguém próximo cometeu algum ato errado, e, provavelmente, será julgado, sentenciado e marcado. 

A perplexidade e medo instala-se ao descobrirem que a vizinha que aguardam para o jantar é levada pelos Delatores, devido a um ato que cometeu e que aos olhos do Tribunal é errado. Alguns sentem vontade de ajudar a Sra. Miller, porém ajudar um IMPERFEITO é condenar-se à um mesmo destino, sendo marcado, rechaçado da sociedade ou até mesmo preso.

Ao olhar para Art, só vejo medo em seu rosto. Engraçado, eu não sinto mais medo. Gosto de soluções. O problema incomodava, e resolvê-lo simplesmente faz sentido. Não estou fazendo nada de errado; não estou desobedecendo a uma lei ou alguma regra. Sempre fui elogiada por agir no momento certo, pela minha perfeição. (Livro: Imperfeitos, Pág.51) 

Depois de tal acontecimento, na noite do jantar desastroso, Celestine passou a enxergar as coisas de forma diferente: o que antes era normal, agora lhe incomoda. Sendo assim, numa manhã, quando está indo de ônibus para o colégio com o namorado e sua irmã, ela fica consternada ao ver o descaso de duas senhoras  digamos assim  "Perfeitas", com um senhor idoso e "Imperfeito". Desta forma, ela tenta ajudar o senhor que está muito debilitado, e, por este motivo, é levada pelos Delatores para ser julgada, condenada e marcada. De imediato, o juiz Crevan propõe a ela um acordo, dando-lhe vantagens. No entanto, este acordo a faz crer o quão de fato imperfeita será ao aceitar mentir no Tribunal. Contudo, ela afirma que assim o fará, deixando o juiz satisfeito. 

Penso nas muitas pessoas ao longo das décadas que fizeram este caminho, que caminharam perfeitas e voltaram Imperfeitas por um pátio de hostilidades e condenações, sobre pedras de preconceito. Penso em Carrick, que voltou pela manhã com a camiseta suja de farinha. Agora entendo. Estamos aqui para sermos usados como um reflexo dos piores pesadelos do mundo. Bodes expiatórios de tudo o que há de errado na vida dos outros. (Livro: Imperfeitos, Pág.81)

Ainda na prisão, antes de ser julgada, ela avista Carrick, um jovem de 18 anos, considerado por muitos como um imperfeito da pior espécie. Ele também está aguardando o seu julgamento e sentença, ambos estão separados por celas que ficam à frente, onde podem ser ver, pois é de vidro blindado. E ali inicia-se uma ligação, mesmo que eles não tenham se falado uma só vez. Eles sentem a mesma revolta e compaixão por todos aqueles que são marcados por uma imperfeição injusta. De início, Carrick sente ódio por vê-la sendo amparada e conversando com o juiz Crevan, depois tudo muda...

 Marque-a!  diz ele, com um tom de voz urgente, suor sobre os lábios.  Marque a coluna dela!
Carrick se encosta no vidro e me olha atentamente, obrigando-me a encará-lo. Ele levanta uma das mãos e a espalma contra o vidro. No mesmo instante me esqueço daquela loucura tanto na câmara quanto em minha mente e me concentro na imobilidade do corpo de Carrick. Concentro-me em sua mão. A mão da amizade que ele me ofereceu antes. (Livro: Imperfeitos, Páginas 131 e 132)


Celestine, convicta da verdade que agora enxerga, nega-se a mentir no Tribunal, o que a condena por 5 marcações, além de deixar o juiz em maus lençóis. No entanto, o juiz vai contra todas as regras e lhe aplica uma marcação a mais. Presentemente Celestine é uma IMPERFEITA, porém adorada por muitos, pois teve coragem de ir contra o sistema nada perfeito e dizer a verdade, deixando todo o sistema  principalmente o Tribunal e o juiz Crevan , apreensivos. Agora cesso os meus comentários para não soltar mais spoilers.

O que eu disse acima é pouco diante o que o enredo leva consigo. Até então eu não tinha lido nada da autora, porém já assisti duas adaptações de suas obras nas telonas: 



✔  P.S. Eu Te Amo 
✔  Simplesmente Acontece 



IMPERFEITOS é a primeira distopia escrita pela autora, e posso dizer, magnificamente escrita. Cognomino-a como um enredo PERFEITO em sua IMPERFEIÇÃO, uma história maravilhosamente desenvolvida, onde instigou-me do início ao fim. Eu consegui sentir as dores e alegrias dos personagens, especialmente de Celestine, que inicialmente se apresenta como uma garota insossa e deturpada por um sistema injusto e corrupto, mas que quando enxerga a realidade, luta com unhas e dentes pelos seus ideais. Houve uma cena, mais especificamente a cena das marcações feitas nela, que me deixou angustiada... Eu queria poder entrar dentro das páginas e de alguma forma salvá-la. Logo, senti-me aflita com o descaso, preconceito e a exclusão que os IMPERFEITOS sofrem.

A autora, além de saber criar uma trama como ninguém, deu vida a personagens apaixonantes, é claro que Carrick, apesar de aparecer pouco, perpetuou em meu coração. Porém Celestine me cativou demais com sua coragem admirável. A propósito, os antagonistas são de suma importância no enredo, e da mesma forma que a protagonista, me fez sentir íntima deles... É claro que alguns tive vontade de matar  rs. Os capítulos finais foram eletrizantes, envoltos em descobertas e uma caça de perder o fôlego. Se eu gostei? NÃO! EU NÃO GOSTEI! EU MEGA, ULTRA, MAX, HIPER AMEI! Ler esse livro só me fez crer que sair da zona de conforto (no meu caso enredos do gênero drama/romance), as vezes é uma excelente pedida. E digo mais:  Eu leria até mesmo a lista de compras da autora Cecelia Ahern. o/

O enredo é narrado em primeira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; sua diagramação está excelente, com fontes e espaçamentos ótimos, adornada em papel pólen (o amarelinho); e sua capa é linda, estampando uma Celestine caminhando numa estrada onde terá de lutar por seus ideais, ou seja, por todos IMPERFEITOS. Por fim, se você é fã do gênero, cai de cabeça, pois vale muito a pena! P.S: Agora ficarei aqui, em frangalhos, aguardando a continuação deste enredo incrível. S2


Livro: IMPERFEITOS
Autora: Cecelia Ahern
Gênero: Distopia
Editora: Novo Conceito
Ano: 2016
Páginas: 320

17 de jan de 2017

[Tradução]: Murder Song — Aurora

Eu descobri essa maravilha por acaso, e fiquei completamente apaixonada pelo talento dessa garota com nome de princesa e que, apesar de sua pouca idade, coloca muito ego-cantor no chão. Estou falando de Aurora Aksnes, nascida em 15 de junho de 1996, em Stavanger — Noruega, e conhecida profissionalmente como Aurora. Aliás, com uma voz infantil e angelical, além de melodias enveredadas em letras fortes e de fundo emocional, ela conseguiu me transportar para dentro de toda beleza de suas canções. Segue abaixo uma das canções que me fez perder o fôlego e me deixou com uma vontade doida de escrever um conto. S2


Cantora: Aurora
Música: Murder Song

[Dicas de leitura]: Infanto-Juvenil

Olá, amores!

Já faz algum tempo que não dou dicas de livros, não é mesmo? Pois bem, dessa vez resolvi dar dicas de um gênero que pouco leio. Deixa eu me explicar... Eu pouco leio, pois só houve uma parceria, e outros livros que li foram exemplares esquecidos por minha sobrinha  e, para minha surpresa, AMEI! Às vezes é bom sair da zona de conforto, e ler o gênero infanto-juvenil foi um destes casos: eu viajei além do imaginário, arrisco-me a dizer que voltei a ser criança. Por fim, essas três leituras foram especiais e muito boas, por isso deixarei os links das resenhas abaixo. Divirtam-se!


(clique em cima da imagem para maior resolução)

**Confira as resenhas clicando nos títulos:

Silenciar é preciso — por Joyce Xavier

Fiquei em silêncio e me protegi na tranquilidade dos meus dias. Resolvi deixar as tempestades lá fora e não fui espiar pela janela. 

Não quis saber como sobreviveram. Não me convidaram para o enterro de ninguém e só abri as cortinas quando vi o sol nascer novamente, quero distância das tempestades. 

Resolvi sair e respirar. Muitos vieram me questionar sobre o meu sumiço, outros me julgaram pelo meu silêncio e poucos sentiram a minha falta, com eles falei somente o necessário. 

Enquanto os relâmpagos estavam causando estragos, eu estava em pleno crescimento espiritual. Pensei em mim e avaliei a minha vida, percebi que muitas das vezes encontro as minhas verdades sozinha. 

Hoje quero continuar com o conforto do meu sossego. Hoje quero abrigar quem ainda está assustado pela tempestade, hoje eu quero sair da rotina e pretendo não me molhar em futuras tempestades que podem me magoar. 

Silenciar é preciso. 

15 de jan de 2017

[Parábola]: A corrida de sapos

Era uma vez um grupo de sapinhos que organizaram uma competição, o objetivo era alcançar o topo de uma torre muito alta. Uma multidão juntou-se em volta da torre para ver a corrida e animar os competidores. A corrida começou. E, sinceramente, ninguém naquela multidão realmente acreditava que sapinhos tão pequenos pudessem chegar ao topo da torre. Eles diziam coisas como: 
"Oh, é difícil DEMAIS! Eles NUNCA vão chegar ao topo"
Ou ainda: 
"Eles não tem nenhuma chance de êxito. A torre é muito alta!"
E, de fato, os sapinhos começaram a cair. Um a um... Só alguns poucos continuaram a subir mais e mais alto. A multidão continuava a gritar: 
"É muito difícil!!! Ninguém vai conseguir!" 
Outros sapinhos se cansaram e desistiram. Mas UM continuou a subir e subir... Este não desistia! No final, todos os sapinhos tinham desistido de subir a torre. Com exceção do sapinho que, depois de um grande esforço, foi o único a atingir o topo! Naturalmente, todos os outros queriam saber como ele conseguiu. Um dos sapinhos perguntou ao campeão como ele conseguira forças para atingir o objetivo. E o resultado foi: o sapinho campeão era SURDO! 

Por isso, nunca dê ouvidos a pessoas com tendências negativas ou pessimistas porque elas tiram de você seus sonhos e desejos mais maravilhosos. Lembre-se sempre do poder das palavras porque tudo o que você ouvir e ler afetará suas ações! 

Autor: Desconhecido 

11 de jan de 2017

[Falando em]: Beltane — de Simone O. Marques

Eis que chego ao desfecho final de mais uma maravilhosa trilogia, terceiro e último livro dessa série fantástica. Antes de tudo agradeço a autora por ter me enviado essas maravilhas, e convido a todos para conferir as resenhas já feitas dos livros anteriores: (livro 1, clique AQUI) e (livro 2, clique AQUI). Agora confira a sinopse e resenha de "Beltane - Saga As Filhas de Dana", da autora Simone O. Marques, uma publicação da editora Alfabeto.


Sinopse: São Paulo, 1701. Tereza foi criada para ser uma dama e afastar de si qualquer desconfiança que a Igreja pudesse ter sobre suas origens pagãs. Mas todo o cuidado com sua segurança está em risco quando ela se envolve com Miguel Seixas, o sobrinho da mulher que denunciou sua mãe à inquisição. 1918, Adelaide vive numa casa de recolhimento, onde foi colocada pelo pai. A chegada de um jovem padre vai mudar sua vida que, até então, era controlada pelas freiras, e fazê-la descobrir o difícil caminho a ser enfrentado por uma Filha de Dana. A vida lhes deu escolhas. O amor as ensinou a lutar. Seu futuro à Deusa sempre pertenceu.


"Porque o amor sempre ensina a lutar" 

Um desfecho sensacional!

A seguir, spoilers.

Brasil, 1697
São Paulo,  Fazenda Santa Tereza
A história se inicia com Tereza, agora com 11 anos e ainda aos cuidados de Dona Olímpia e do Sr. Amâncio. Porém, ela tem uma  digamos assim  terrível tutora chamada Deolinda. Afinal de contas, dona Olímpia está muito doente e não tem mais forças para se dedicar a garota. É nesse momento que Antônio, pai de Tereza, retorna para ver a filha. No fundo ele tem esperanças de que a garota queira voltar com ele, o que faz sentido, pois ela sente vontade em voltar a viver com o pai, em outro estado. No entanto, ama demais Dona Olímpia e o Sr. Amâncio, e resolve ficar ao lado deles, principalmente pelo fato que a avó de consideração esteja com os dias contados, devido à frágil saúde. 
 Ela disse-me para acalmar o meu coração...  falou com um sorriso triste. Não era fácil a um coração de mãe ficar em paz tendo deixado um filho para trás. (Livro: Beltane, Pág.11)
Daniele, a mãe de Tereza, agora mora em uma fazenda na Chapada do Veadeiros (GO), ao lado do marido, irmão e tantos outros. Seu destino fora traçado para aquele lugar, o que a deixa feliz e ao mesmo tempo triste, pois está longe de sua amada filha. E, por este motivo, Antônio (o marido) resolve voltar, depois de alguns anos. Anos atrás, antes de partir, ele pedira para que o seu irmão, Guilherme, cuidasse de Teresa, o que ele atendeu de prontidão, ficando de vez na Fazenda Santa Tereza.
 Este... senhor Miguel de quem ela tanto falou... é o menino dos Seixas?  Guilherme perguntou baixo ao patrão. Não o agradava muito ver a admiração de Tereza para com o jovem filho de seu vizinho, enteado da mulher que era culpada pela desgraça que se abatera sobre sua família. (Livro: Beltane, Pág.29)
Tereza e Miguel são de fazendas vizinhas, ele é poucos anos mais velho que ela, e desde um incidente com uma bezerra, ambos nutriram admiração um pelo outro. Tal admiração tornou-se amor, o que preocupou há muitos, pois ele foi criado pela mulher que denunciou a mãe de Tereza, causando uma desgraça a família da garota. Além dessas intempéries que Tereza desconhece, tem o fato de que o filho de dona Olímpia e do Sr. Amâncio, Henrique, um jovem arrogante e sem escrúpulos, retorna para a fazenda depois de alguns anos e se depara com uma Tereza já adulta e linda. No passado ela fora prometida em casamento para Henrique, porém dona Olímpia quebrara essa promessa para Antônio, antes mesmo dele retornar sem a filha para GO, o que o deixa mais aliviado.
 O que a tua madrasta acha disto, senhor Miguel  Henrique perguntou com sarcasmo.
Miguel enrijeceu o queixo, sentindo o coração disparar. 

 Isto não é da competência dela, senhor  Miguel respondeu e viu que Tereza estava bastante confusa. Ela não sabia o que havia acontecido no passado e Henrique iria usar aquilo contra ele.

 Mas, como não?  Henrique falou com ironia. Se aquele "pretendente perfeito" achava que ele iria ficar calado e deixar o caminho livre, estava muito enganado.  Se não foi ela a responsável pela morte da mãe de Tereza!  falou com prazer ao ver o choque no rosto de todos ali presentes. (Livro: Beltane, Pág.107)

Agora cesso os meus comentários para não soltar mais spoilers.

Eu percebo que uma série é SENSACIONAL quando esta, desde o início, me deixa instigada... O que foi o caso de "As Filhas de Dana". Foi um prazer me enveredar em três livros de uma série excelentemente desenvolvida e com um enredo instigante, onde há de tudo um pouco, mas que o foco central é o amor e a liberdade de escolha, principalmente tratando-se de crenças. Neste terceiro livro temos como protagonista Tereza, filha de Daniele e Antônio... Uma continuação linda e que fecha a trilogia com chave de ouro. E, apesar de os protagonistas serem Tereza e Miguel, nada impediu que os antagonistas ganhassem espaço e o meu coração, tal qual como Guilherme e Catarina. 

O tempo passa, as dificuldades continuam, e ainda assim o amor e a crença prevalece, seja o personagem cristão ou até mesmo adorador de deuses (no caso deusas - rs), algo que a autora soube apresentar com maestria e delicadeza, apresentando épocas difíceis para as mulheres, principalmente para aquelas que eram consideradas pagãs e que, de forma covarde e desumanada, eram jogadas na fogueira da inquisição. Houve um trecho, mais ao final do livro, que o leitor será apresentando a novos personagens, no ano de 1918  em São Paulo, Brasil. Eu simplesmente amei saber das gerações futuras das Filhas de Dana, e confesso que fiquei com um gostinho de quero mais. Essa série me deixou perdidamente apaixonada por esse gênero literário que pouco leio... E ainda mais pela autora, que tem o dom de construir enredos maravilhosos, além de uma escrita perfeita. E assim como As Filhas de Dana, eu amei, sofri, vivi... E isso é esplendido numa leitura, ou seja, poder viver a ficção como se fosse uma realidade. O final tem um desfecho lindo, apesar de triste, e leva consigo uma mensagem formidável. Se eu gostei? NÃO, EU NÃO GOSTEI! EU MEGA, ULTRA, MAX, HIPER AMEI! E leio até mesmo a lista de compras da autora. o/

O enredo é narrado em terceira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está perfeita, com fontes e espaçamentos em excelentes medidas, adornadas em papel pólen (o amarelinho), sempre levando no início de cada capítulo, ao fundo, a imagem da capa, além de todas as páginas serem adornadas por folhas nas laterais; e a capa é divina, levando o mesmo padrão das outras da série, estampando uma linda e esperançosa Tereza. Por fim, se você é fã do gênero... Cai dentro! Você não vai se arrepender! Eu mega indico! \o


Livro: Beltane, Saga As Filha de Dana (Livro 3) 
Autora: Simone O. Marques 
Gênero: Romance/Fantasia 
Editora: Alfabeto 
Ano: 2015 
Páginas: 240

9 de jan de 2017

[Prólogo]: Verdades Escondidas, de Ademilson Chaves

Estou na reta final de mais um copidesque do autor e amigo, Ademilson Chaves. A propósito, sou fã de carteirinha do cara. \o E posso dizer... Mais uma vez ele fisgou o meu coração, com um texto arrebatador. Ao todo já foram quatro textos dele que eu li, porém "A Escolha de Eron" (resenha AQUI), é o meu queridinho. E, agora, tenho o segundo queridinho, um enredo cativante, cheio de reviravoltas e surpresas, como é de costume nos textos dele. Por isso, com autorização do autor, deixo abaixo o prólogo de "Verdades Escondidas", um enredo ainda sem previsão de publicação. Bem-vindos!


★ ★  


PRÓLOGO


Como é o seu nome? 
 Mariana. 
 Sobrenome. 
 Pereira. 
 Mariana Pereira. Você é filha de Ozias Pereira? 
Ela demorou um tempo, para então afirmar: 
 Sim. 
 Seu pai era um bom homem. Pena ter morrido tão cedo.  A mulher ajeitou-se na poltrona e encarou Mariana de cima a baixo.  Pode ir, querida. 
Quando Mariana fez menção para sair, a porta da grande varanda que circundava a casa se abriu, e Teresa entrou empurrando a cadeira de rodas onde Miguel estava. Ela se lembrou de tê-lo visto em frente à fogueira na igreja. Ela não sabia se deveria cumprimentá-lo. Por um instante ficou parada. Ele ergueu a cabeça e assim que a viu, sorriu. Ela notou seus olhos verdes a fitá-la. Ela sentiu um frio na barriga que a deixou sem jeito, depois virou-se e saiu. 
 Quem é essa?  perguntou Teresa, curiosa. 
 Gostei dela. Tem bons modos, formada, gosta de ler, mas é bonita demais para o meu gosto  disse Dolores.
 E isso é defeito?  replicou Teresa, deixando a cadeira de rodas de Miguel em frente à imensa janela de vidro. 
 Para quem vai servir de companhia a um seminarista, ou seja, um quase padre, é sim. 

7 de jan de 2017

★ Coração é Terra que Ninguém Vê ★


Quis ser um dia, jardineira de um coração. 
Sachei, mondei  nada colhi. 
Nasceram espinhos e nos espinhos me feri. 

Quis ser um dia, jardineira de um coração. 
Cavei, plantei. 
Na terra ingrata nada criei. 

Semeador da Parábola... 
Lancei a boa semente a gestos largos... 
Aves do céu levaram. 
Espinhos do chão cobriram. 
O resto se perdeu na terra dura da ingratidão.

Coração é terra que ninguém vê  diz o ditado. 
Plantei, reguei, nada deu, não. 
Terra de lagedo, de pedregulho,  teu coração. 
Bati na porta de um coração. 
Bati. Bati. Nada escutei. 
Casa vazia. Porta fechada, foi que encontrei... 


 Coração é Terra que Ninguém Vê  Cora Coralina