17 de mai. de 2020

[Falando em]: Já disse que te amo? — de Estelle Maskame

Eu baixei esse livro gratuitamente em formato digital, e sem pretensão alguma iniciei a leitura. A propósito, eu não sabia que se tratava de uma trilogia (visto que só tenho o primeiro livro), mas quando me dei por mim já estava envolvida demais com o enredo e, por isso, não paralisei a leitura. Agora confira a sinopse e o que eu achei de "Já Disse Que Te Amo?", obra de Estelle Maskame, uma publicação da editora Arqueiro


Sinopse: Eden Munro foi para a Califórnia aproveitar o sol, as praias e celebridades. Seria um verão maravilhoso se ela não tivesse que conhecer sua nova família, repleta de estranhos: um pai que não vê há três anos, uma madrasta simpática até demais e três irmãos postiços. Na casa chique, ela vai ter que ficar bem ao lado do quarto de Tyler Bruce, o mais velho dos irmãos. Ele tem olhos verdes que transbordam raiva e sarcasmo, um ego maior que uma mansão de Beverly Hills e cara de poucos amigos. Eden nunca tinha conhecido alguém tão desagradável e tão... intrigante. Aos poucos, Eden tenta entender o que faz de Tyler uma pessoa tão envolvente quanto o clima da Califórnia. Em meio às festas e às novas amizades, ela percebe que está se apaixonando pela única pessoa que não deveria.  


"Porque quem planta irresponsabilidade, colhe sofrimento..." 







Uma trama instigante!

Eden Munro tem dezesseis anos e mora com a mãe em Portland, desde que a mesma se separou de seu pai, há três anos. Contudo, agora, ela terá de passar o verão na casa do pai (na Califórnia), ao lado de sua madrasta e de seus três irmãos postiços.
Quando minha mãe me contou que meu pai tinha pedido que eu passasse as férias de verão com ele, nós duas tivemos um acesso de gargalhadas diante da completa insanidade daquela ideia. (Livro: Já disse que te amo?, Cap.1)
(clique na imagem para maior resolução

E em meio ao calor da Califórnia e um churrasco de apresentação para os vizinhos, Eden se vê de frente com um rapaz de olhos cativantes esverdeados e um tanto egocêntrico e agressivo. Ela descobre ser seu irmão postiço mais velho, Tyler Bruce, de dezessete anos.
Por quê? Isso está me dando dor de cabeça, o modo como ele oscila entre me odiar e se dar bem comigo. Sinceramente, eu gostaria que ele decidisse e pronto. Isso me pouparia o trabalho de tentar descobrir o que é. (Livro: Já disse que te amo?, Cap.12)
Em meio às festas loucas e um inicial revés com seu irmão postiço, Tyler, ambos se encontram interligados, fazendo com que a inicial implicância se torne um avassalador interesse. No entanto, Tyler está comprometido com Tiffani, além de se sujeitar a coisas ilícitas. 
Através da escuridão e do silêncio algo pega fogo. Não sei o que é, não consigo identificar, mas sinto. Sinto meus batimentos acelerados, meu coração doendo no peito e os arrepios que percorrem meu corpo, os pelos dos braços se eriçando, e sinto os lábios de Tyler nos meus. Grossos, úmidos e ávidos, como sempre. Sinto-o canalizando a dor, a raiva... sinto-o canalizando tudo isso no desejo. É esse desejo por algo que nós dois queremos mas não podemos ter. (Livro: Já disse que te amo?, Cap.27)
Agora cesso os comentários para não soltar mais spoilers.

JÁ DISSE QUE TE AMO? é um YA (young adult), com uma pitada clichê de tudo que o gênero pode oferecer, porém apresenta temas delicados e que pode assustar o leitor: como drogas ilícitas, alcoolismo, violência, entre outros. Apesar de tais temas, a autora soube conduzir de forma interessante a trama. Fiquei um pouco espantada com as atitudes de Tyler (se as pessoas que já leram o meu livro "Dezesseis, A Estrada da Morte" e reclamaram do jeito do Johnny, imagino o que pensariam sobre Tyler...). Os personagens (até mesmo os secundários) são de importância, cada qual aparecendo na dosagem exata para deixar a história ainda mais interessante. O casal protagonista, Eden e Tyler, de certa forma entorpece, afinal os opostos se atraem e os dispostos se distraem... E o que chamou minha atenção foi a preocupação e persistência de Eden para tirar seu irmão postiço das drogas. A relação de Eden com seu pai, Dave, também é bem abordada na trama, tendo em vista que os dois não se entendem muito bem e que, a todo tempo, tentam se conciliar. O final tem alguns desdobramentos e não é nem um pouco previsível. Para alguns pode parecer sem sentido, mas entendi  o que a autora quis fazer, ou seja, dar um UP para a sequência ter um maior desdobramento.  A escrita da autora é perfeita e entorpecente, assim como a maneira de abordar temas delicados. Eu vi muito parecer negativo sobre a obra, mas como bem sabemos, gosto é que nem bunda, isto é, cada um tem o seu. Por fim, se você curte histórias com adolescentes, enveredando esse mundo  diga-se de passagem  às vezes de "rebeldes sem causa", eis essa boa pedida. Eu gostei muito, o avaliei com cindo estrelas no Skoob, e fiquei com vontade de conferir a sequência. o/   

A trama é narrada em primeira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está excelente, em formato digital; e a capa é bonita, levando consigo todos elementos da história.


Livro: Já Disse Que Te Amo? #LIVRO 1
Autora: Estelle Maskame
Gênero: Young Adult
Editora: Arqueiro
Ano: 2019
Páginas: 357

6 de mai. de 2020

[Falando em]: Senhorita Aurora — de Babi A. Sette

Hoje trago para vocês o parecer de uma obra que me ganhou por completo, e me deixou numa baita ressaca literária. Eu baixei esse e-book gratuitamente. A propósito, já faz algum tempo que tinha vontade de conferir um dos textos da autora, e garanto que não me arrependi. Pelo contrário, foi uma linda e emocionante experiência. Agora convido a todos para conferir a sinopse, book trailer e o que eu achei de "Senhorita Aurora", obra de Babi A. Sette, uma publicação da Verus editora. Vem junto conferir! 


Sinopse: Nicole é uma jovem bailarina e está prestes a realizar seu sonho: estrear no papel principal em uma peça na Companhia de Ballet de Londres. Tudo estaria perfeito se não fosse pela presença de um dos seus diretores, o temido Daniel Hunter, um maestro prodígio de temperamento difícil, com um humor sombrio e que desperta em Nicole sentimentos contraditórios. Quando uma tempestade de neve isola os dois em uma mansão centenária, Nicole e Daniel serão obrigados a encarar não apenas os segredos que atormentam o maestro, mas também uma paixão proibida  e avassaladora  que nasce entre eles. Entre a tão sonhada carreira na dança, um amor intenso como ela nunca sentiu e a própria segurança, Nicole se verá diante de escolhas que parecem impossíveis. E caberá a ela resgatar Daniel de seu próprio passado... Senhorita Aurora é um romance poderoso, tocante e perturbador, que mostra que todos merecem uma segunda chance, até mesmo alguém com fama de monstro. 




"Porque há de se estar no compasso do amor..." 

Um enredo apaixonante! 💘💘💘

Nicole Alves é uma jovem brasileira/bailarina, que acabara de ganhar o papel principal em um dos espetáculos na Companhia de Ballet de Londres, onde representará Aurora de "A Bela Adormecida". O que ela não contava é que ficaria de frente com o temível e assustador diretor da peça, Daniel Hunter, um homem amargurado e com traumas do passado. 
O trovão e o raio da compreensão e da lembrança explodiram. Meu Deus, esse... esse cara... o sr. Hunter... era... Eu mal conseguia me manter em pé. Era o músico, o ogro que sentou ao meu lado no avião três anos atrás e que... Ai, meu Deus! (Livro: Senhorita Aurora, Cap.8)
(clique na imagem para maior resolução)

Com uma chispa nitidez, Nicole se lembra que já conhecia Daniel anos atrás, em um voo do qual ele fora desagradável. Mas isso não impediu que ambos se sentissem atraídos, conduzindo-os à situações um tanto inusitadas, deixando-os ainda mais próximos. 
Como fui egoísta e insensível ao julgá-lo pelo monstro que diziam que ele era. E, pior, ele fazia questão de provar a todos que estavam certos a seu respeito. (Livro: Senhorita Aurora, Cap.10)
O amor fala mais alto, e entre sabores e dissabores, um e outro se entregam a paixão. Contudo, Nicole descobre o maior segredo de Daniel... Um segredo que pode comprometer essa relação. Ainda assim, depois de muito pensar, ela se vê certa do que quer, ou seja, ficar com o diretor. 
Não vi anjos voando nem escutei sinos tocando ou fogos estourando. Não, porque meus lábios estavam nos dele, e sua boca buscava a minha, e não sobrava espaço para nenhuma outra sensação. (Livro: Senhorita Aurora, Cap.18) 
Agora cesso os comentários para não soltar mais spoilers.

O que eu disse acima é apenas uma pitada do que o enredo apresenta, por isso, você, que é fã de um belíssimo drama/romance, não pode deixar de conferir esse enredo. 

SENHORITA AURORA é uma trama lindamente delineada, apresentando situações tão reais que me fez sentir ainda mais parte do entrecho: com personagens humanamente transcritos, que transbordam coração. O ponto chave da trama é uma situação que o personagem Daniel leva consigo (e que não posso dizer aqui, pois darei spoilers), e que com maestria e seriedade a autoria conduziu. Eu me senti na pele de Nicole e fiquei imaginando o que de fato faria com aquela situação?! E quando eu pensei que o pior tinha acontecido, sucede algo que acomete ainda mais o meu coração, balançando novamente o equilíbrio entre a dor e o amor. Daniel, apesar de "seus contras" é um personagem apaixonante. Nicole, com sua doçura, e também carregando seus dissabores, me conquistou por inteiro. Não posso deixar de mencionar Natalie, a melhor amiga e companheira de apê de Nicole, visto que ela é daquelas amigas que todos sonham em ter. A autora tem uma escrita singela e entorpecedora; a trama tem referências musicais que me deixaram em êxtase (queria as traduções de cada canção citada no início dos capítulos); os personagens (até mesmo os secundários) são de suma importância, dando um "que" a mais para o enredo. Daniel e Nicole são a prova de que os opostos e, claro, os dispostos, se atraem... E que por mais dolorosa que pareça a situação, há de se encontrar um lampejo de esperança. O desfecho é lindo, trazendo muitas reflexões. Se eu gostei?! NÃO, EU NÃO GOSTEI! EU AMEI!!! 💘💘💘 Não me contive em avaliá-lo com cinco estrelas, eu também o favoritei. E digo mais: "Eu leio até mesmo a lista de compras da Babi!" o/   

A trama é narrada em primeira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está perfeita, em formato digital; e a capa é lindíssima, estampando o casal protagonista. Por fim, para quem curte uma linda história, muito bem escrita e adornada em coração, eis essa maravilhosa pedida. o/


Livro: Senhorita Aurora
Autora: Babi A. Sette
Gênero: Drama/Romance
Editora: Verus
Ano: 2018 (edição 4)
Páginas: 336

26 de abr. de 2020

#FIQUEEMCASA

Eu encontrei esse texto no perfil de uma amiga do facebook, e, claro, não poderia deixar de postá-lo aqui... Afinal de contas, o que vale é a mensagem de suma importância que ele carrega, num momento caótico como o que estamos passando, com essa pandemia da Covid-19. A ideia não é acionar o gatilho de sentimentos ruins, mas SIM alertá-los para que a doença não chegue até você. Confira o texto abaixo:



Você terá febre. Muita febre. A febre mais alta que já alguma vez sentiu. Não vai parecer a gripe comum que todos já sentimos. 

Você vai respirar pouco e com dificuldade, como se eles tivessem colocado um adesivo no nariz e depois tivessem feito um buraco com um alfinete. 

Você vai tentar encher os pulmões. Você vai inspirar fortemente, mas sentirá que ainda está com falta de ar. E isso vai te assustar. 

Você vai tossir muito. Tanto que você vai se cansar até quase desmaiar. Você sentirá como se tivesse percorrido 10 quilômetros. E isso será a cada segundo que você está aqui na UTI. 

Toda vez que tossir, seu peito, braços, olhos, costas, dedos das mãos e dos pés vão doer muito. 

Você vai tentar pegar ar através do buraco no adesivo que eu já lhe disse, e você não conseguirá. 

Você vai respirar cada vez mais rápido, e isso vai encher suas veias com essa porcaria chamada dióxido de carbono, que é algo que pode matar você. 

Então, vou colocar um tubinho no seu nariz para fornecer oxigênio que seus pulmões não podem fabricar. Esse tubinho vai arregaçar a entrada dos dois orifícios onde você respira, e isso vai doer ainda mais. 

E se você não conseguir superar isso, um médico irá colocar alguns tubos de meia polegada na garganta, através dos brônquios e nos pulmões. Isso é chamado de respirador artificial ou ventilador. É muito desconfortável e, além disso, você não pode falar nem comer, pois seu estômago será alimentado por uma sonda gástrica, um tubo por onde virá a sua "refeição" 

Os médicos e enfermeiros que cuidam de você o farão o mais rápido possível, lembra que eles também têm familiares, maridos, filhos esperando por eles em casa e também têm medo de serem infectados. 

Você estará sozinho em uma sala fechada. 

Você não pode ter alguém lá, porque vai deixá-lo doente da mesma maldição que está matando você. 

Você vai se sentir tão mal, tão sozinho, que isso vai deixá-lo ansioso e com medo de morrer. Você vai ficar deprimido. Isso piorará seus sintomas, tosse e falta de ar. 

E É QUANDO VOCÊ ENTENDERÁ POR QUE ELES DIZIAM: 


#FIQUEEMCASA

23 de abr. de 2020

“Milagre na Cela 7”, um filme que toca o coração e explora nossas emoções mais verdadeiras

O longa é um drama que conta com a direção de Mehmet Ada Öztekin e é um remake de uma comédia sul-coreana de mesmo nome, de 2013, no entanto, a versão turca apela muito mais para as emoções e consegue impactar quase todos os telespectadores. 

O enredo do filme gira em torno de Memo, um homem com deficiência intelectual que é acusado de matar a filha de um policial, crime que não cometeu. Sua prisão o faz separar-se de sua filha Ova, da qual cuida, e essa distância o faz buscar uma maneira de provar sua inocência, mesmo com todas as limitações que possui. 

Memo conta com a ajuda de seus companheiros de cela para conseguir ser inocentado e reencontrar Ova. No entanto, o filme é muito mais do que a própria história, ele nos faz mergulhar em nossas emoções mais profundas, e não economiza nas cenas emocionantes, que nos fazem derramar lágrimas verdadeiras. 

“Milagre na Cela 7” nos mostra que, assim como a maldade está entre as mais diversas pessoas, o bem também pode ser encontrado mesmo nos corações mais improváveis, e que devemos pensar muito bem antes de julgar uma pessoa sem nenhum conhecimento. 

É difícil explicar em palavras tudo o que sentimos ao acompanhar a jornada de Memo. Esse é um filme que você tem de assistir para compreender, é uma experiência emocional que deve ser vivida sem nenhuma informação previamente conhecida. Apesar de a história não ser baseada na realidade, sentimos uma conexão tão profunda com os personagens, que é como se eles fizessem parte de nossa vida. 

Nesse momento difícil por que estamos passando, um filme como “Milagre na Cela 7” nos mostra a importância de não abandonarmos a esperança e lutarmos por aqueles que amamos. Não daremos mais detalhes do filme para não diminuir o impacto da sua experiência, mas não deixe de vê-lo. Ele realmente toca o coração e faz você descobrir um novo lado de suas emoções. Confira abaixo o trailer:




[Artigo via]: O Segredo

21 de abr. de 2020

[Falando em]: Asylum — de Madeleine Roux

Pois bem, sou daquelas que se interessa por um livro ao ver sua capa. E foi exatamente o que aconteceu aqui, com essa capa instigante e que me fez tremer na base. A propósito, eu baixei o e-book gratuitamente. Agora convido a todos para conferir a sinopse e o que eu achei de "Asylum", obra da autora Madeleine Roux, uma publicação da V&R  Plataforma 21


Sinopse: "A loucura é algo relativo. Depende muito do lado da grade em que a pessoa está." Ao entrar pela primeira vez na New Hampshire College, Dan Crawford não tem ideia de que viverá neste lugar as cinco semanas mais intensas de sua vida. Como os alojamento estavam em reforma, os alunos estão instalados na ala desativada de um sanatório. Quando Dan e seus amigos, Abby e Jordan, começam a explorar os corredores e o sótão, descobrem que aquele edifício não era um instituto para doentes mentais comuns, pois por ali passaram psicopatas, homicidas; gente extremamente perigosa. No entanto, a presença dos três ali não é obra de um mero acaso, pois o asilo é a chave para um passado terrível e segredos que se recusam a ficar enterrados. Com fotos e cartas ilustrativas, Asylum é um suspense arrepiante e diferente de tudo o que você já leu. Uma história de terror na fronteira entre a genialidade e a loucura.


"Porque há de estar entre a genialidade e a loucura..." 

Um bom entretenimento!

Daniel Crawford (mais conhecido como Dan) tem dezesseis anos, é filho adotivo de Paul e Sandy, e acabara de chegar no New Hampshire College, a fim de fazer um curso preparatório de verão. Mas como o colégio está em reforma, os alunos são direcionados para Brookline, um antigo manicômio desativado. 
Por outro lado, sentia como se estivesse abrindo uma caixa de Pandora — as possibilidades proporcionadas por uma incursão ao velho hospital pareciam atraentes demais para ser deixadas de lado. Além disso, no fundo Dan estava louco para saber se existiam mais fotos como aquela que encontrara em seu quarto. (Livro: Asylum, Capítulo 3)
(clique na imagem para maior resolução)

Felix (seu amigo de quarto), o instiga para fazer uma incursão em uma das alas do velho recinto, o que Dan aceita de imediato. E junto de seus novos amigos, Abby e Jordan, eles se arriscam a descobrir obscuridades daquele antigo manicômio. 

“A loucura é algo relativo. Depende muito do lado da grade em que a pessoa está.” 
Dan se virou para o lado e olhou para o relógio. Caso sua luta fosse mesmo contra sua loucura, ele sentia que estava perdendo. Ou talvez já estivesse definitivamente derrotado. (Livro: Asylum, Capítulo 29)

Entre incursões e pesquisas, Dan, Abby e Jordan se deparam com um assassinato no local, além de outros contratempos que os instigam e, também, os amedrontam. Dan acaba sendo um dos suspeitos, ele se vê perdido em subterfúgios da sua própria mente, afinal, ele perece de um distúrbio dissociativo moderado, o que o faz ficar desorientado em devaneios, deixando-o à mercê do irreal/real.
Mas ele precisava tentar. Precisava saber se estava louco, possuído ou se era vítima de um intricado esquema de incriminação, cuja única razão de ser era sua possível relação de parentesco com o diretor Crawford. (Livro: Asylum, Capítulo 32)
Agora cesso os meus comentários para não soltar mais spoilers.

Como eu disse no início, assim que vi a capa deste livro me interessei: pensei que fosse me encontrar em páginas para lá de sinistras, adornada em terror, e o que encontrei foi totalmente ao contrário, ou seja, um enredo teen, com um plot previsível. 

ASYLUM é um bom entretenimento, com personagens na medida certa e mistérios a serem descobertos. Eu, particularmente, esperava outro tipo de enredo, pois pela capa, nome e sinopse, imaginava que fosse me encontrar em páginas assombradas, com um "quê" de terror reverberando o conteúdo. Mas a verdade é que a trama é — digamos assim — bem juvenil, com adolescentes que se parecem com investigadores. Apesar de tudo, a autora tem uma escrita excelente e sabe construir uma boa trama, o que pontualiza de forma positiva para quem está a procura de um bom entretenimento. Eu esperava mais do final, confesso que fiquei um tanto decepcionada e sem vontade de ler a continuação. Por fim, era pra ser "o livro", mas tornou-se "a historinha". Lembrando que essa é a minha opinião, e o que não foi tão bom para mim, pode ser bom para você. 

A trama é narrada em terceira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está perfeita (em formato digital), levando consigo algumas imagens, o que só tem a agregar a leitura; e a capa, a meu ver, é assustadora.  


Livro: Asylum (Livro1)
Autora: Madeleine Roux
Gênero: Suspense
Editora: V&R  Plataforma 21
Ano: 2014
Páginas: 336