27 de jul de 2019

Final de temporada de Sob Pressão reafirma a grandiosidade da série

O último episódio da terceira temporada de Sob Pressão, que a Globo exibiu nesta noite (25), deixou bem clara a intenção de encerrar a série. Foi mais um episódio cheio de ritmo, emoção e reviravoltas, que culminou num final feliz e, aparentemente, definitivo. No entanto, notícias dão conta de que a emissora voltou atrás e fará um quarto ano da série. Os roteiristas, então, terão um novo desafio para criarem novas tramas a partir do desfecho romântico exibido. 

Mas, sem dúvidas, será um desafio que tirarão de letra. O que não faltou neste terceiro ano de Sob Pressão foram boas ideias, que fizeram da série o melhor produto televisivo nacional da atual safra. A trama de Jorge Furtado e Andrucha Waddington foi ainda mais fundo na questão da problemática saúde pública brasileira. No entanto, o grande acerto da terceira temporada foi o aprofundamento dos personagens e seus dramas pessoais.  

Sob Pressão jogou ainda mais luz sobre os dramas de Evandro (Julio Andrade) e Carolina (Marjorie Estiano). Após um complicado relacionamento inicial, os médicos finalmente acertaram os ponteiros na relação. Ou quase. A discussão sobre ter ou não filhos, a gravidez de Carolina (e seu desfecho trágico) e a recaída de Evandro em seu vício foram alguns dos elementos que minaram o casamento dos protagonistas. Assim, os dois tiveram suas feridas expostas, lidando com uma realidade dramática. Uma realidade que foi ampliada dentro do cotidiano do Hospital São Tomé Apóstolo, que trouxe novos e impressionantes casos. 

Felizes para sempre 
O episódio final da terceira temporada de Sob Pressão resumiu bem o que foi toda a safra. Com maestria, o capítulo fez novas e contundentes colocações sobre o sistema médico, político e social do Brasil. Deste modo, houve espaço para denunciar a violência no trânsito e o perigo de se armar a população. Em tempos escuros como o atual, trata-se de uma discussão oportuna, pra não dizer urgente. 

Além disso, o fim da temporada promoveu o reencontro entre Evandro e Carolina, desta vez atuando no Médicos Sem Fronteiras, numa região remota do país. Ou seja, Sob Pressão foi encerrada com uma mensagem otimista sobre o acesso da população menos assistida à saúde pública de qualidade. Foi uma ponta de esperança e, também, uma nova denúncia. Afinal, a falta de acesso à saúde é um problema sério do Brasil. 

Elenco de primeira e episódios memoráveis 
Sob Pressão também chamou a atenção pela qualidade de seu elenco. Marjorie Estiano e Julio Andrade já estão completamente familiarizados com seus protagonistas e ganharam ainda mais segurança em cena. Marjorie, aliás, melhorou a cada episódio, levando Carolina a níveis inimagináveis. Participações marcantes, como Drica Moraes (Vera), Joana Fomm (Madre Superiora) e Ana Flavia Cavalcanti (Diana) também merecem menção. 

Além disso, Sob Pressão acerta com uma direção segura e inventiva. Neste contexto, o destaque foi o próprio Julio Andrade, que dirigiu o impactante episódio em plano-sequência. O tenso episódio, que culmina com o acidente que faz Carolina perder o bebê, foi uma das melhores coisas que a TV brasileira exibiu este ano. Direção de cena e de atores impecável, diante de um texto acima da média. 

Por conta disso, é de se comemorar a decisão da emissora de prosseguir com Sob Pressão. A promessa é que a série retorne em 2021. Decisão acertadíssima, afinal, o que não faltam são histórias. E Sob Pressão ainda está no auge, com muita lenha para queimar.

[Falando em]: Minúscula Pulga — de Farrel Kautely

Eu baixei esse livro em formato digital, gratuitamente. Nunca li nada do autor, e a premissa do livro, apesar de simples, me interessou bastante. Agora convido a todos para conferir a sinopse e o que eu achei de "Minúscula Pulga", obra de Farrel Kautely, uma publicação da editora Hope


Sinopse: Era comum pirralhos embarcarem no ônibus sem pagar passagem, e era costume de Lucio expulsá-los, pois sempre entravam em grupo e faziam algazarra. Mas Pulga não. Este entrou caladinho e cativou Lúcio. A partir daí, o motorista aprofunda-se em determinadas áreas da cidade cinzenta que nunca conhecera antes, a fim de investigar o passado vazio do garoto, que vivia sozinho num puteiro da grande metrópole sem nunca ter conhecido seus pais. Enquanto isso, Pulga vê a metrópole sem graça colorir-se aos poucos, à medida em que descobre uma amizade verdadeira. 


"Porque há de se ter esperança..." 

Uma trama instigante!

Weberson, mais conhecido como Pulga, é um garoto de dez anos que mora na zona (um puteiro) e há dois meses, todos os dias, embarca no ônibus 3067. 
“Por que será que ele passa tanto tempo aqui?” se perguntou. “O que ele come?”, “Onde ele mora?”. (Livro: Minúscula Pulga, Cap.1) 

Dentre tantas crianças que embarcam nesse mesmo trajeto, o garoto tímido não foge aos olhos de Lucio, o motorista do ônibus. 
Ele não via nada disso no olhar do amigo. Talvez não fosse dó. Talvez Lúcio gostasse realmente dele, e essa ideia o alegrava. (Livro: Minúscula Pulga, Cap.6) 
Com o tempo ambos acabam se tornando amigos. E no meio de tanta desilusão há um arco-íris a brilhar para Pulga. É quando Lucio, junto da mulher, Carla, decidem adotá-lo. Mas, para isso, o motorista de ônibus tem que investigar o passado do garoto, ficando à mercê das dores que o rodeiam e, claro, tendo como inimigo Jonas, o cafetão do puteiro e, até então, o homem que de mal a pior abrigava Pulga.
— Viu só? Isso é o que acontece por querer forçar a barra. Eu disse que nunca contaria nada sobre sua mãe, mas você não me levou a sério. (Livro: Minúscula Pulga, Cap.26)
Agora cesso os comentários para não soltar mais spoilers.

Trata-se de uma leitura rápida e com uma pitada de coração.

MINÚSCULA PULGA é uma trama recheada de sabores e dissabores, uma história aconchegante de se ler e que te traz para dentro do enredo. Eu senti muita pena de pulga, e refleti sobre tantos "pulgas" que existem por aí, sem ter a chance de apreciar um belo e límpido arco-íris. Gostei como a trama foi conduzida, levando esperança e alegria para um garoto que vive sobre um tom de cinza. Mas apesar de todos os prós, teve também os contras... Esses fincados no roteiro, que, a meu ver, deixou um vazio e falta de explicação... Não posso falar mais, pois soltarei spoilers. Os personagens secundários aparecem pouco, mas, de certa forma, dão um "que" especial na trama. O final me deixou um pouco perdida, guiando-me na dúvida se de fato termina daquela forma ou se teremos uma continuação. Só posso afirmar que apesar dos pesares, vale a pena leitura. O autor tem uma escrita deliciosa de se aventurar, e como eu já disse antes, é uma leitura muito rápida, ou seja, um bom entretenimento.  

O enredo é narrado em terceira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está no padrão digital; e a capa estampa o mundo cinza de Pulga. 


Livro: Minúscula Pulga
Autor: Farrel Kautely
Gênero: Drama/Suspense
Editora: Hope
Ano: 2019
Páginas: 132

23 de jul de 2019

"Relacionamento tipo porta giratória"

A gente ensina aos outros como quer ser amado. Talvez de modo inconsciente, a gente mostra a todo mundo como deseja ser tratado, e nem sempre demonstramos que queremos ser bem amados, bem cuidados, bem olhados, bem decifrados, bem respeitados. 

Muitas vezes preferimos requentar o café frio de anteontem a não beber café nenhum e, de modo distorcido, ensinamos aos outros que não merecemos um café quentinho e cheiroso, recém passado e com sabor marcante. Talvez devêssemos escolher não ter nada a ter as piores porções. 

E é assim também que aceitamos um relacionamento tipo porta giratória, e permitimos que nosso coração abrace e seja abandonado tantas vezes quanto o outro quiser, pois preferimos ter esse alguém entrando e saindo de nossas vidas a não ter esse alguém de jeito nenhum. 

Nem sempre iremos nos machucar num relacionamento assim. Quando é conveniente para os dois, quando ninguém está criando expectativas ou desejando algo mais, os pratos da balança se equilibram e ninguém se machuca. Porém, tudo muda quando você faz um investimento emocional na relação e o outro não. Quando você aposta num banquete e recebe somente migalhas. 

Você jamais terá um banquete se fica farto com as migalhas. Jamais será levado a sério se romantiza joguinhos e justifica vácuos e perdidos. Jamais será convidado pra um encontro olho no olho se acredita que o like na foto antiga é a melhor alternativa. 

Mas antes de sair fazendo cobranças e exigências, estabelecendo regras e impondo ultimatos, experimente simplesmente sair da porta giratória e veja o que acontece. Ao invés de esperar uma mudança de atitude do outro, mude você. Seu coração não precisa viver em compasso de espera, dando chances e mais chances a alguém que simplesmente não se importa. Se o outro se importasse, a porta não giraria. 

Espero que você nunca se esqueça que ofereceu chances e elas foram desperdiçadas, todas elas. Espero que você não se distraia das sensações ruins que a porta giratória te causou, e não caia na tentação de duvidar das cicatrizes que ela deixou. Espero que você não ignore o quanto esse vai e vem emocional te faz mal, e aprenda de uma vez por todas que quem te tem em consideração não faz do seu coração um parque de diversão. 

[Texto de]: Fabíola Simões 

9 de jul de 2019

[Falando em]: Só Hoje — de Cinthia Freire

É sempre um prazer resenhar uma obra de um autor que gostamos... E esse livro não foge a regra, pois a Cinthia Freire tornou-se uma das autoras nacionais prediletas. o/ Já li outras obras dela e, da mesma forma, me enterneci. Agora venho falar dessa lindeza, recheada de coração, que leva como título "Só Hoje", obra que baixei gratuitamente em formato digital, uma publicação independente. Confira agora a sinopse, book trailer e o meu parecer. Bem-vindos ao universo de Cadu e Mia!!! 


Sinopse: Há seis anos eu tive um encontro com a morte e naquela noite fiz uma promessa. Prometi que passaria a minha vida à sua espera, aguardando até que ela estivesse pronta para me buscar. Mas o tempo passou sem que ela voltasse e tudo o que me restou foi a dor que me impede de dormir e por muitas vezes parece prestes a me sufocar. Eu viveria assim, estava preparado para continuar sozinho a sua espera, se não fosse por um pequeno deslize, uma única brecha na escuridão que havia se tornado a minha existência. Era para ter sido apenas um momento, um sopro de ar em meus pulmões sufocados. Mas eu cometi um erro. Eu me apaixonei por uma garota. E agora, eu tenho medo que a morte volte, porque pela primeira vez desde aquela noite, eu não quero mais morrer.



"Porque hoje eu preciso de você..."






Um enredo arrebatador! 💘💘💘

Aos dezessete anos Mia, junto do namorado (Luiz), e da melhor amiga (Marcella), segue para uma festa. E nessa festa ela avista um rapaz que faz com que seu coração palpite descompassado. Os anos passam e, agora, ela é uma advogada solteira e está no apartamento que divide com a melhor amiga, a fim de festejar sua despedida para um outro país. Logo ela se depara com um rapaz o qual pensa ser um garoto de programa. 
— Não, eu te escolhi porque você me lembra um garoto que vi uma vez na vida — admito e me sinto esquisita falando do garoto de olhos verdes apagados que me enxergou quando eu ainda era uma adolescente desajeitada e namorava o pior garoto do mundo. — Ele tinha os seus olhos. (Livro: Só Hoje, Cap. 9)
(clique na imagem para maior resolução

Mia descobre que tal  rapaz não é um garoto de programa e que, na verdade, ele se chama Cadu. Tão breve apercebe-se que trata-se do mesmo rapaz por quem (anos atrás) seu coração palpitou descompassado. Depois de uma noite inusitada de sexo, ambos começam a se envolver. O que ela não contava é que Cadu tem seus traumas do passado, devido a um acidente que fez parte e deixou marcas profundas em seu íntimo. 
Mia parece sentir minha tensão e desvia o olhar para baixo, hesito por um momento pensando se não seria melhor que eu fosse embora, ela merece alguém que a leve nas porcarias de festas que quer, merece alguém limpo, sem cicatrizes, sem passados e sem pecados, merece muito mais do que sou e mesmo sabendo disso não consigo dizer adeus, não posso deixar que ache que eu não a quero quando ela é tudo o que eu mais quero no mundo. (Livro: Só Hoje, Cap. 22)
Cadu, em verdade, não se acha merecedor das coisas boas, principalmente do amor de Mia. Ele não consegue vencer seus medos, e mesmo amando-a, decide deixá-la. Ela, assim como ele, se vê perdida e dilacerada. No entanto, depois de meses conhece Tarso, um também advogado com quem começa a se relacionar.
Baixo o olhar para as minhas mãos pensando na minha vida, no rumo que as coisas tomaram, em como vim parar nesse jardim, sentada ao lado de um homem enquanto carrego em meu coração sentimentos pelo outro que está à minha frente, agora sei que se houvesse alguma chance de ficarmos juntos ela deixou de existir no momento em que ele soube quem era meu namorado. (Livro: Só Hoje, Cap. 58) 
Agora cesso os comentários para não soltar mais spoilers

O que dizer dessa trama linda?! Vou começar fazendo uma equiparação, não sei se a autora vai gostar, mas é o que eu acho... Eu a considero como a Brittainy C. Cherry brasileira (a propósito, a Brittainy é uma das minhas autoras prediletas). Agora falando dessa história que aquece o âmago...

SÓ HOJE é uma trama que transborda coração e que nos apresenta o lado bom e ruim do amor. Trata-se da história de um coração partido (SIM, O VELHO E BOM CLICHÊ), porém com uma trama bem construída e cheia de sentimentos. Depois de ver a morte de perto, Cadu nunca foi o mesmo... Até conhecer Mia e, com isso, passa a sentir um lampejo de esperança. Tanto os personagens protagonistas e secundários quanto o enredo te suga para o contexto, fazendo-nos absorver as alegrias e dores que a trama traz consigo. Durante a leitura você enxerga o crescimento dos personagens e, ao menos pra mim, fez-me sentir seus dissabores. Há uma nova e angustiante questão onde Mia se vê perdida e que faz com que o leitor sinta-se igual, afinal, tanto Cadu quanto Tarso são apaixonantes. De pano de fundo, assim como o título, temos a música que representa o amor de Mia e Cadu, "Só Hoje  do Jota Quest". O final é cercado de reviravoltas angustiantes, mas que, como marca registrada da autora, conduz a uma bela mensagem/aprendizado. A escrita da Cinthia é envolvente e deliciosa de se encontrar. Por fim, para quem curte um drama/romance daqueles que escalda a alma, eis essa maravilhosa pedida. 💘💘💘 Eu, particularmente, não me contentando em avaliá-lo com cinco estrelas, também o favoritei no Skoob... EU MEGA INDICO!!! o/

O enredo é narrado em primeira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está no padrão digital, perfeita; e a capa é belíssima, estampando ninguém menos que Cadu. 



Livro: Só Hoje
Autora: Cinthia Freire
Gênero: Drama/Romance
Publicação — Independente
Ano: 2019
Páginas: 678

8 de jul de 2019

[Lido]: Junho de 2019

Olá, lovers!
Como foram de leituras?! Espero que muito bem. \o/\o/\o/
Bom, no meu caso, devido alguns contratempos, me enveredei apenas em um livro de parceria, o terceiro de uma saga que gosto muito e que, por mais uma vez, me fez refletir, além de, claro, ser uma grata surpresa. Quer saber mais sobre essa leitura?! Então clique no link abaixo e confira a resenha. Bem-vindos!


(clique no título da obra para conferir a resenha