19 de mar de 2019

5 grandes razões para assistir “O Menino Que Descobriu o Vento”

Eu, Simone, já assisti essa lindeza de filme, inspirado em uma história real e adaptado pela Netflix. E por ter gostado tanto e, claro, visualizado esse artigo com as 5 grandes razões para assisti-lo, resolvi repostar o mesmo aqui no blog. Agora convido a todos para conferir essa dica para lá de especial, um filme repleto de reflexões e que transborda sentimentos adversos. Por fim, uma linda história verídica. Vem junto! o/

De tempos em tempos, um filme grande ampla repercussão na plataforma de streaming Netflix. Dessa vez, quem entrou com tudo foi a produção “O Menino que descobriu o vento”. Abaixo, selecionamos 3 motivos indicados por Matheus Mans para o site Esquina Cultural e que julgamos relevantes reproduzir para o nosso público:


1- História emocionante 
A trama de O Menino que Descobriu o Vento, da Netflix, conta a história de William (Maxwell Simba), um rapaz que vê sua comunidade entrar em colapso aos poucos, no coração da África. A democracia está ameaçada, sua família começa ter preocupações graves sobre dinheiro e comida e o clima começa a apresentar instabilidade. Com essa boa e pouco usual premissa, o roteirista, diretor e ator Chiwetel Ejiofor (protagonista de 12 Anos de Escravidão) tece uma produção que fala sobre um assunto pouco abordado em Hollywood sem preconceitos, clichês e narrativas fracas. É a vida e suas dificuldades em essência.


2- Boas atuações 
Todo o elenco está bem, sem pontas soltas. Simba faz uma estreia extremamente madura e segura nas telonas. Passa uma confiança misturada com medo que é muito irracional no ser humano, exponenciada em situações-limite. Tem um futuro grandioso. Ejiofor, enquanto isso, tem plena segurança sobre a história que está contando. Afinal, ele toma conta da produção em várias frentes e domina a narrativa. Como um pai rigoroso, mas de bom coração, ele se sai muito bem. Algumas cenas dão raiva por suas atitudes, mas logo o espectador é recompensado com algum acalento. O restante dos coadjuvantes tem pouco espaço, mas funciona quando são exigidos em cenas mais dramáticas.


3- O final 
O título demora para fazer sentido — só lá pelos 30 minutos finais que o objetivo central de William é revelado. É bonito e traz uma mensagem importante sobre ter confiança, segurança e perseverança, ainda que uma boa subtrama ambiental se perca no meio. Porém, essa mensagem é apenas a superfície. Há, aqui, uma importante história sobre família, amadurecimento, respeito e política. Sobre esse último ponto, aliás, há uma frase de roteiro excepcional: “democracias são como mandiocas importadas. Apodrecem rápido”. Diz muito sobre a África, sobre a América Latina e, especificamente, sobre o Brasil atual. É, em resumo, um filme que vai além de seus limites. Nós, aqui da CONTI outra, gostaríamos de somar mais duas razões que justificam esse investimento:


4- Ser baseado em uma história real 
Não sei se isso também acontece com vocês, mas quando eu sei que uma história é baseada em fatos reais, ela passa ter um peso ainda mais emocional na minha experiência de assisti-lo. Nesse caso, “O Menino que descobriu o vento”, de William Kamkwamba , foi precedido pelo livro homônimo escrito pelo próprio autor e por diversas palestras e relatos de sua história, como a sua marcante participação na Ted. Confira abaixo:


5- Uma mensagem de esperança 
O filme não é perfeito, mas sua mensagem é inspiradora, uma vez que dá um exemplo da capacidade humana de não perder as esperanças e de, frente a cada dificuldade, reinventar-se. É um relato profundamente humano e que nos lembra que, nossa vida é muito melhor e fácil do que pensamos que é, basta termos um olhar mais amplo e entender que existe muito mais coisa nesse mundão do que somos até mesmos capazes de imaginar.


Gostou? Confira o Trailer

[Via]: Psicologia do Brasil

14 de mar de 2019

[Falando em]: Duas Vidas, Encontro — de B. Pellizzer

Sabe aquele autor(a) que você é louco(a) para conferir um de seus textos?! Pois bem, B. Pellizzer faz parte da minha seleção de autores que, por fim, queria muito conhecer. E já adianto que foi uma grata surpresa e que, claro, quero ler outros textos dela. o/ Agora convido a todos para conferir a sinopse e o que eu achei de "DUAS VIDAS, ENCONTRO", o primeiro de uma série, uma publicação da editora Raredes em parceria com a Drago Editorial. Vem junto! o/


Sinopse: Quando Isabel e Rogério se conheceram, foi amor ao segundo beijo (o primeiro beijo dos dois foi um fiasco). Como nem só de beijos e encantos sobrevive um grande amor, os dois se perderam um do outro e, quando se reencontraram, Isabel estava namorado Rodrigo, o irmão de Rogério. Isabel é independente, despachada, não sabe se acredita em Deus e tem uma boca muito suja. O tipo de mulher que Rogério sempre desprezou; Rogério é o típico bom-moço, evangélico, de família, e até um tanto machista. O tipo de homem que Isabel nunca respeitou. Mesmo com tantas diferenças, a cada passo que davam na direção contrária do outro, as forças invisíveis do destino os empurrava de volta. 


"Porque a distância entre dois amores, é apenas um espaço no tempo..." 

Uma grata surpresa!

Isabel Ferrara tem vinte anos e terminara seu noivado com Carlos, três dias antes de seu casamento. A fim de desfrutar de sua liberdade, resolve ir a uma danceteria com suas amigas; Rogério Figalho tem vinte anos, policial rodoviário, criado numa família evangélica, noivo de Larissa. Exausto com sua relação insossa, dá uma escapadela e vai se divertir na mesma danceteria que Isabel está. 
Na beira da pista, enquanto observava Isabel dançar, Rogério não pensava na conversa que o tinha levado até ali. Havia algo hipnótico nos movimentos da moça. Algo que o obrigava a olhar. Ela não estava se exibindo. Parecia que nem estava ali, que só estava curtindo a música, mas, por Deus, como era sexy. (Livro: Duas Vidas, Encontro  de B. Pellizzer) 

Os dois ficam juntos mas, ao final da noite, ambos se apresentam com nomes diferentes e Isabel, o número de telefone errado. Desta forma, sem ter como se comunicar, mesmo atraídos um pelo outro, acabam findando o que ainda nem havia começado. 
Pensou nele por um instante muito breve, entretanto, e tão logo se lembrou de com quem estava, retribuiu o beijo com tanta intensidade quanto possível. Quando suas bocas se separaram, ela olhou bem nos olhos do namorado e sussurrou seu nome para que tivesse certeza de que era nele que ela estava pensando. (Livro: Duas Vidas, Encontro  de B. Pellizzer) 
Como numa brincadeira do destino, Isabel conhece Rodrigo (irmão mais velho de Rogério). Sem saber que o moço é irmão daquele que lhe tirou a paz, tendo ambos muito em comum, entram em um acordo e  digamos assim   num relacionamento aberto.
— Tô te dizendo que ela invadiu minha vida e penetrou na minha pele, assim como fez com você. Tô dizendo que Ana Lívia e Isabel são a mesma pessoa. (Livro: Duas Vidas, Encontro — de B. Pellizzer) 
Rodrigo acaba por contar tudo a Rogério e Isabel: ela tira de letra, mesmo ainda pensando em Rogério; ele sente-se traído e furioso, porém fica na dele, deixando com que o irmão e sua paixão, Isabel, prossigam com o namoro. Agora cesso os comentários para não soltar mais spoilers.

Trata-se de um triângulo amoroso, e como tal, somos conduzidos as dúvidas e escolhas que rodeia quem vive tal infortúnio.

DUAS VIDAS, ENCONTRO é uma conturbada história de amor, onde os opostos se atraem e os dispostos se distraem. Eu me vi imersa nesse triângulo, mas confesso que, muitas vezes, ele me tirou do sério. Isabel me fez ir do céu ao inferno com seu jeito despojado de ser: eu a amei e a odiei, pois suas dúvidas, em com quem deveria ficar, me deu nos nervos. Dentre hesitação e asserção somos conduzidos a um romance improvável. Mas quem disse que o improvável não pode tornar-se provável?! Essa é a cereja do bolo do enredo, e tal como os protagonistas temos os personagens secundários, cada qual com sua característica e dosagem exata, que só agregou na trama. Eu, particularmente, fiquei apaixonada por Franklin, amigo e confidente de Isabel. Rogério, Rodrigo e Cláudia também ganharam o meu coração. Eu queria falar mais, mas se eu fizer isso soltarei spoilers. A escrita da autora é deliciosa de se aventurar (eu só diminuiria bastante o número de páginas da trama); os personagens são do tipo que grudam na pele; e o enredo perpetua em questionamentos e deixa uma mensagem legal. A propósito, o final foi surpreendente e obtundente (eu não esperava aquilo, a autora me matou com tal revés). Por fim, para quem curte um triângulo amoroso daqueles, eis essa boa pedida.

A trama é narrada em segunda pessoa (algo que curti bastante, pois me fez mais íntima do contexto), com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está excelente, no formato digital; e a capa é muito bonita, estampando esse triângulo para lá de quente.


Livro: DUAS VIDAS, ENCONTRO #1
Autora: B. Pellizzer
Gênero: Drama/Romance
Editora: Raredes e Drago Editorial
Ano: 2015
Páginas: 574

13 de mar de 2019

[Conto]: O VASO — de Olavo Bilac

Oh! o lindo, o lindo vaso que Celina possuía! e com que carinho, com que meiguice tratava ela as flores daquele vaso, o mais belo de toda a aldeia! Levava-o a toda a parte: e, no seu ciúme, na sua avareza, não queria confiá-lo a ninguém, com medo de que mãos profanas estragassem as raras flores que nele viçavam. Ela mesma as regava, de manhã e à noite: ela mesma as catava cuidadosamente todos os dias, para que nenhum inseto as roesse ou lhes poluísse o acetinado das pétalas. E em toda a aldeia só se falava do vaso de Celina. Mas, a rapariga, cada vez mais ciosa do seu tesouro, escondia-o, furtava-o às vistas de todo o mundo. Oh! o lindo, o lindo vaso que Celina possuía! 

Certa vez, (era por ocasião das colheitas) Celina acompanhou as outras raparigas ao campo. A manhã era esplêndida. O sol inundava de alegria e de luz a paisagem. E as raparigas iam cantando, cantando; e as aves nas árvores, gorjeando, e as águas do riacho nos seixos da estrada, murmurando, faziam coro com elas. E Celina levava escondido seu vaso. Não quisera deixá-lo em casa, exposto à cobiça de algum gatuno. E os rapazes diziam: “Aquela que ali vai é Celina, que possui o mais belo vaso da aldeia…” 

Por toda a manhã, por toda a tarde, a faina da colheita durou. E, quando a noite desceu, cantando e rindo as raparigas desfilaram, de volta à aldeia. Celina, sempre retraída, sempre afastada do convívio das outras, deixou-se ficar atrasada. E, sozinha, pela noite escura e fechada, veio trazendo o seu vaso precioso… 

Dizem na aldeia que aqueles caminhos são perigosos: há por ali, rodando nas trevas, gênios maus que fazem mal às raparigas… 

Não se sabe o que houve: sabe-se que Celina, chegando à casa, tinha os olhos cheios de lágrimas, e queixava-se, soluçando, de que haviam roubado as flores do seu vaso. E não houve consolação que lhe valesse, não houve carinho que lhe acalmasse o desespero. E os dias correram, e correram as semanas, e correram os meses, e Celina, desesperada, chorava e sofria: “Oh! as flores! as flores do meu vaso que me roubaram!…” 

Mas, no fim do nono mês, Celina consolou-se. Não tinha recuperado as flores perdidas… mas tinha nos braços um pimpolho. E o João das Dornas, um rapagão que era o terror dos pais e dos maridos, dizia à noite, na taverna, aos amigos, diante dos canecos de vinho: 

— Ninguém roubou as flores da rapariga, ó homens! eu é que lhes fiz uma rega abundante, por que não admito flores que estejam toda a vida sem dar frutos… 

[Falando em]: Romance Proibido — de Clara de Assis

Eu baixei esse e-book gratuitamente, devido a indicação de uma amiga. Trata-se de uma  noveleta, e por tal motivo, somos conduzidos a uma breve história. Agora convido a todos para conferir a sinopse e o que eu achei de "ROMANCE PROIBIDO", uma história do gênero LGBT, escrito pela autora Clara de Assis, uma publicação independente. 


Sinopse: Após mudar mais uma vez de cidade, o estudante e gamer, Brice Lockhart, está se adaptando aos novos desafios. Com seu talento em cativar amigos, parece saber exatamente quem é e do que gosta. Até que o novo professor de literatura mostra a ele que suas convicções são frágeis, e Brice começa a questionar sobre quem realmente é e do que realmente gosta. 


"Porque, às vezes, querer é poder..." 

Uma noveleta gostosa de se ler!

Brice Lockhart é um jovem estudante do ensino médio (e gamer), filho de um pai militar. Ele se mudara para uma nova cidade e começara a se relacionar com Amber, a garota mais sexy do colégio. 
Ele ficou calado. Calado tempo demais. Analisando-me, estava certo disso. Manteve seus olhos sobre os meus. Ele era do tipo que encarava, que apreciava uma briga. Mas adivinha? Eu também. (Livro: Romance Proibido, Cap.4)


O que Brice não contava é que teria um novo professor de literatura, Alexander Knnox (mais conhecido como Sr. Knnox), um homem intimidador e atraente. 
Queria afastá-lo. Precisava afastá-lo, porque eu queria que ele me tocasse. Aquilo era errado. Toda a minha vida eu estive com garotas, pensei em garotas, aprendi o que deveria fazer. Mas o que estava acontecendo dentro de mim, ninguém me ensinou, ninguém me explicou a confusão. (Livro: Romance Proibido, Cap.8) 
Knnox também é um gamer, o que é descoberto por Brice. E  nesse impasse, entre meio a descobertas, os opostos se atraem. E mesmo entre a diferença e convicções díspar, acabam, por fim, unindo-os intimamente, fazendo Brice se questionar sobre sua atual condição.
— Você precisa sair dos meus pensamentos! Eu preciso sair dos seus. Deixa eu te beijar direito e então vá embora. Isso nunca terá acontecido. Vamos viver nossas vidas como... não sei... amigos? (Livro: Romance Proibido, Cap.8)
Agora cesso os comentários para não soltar mais spoilers.

ROMANCE PROIBIDO faz jus ao título, apresentando as intempéries e o caos interno de dois personagens bem diferentes: Brice é um rapaz descobrindo-se, em uma nova condição sexual; Knnox já é certo de sua condição sexual, porém se camufla para  digamos assim  aos olhos dele, um bem maior. O querer fala mais alto, o que implica questionamentos por parte de ambos (especialmente Brice), fazendo com que ele se afaste de sua namorada, Amber. E nesse ínterim somos conduzidos aos sabores e dissabores de uma nova paixão. A autora tem uma escrita singela e deliciosa de se enveredar. O que eu senti falta foi um pouco de aprofundamento na trama, mas, como já foi dito, trata-se de uma noveleta e, por tal motivo, é uma leitura rápida. 

A trama é narrada em primeira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão, a diagramação está boa, no padrão digital; e a capa estampa um dos protagonistas que, a meu ver, é Brice.


Livro: ROMANCE PROIBIDO
Autora: Clara de Assis
Gênero: LGBT
Publicação — Independente
Ano: 2019
Páginas: 66

7 de mar de 2019

[Falando em]: IMAGINARIUM/ANTOLOGIA — de Susana Silva e outros

Eu baixei essa antologia gratuitamente depois de ser avisada pela amiga/escritora portuguesa e organizadora Susana Silva.💘💘💘Trata-se de contos de fantasia, onde alguns autores nos presenteiam com seu imaginário. Agora convido a todos para conferir a sinopse e o que eu achei de IMAGINARIUM, uma publicação independente. 


Sinopse: A busca por novas histórias pode levar-te a um universo totalmente único, onde você descobrirá um mundo paralelo em que princesas são verdadeiras guerreiras, piratas se tornam os mocinhos e sereias não são sereias. Aqui o leitor é convidado a entrar em momentos fantásticos onde a imaginação não tem limites. Vem, encare essa aventura. A fantasia pode te surpreender. 


"Porque em cada mente, um novo mundo se cria..." 

Uma grata surpresa!

Por tratar-se de uma antologia, antes de dar o meu parecer, deixarei abaixo três quotes.
E então tudo tremeu. Um estrondo no céu fez os corvos alinharam-se como um exército quando o comandante dá uma ordem. Um vulto passou por mim fazendo a minha pele arrepiar-se. Fechei os olhos. O vulto não tinha me causado medo. (Conto: Noiva do Demônio, de Nanda Guzo)
Não podia acreditar no que descobrira em um único dia: a existência de trolls, fadas, uma bruxa e sereias, uma perfeita criatura das águas. Uma perfeição que poderia ser dele. Estava apaixonado, disso tinha certeza absoluta, não poderia apenas ir embora e deixá-la lá para sofrer pela eternidade. (Conto: O Canto da Sereia, de Ge Benjamim)
— Não é seu treinamento que importa, é seu coração. — Abaixou sua cabeça e encostou seu focinho em meu peito. — Esse foi o erro dos humanos no passado, por isso viraram bestas ferozes, muito mais até que os dragões que montavam. Não tinham corações puros, a ligação não era completa e nós sofríamos pela ignorância daqueles que deveriam ser nossos companheiros. (Conto: Do Outro Lado da Porta, de Tatiane Durães) 


Quem me conhece sabe que esse não é um dos meus gêneros prediletos. Contudo, às vezes, vale a pena sair da zona de conforto. E foi o que aconteceu.

IMAGINARIUM é uma odisseia fantástica, onde o leitor se verá entre bruxas, sereias, dragões, piratas e tantos outros seres mágicos. A criatividade é ampliada, nos conduzindo ao irreal, tornando de cada conto um grato entretenimento. É óbvio que cada qual tem sua particularidade, e, ainda assim, embarcamos em diversas aventuras, algumas assustadoras e outras um tanto utópicas, o que condiz com o que fora proposto. Por fim, para você que curte contos de fantasia, eis essa boa pedida. o/

Os contos são narrados em primeira e terceira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está boa, no padrão digital; e a capa é bonita, estampando seres mágicos. 


Antologia: IMAGINARIUM
Organizadora: Susana Silva
Autores: Susana Silva, Nanda Cuzo, Gê Benjamim, 
Tatiane Durães, Graci Rocha, Leanderson Silva,
Carla de Sá, Estefany Cavalcanti, S.S Days e Mirian Fidelis Guimarães
Gênero: Contos/Fantasia
Publicação  Independente
Ano: 2018
Páginas: 216

[Lidos]: Fevereiro de 2019

Olá, lovers!
Me diga, como foram de leituras??? Bom, eu fui um pouco devagar: reli um livro que amo muito e li outro que me deixou impactada (e que também amei). 💘💘💘 Mas o motivo de ter poucas leituras na minha lista é porque estou maratonando duas séries, ou seja, Vikings e Game Of Thrones. De qualquer forma, arranjei um tempinho para me perder nas páginas destes dois livros incríveis. Agora vem junto conferir as resenhas de A Voz do Arqueiro e TARDE DEMAIS. o/


[clique no título para conferir a resenha]: