24 de jul de 2017

[Quote]: Dezesseis, A Estrada da Morte — de Simone Pesci

Meu estado de euforia, presumo que devido ao Ecstasy, era psicoativo. Senti um bem-estar acompanhado de uma grande excitação... Eu estava ligadão! Meu modo “adrenálico compulsivo objetivo”, junto ao efeito da balinha do amor, indicavam uma capacidade física e mental que me trariam ainda mais vantagem. Notei que o anjo me fitava a alguns metros de distância, triste e preocupada, provavelmente pelo que eu acabara de fazer. Fiquei com vergonha e desviei de seu olhar... Foi quando dei de cara com o Opala metálico preto, adesivado com tribais de fogo e que carregava consigo uma logotipia com as letras: FH. Segundos depois descobri qual era o seu significado: From Hell  este era o nome da gangue de apenas dois membros que Samuel criara, sendo um destes membros o “Caroço”. 

Eu sentia tudo de forma intensa, e estava mais alerta do que nunca. Por um ínfimo segundo, senti vontade de jogar tudo pro alto e tomar o anjo em meus braços. Meu apetite sexual estava mais aguçado do que normal, tal que me dei por conta que esse também era mais um dos efeitos da “pílula do amor”. 

 Vai ficar aí parado, pé na tábua?  perguntou Samuel, já dentro do seu Opala, acelerando-o. 

Desliguei-me de todos os pensamentos que me levassem na direção do anjo, e entrei em meu Trovão. Imediatamente, um sonoro e ensurdecedor som brindou os ouvidos de todos... Nossas máquinas fizeram do ambiente um concurso exclusivo de qual motor soaria mais alto. Dei play no meu potente som do carro, dando vez à música No Sleep Till Brooklin, da banda Beastie Boys e minha euforia elevou-se a tal ponto, que imaginei como seria maravilhoso ter Ana ao meu lado, no banco do carona, prestes a participar do racha comigo. Foi então que a fitei de esguelha, e notei que ela estava ainda mais triste e preocupada do que antes. Tentei contornar a situação presenteando-a com a minha marca registrada, uma singela e sensual piscadela. 

"Vou te levar pra casa, meu anjo!", flertei em pensamentos. 

As pessoas agitaram-se ainda mais, gritando meu nome por todos os lados, ansiando pela bandeirada inicial que estava prestes a acontecer. E assim, olhei na direção de Samy, que encarou-me com intenso ódio. Ele bradou algo que não pude compreender... Em provocação, acelerei ainda mais o meu Trovão, deixando todos mais eufóricos, dizendo o meu nome em uma só voz: 

 Johnny, Johnny, Johnny... 

E aqui estávamos  Johnny e Samy  lado a lado, em máquinas potentes, disputando um mesmo coração. 


[Inspirado na canção “Dezesseis”  da banda brasileira Legião Urbana  este é um enredo de amor recheado com muitas aventuras]


✔ Para saber mais, clique AQUI e AQUI.

Nenhum comentário

Postar um comentário