2 de nov de 2018

Sobre a singeleza das coisas...


Choveu na singeleza das coisas. A vida, tão minúscula ficou úmida de acasos. A esperança veste a oração de fé. Alguém pega em minha mão para além das indiferenças. O esquecimento vem dos séculos apagados. Às vezes, a memória pede um tempo na dimensão do nada. O desassossego vem de uma voz que se calou. Pode a ausência não ser tão distante da presença? 
[Por]: Mariana Gouveia

Nenhum comentário

Postar um comentário