2 de fev de 2018

Advérbio? Por que não?

Eu me deparei com esse artigo no blog da amiga/escritora Vivi Peixoto e achei de grande valia postá-lo aqui, pois trata-se de uma dica essencial para quem se propõe a contar histórias. Vem junto conferir! o/ 





Não é segredo algum que eu gosto de escrever! Se não fosse assim, esse blog sem dúvida não existiria. Sempre busco maneiras de aprimorar a qualidade dos meus textos, para fazer isso leio alguns artigos de dicas em sites de confiança. 

O engraçado é que todos os textos de gênero mencionam que devemos ter cuidado com o uso demasiado do advérbio. Lembro com clareza de um artigo em particular, o autor dizia que simplesmente desistia de textos carregados do dito cujo advérbio. 

A princípio ignorei, afinal, qual é o problema? O advérbio nunca fez nada a ninguém. Certo? 

Bom, segui em frente aplicando todas as dicas possíveis e deixando essa de lado. Na minha cabeça tratava-se de um caso de preconceito linguístico. (Pura ingenuidade) 

Depois de um tempo, me dei por vencida. Comecei a enxugar os advérbios terminados em -mente, uso esse termo por que é isso mesmo que faço, eu enxugo os advérbios na revisão. Por que na revisão? Bom, é simples, quando as palavras invadem minha mente de forma torrencial, eu quero passá-las logo para o papel, preciso registrar antes que a inspiração se vá. Depois volto substituindo, aprimorando e aprofundando. 

Nesse processo, percebi que ao substituir os advérbios terminados em "mente" o trecho ficava mais elaborado e a qualidade melhorava. 

Vou dar exemplos: 

“Disse animadamente” = “disse, um sorriso se insinuou nos cantos de sua boca e seu corpo estremeceu, enchendo-se de expectativas”. 

“Saiu decididamente” = “e sumiu do quarto, batendo a porta atrás dele”. 

A verdade: o advérbio é mais fácil, prático. Ao mesmo tempo, também é uma forma muito pobre de descrever algumas situações. Quando optamos pelo caminho mais fácil, perdemos a oportunidade de escrever com elegância. 

Percebe como o advérbio pode virar vilão? Aprendi que ele nos deixa um tanto preguiçosos. 

O que acham? 

[Artigo via]: Vivi Peixoto - Escritora

Nenhum comentário

Postar um comentário