22 de abr de 2018

[Falando em]: HIV, O PRECONCEITO QUE MATA — de Clério Júnior

Eu baixei esse e-book gratuitamente e já ciente que a obra é baseada em fatos reais, o que de fato me instigou, o li. Confira agora a sinopse e o que eu achei de "HIV, O Preconceito Que Mata", obra do autor Clério Júnior, uma publicação independente.


Sinopse: Michael é um jovem de apenas 23 anos e só pensa em curtir a vida. Morando sozinho em uma área nobre de Minas Gerais conheceu o lado difícil da vida. Michael trabalhava e sempre dava o melhor de si, até que um dia o desemprego bateu em sua porta e ele vendeu o próprio corpo para sobreviver. Conhecido nas redes sociais do mundo LGBT, Michael começou a fazer diversos programas em um mesmo dia. Ele não acreditava que o pior estava para acontecer com ele. Em um dos programas ele fez bareback e acabou adquirindo o vírus da imunodeficiência humana (HIV). Várias doenças começaram a aparecer e ele entrou em desespero sem saber o que tinha de errado. Ele nem desconfiava, mas, quando descobriu, tudo em sua vida mudou, e dessa vez, para pior. Uma história baseada em fatos reais. 


"Porque o que mata é o preconceito..." 

Um relato reflexivo! 

Aos dezenove anos Michael conheceu a ex namorada, e por dois meses eles moraram juntos. Contudo, num dia qualquer, ao voltar do serviço, a flagrou com outro homem na cama. Sua decepção e tristeza foi tamanha, jogando-o num abismo e conduzindo-o numa profunda obscuridade.
Com o tempo, cheguei a fazer programas homossexuais, novinhos, jovens e coroas, meu book encheu de contatos. Vendia o meu corpo de dia e de noite, e também fazia de graça. Me enfiei em um mundo onde a prostituição, o dinheiro, o prazer, e a abstinência falavam mais alto, um mundo podre e asqueroso, não pelas pessoas, mas sim pelos atos que se passavam ali. (Livro: HIV, O Preconceito Que Mata  de Clério Júnior)
(clique na imagem para maior resolução

Michael acaba por contrair o vírus HIV, e sem contar sobre a sua doença para a família, inicia um tratamento na UPA (Unidade de Pronto Atendimento), onde acaba conhecendo Jorge, que é um dos enfermeiros e que, de certa forma, o apoia nessa difícil jornada. Michael, por sua vez, acaba o enxergando com outros olhos. 
Palavras de encorajamento, força, um sentimento motivacional, era o que Jorge me passava diariamente. Mas eu não passava de um cara com HIV, ele nunca teria olhos para um doente. (Livro: HIV, O Preconceito Que Mata  de Clério Júnior)
O tempo passa e com ele Michael conta sobre sua doença para família. Ao contrário do que ele pensava, acaba por ter a compreensão e apoio de todos.
Meu desejo é que eu fosse um dos afortunados que não têm quaisquer efeitos colaterais; mas o que não nos mata, nos fortalece. Para quem está tendo problemas com os remédios eu digo que você pense que esta é uma luta íntima! Não desista. Não cedas. (Livro: HIV, O Preconceito Que Mata  de Clério Júnior)
Apesar do apoio recebido, Michael oscila entre o sol e a chuva.

Escrito como um diário datado entre 2015 e 2019, fui conduzida a uma triste realidade. Não se trata de ficção, mas sim da história de vida do autor.

HIV, O PRECONCEITO QUE MATA é um relato pungente. Eu já passei por algo parecido (anos atrás), quando tive câncer. Muitas vezes demonstrava uma alegria e ausência de dor, apenas para amenizar os corações de quem estava ao meu lado e que amo. Talvez seja por isso que consegui sentir com grandiosidade o desabafo do autor, onde a adaptação tem de vir dos dois lados, ou seja, do enfermo e de quem está de fora. Desejo ao autor muita serenidade e sabedoria nessa luta constante, e que a felicidade esteja sempre presente.

O texto é narrado em primeira pessoa, com narrativa de fácil compreensão; a diagramação está boa, no formato padrão digital; e a capa estampa nada menos que parte da história do autor. 


Livro: HIV, O Preconceito Que Mata
Autor: Clério Júnior
Autor: Drama/Biográfico
Publicação Independente
Ano: 2018
Páginas: 134

Nenhum comentário

Postar um comentário