31 de mai de 2018

"Deixa eu te levar comigo, moço"

Deixa eu te carregar nos olhos, moço. É para que eu possa te prender entre meus cílios quando o medo me assombrar da porta. Depois de muito tentar, botei uma placa de acesso restrito no peito e, cá entre nós, só entram aqueles sentimentos que deixo. Os outros, permito que olhem de fora, mas que não se demorem. E de tudo e todos, o medo é o que vem com mais frequência, embora nem tanta que dê vez para se preocupar. É aquilo de ter as coisas no lugar que preocupa, sabe moço? Parece que o ‘muito bem, obrigada’ vem embrulhado num papel fino de insegurança boba, só por não querer por um ponto final numa história que vem sendo bonita. 

Você sempre brilha nos meus olhos, moço. Quando teu nome sai sem querer dos meus lábios ou quando os pensamentos não são mais meus e passam a pertencer a ti. E o sorriso dança bobo no canto da boca, desfazendo meu cuidado em não deixar transparecer. Minto, o cuidado de deixar transparecer pouco. É como comento, moço, com você eu me perdi já no oi e não foi tão difícil me entregar por inteira, me envolver toda. Você não precisava ser tão você que ainda sim eu me vestiria toda tua e seria fácil, tanto quanto é. 

Piegas. Dou um jeito de me apaixonar por você todo dia, moço. Permita que eu me apaixone todo dia e me dê mil motivos para continuar me apaixonando. Vê o lado bom, moço? Não há segredos nem fórmulas certas para que você continue acertando sempre, você só precisa ser você mesmo, não perder a piada nem esquecer as poesias. No mais, a gente se inventa. Se veste, se colore, pinta e borda. E eu vou me satisfazendo de você, sem nunca me saciar por completo. O tempo é sempre pouco quando te tenho perto e não conheço o rosto da vontade de ir embora. E nem quero. 

Tudo bem moço, pode vir você com a tua sina de não dar audiência para as minhas linhas, mas não há nada aqui que não tenha sido dito. Por mais que as palavras se estanquem na garganta e o silêncio predomine, há um bocado de tranquilidade entre a gente que diz mais do que a fala realmente seria capaz. E… quer saber? Nem me arrisco dizer. Traduzir. Só permito transparecer, moço, do jeito manco que sei fazer. E fico. E carrego uma expectativa mansa de que baste, de que você veja e que você permita que eu te carregue nos olhos, moço, para te prender quando o medo der tchau da porta e para me acompanhar quando vou me abraçar nos sonhos… 

[Serviços editoriais]: Capas para e-book

Olá, lovers!
🎯🎯🎯 Tempos atrás postei algumas capas para e-book a pronta entrega (para conferir, clique AQUI). Hoje trago oito novos modelos. Caso alguém tenha interesse, favor entrar em contato informando o número da capa para o e-mail: simoniass@hotmail.com


                                       CAPA 8                                                           CAPA 9
 



                                       CAPA 10                                                        CAPA 11 
 



                                     CAPA 12                                                          CAPA 13
 



                                      CAPA 14                                                         CAPA 15
 

28 de mai de 2018

[Falando em]: Oito — de Décio Gomes

Que sou fã do autor Décio Gomes isso não é novidade. o/ A propósito, já li os três livros da série IN NOMINE PATRIS e afirmo que foi a partir dessas leituras que me tornei fã (para conferir as resenhas, clique AQUI, AQUI e AQUI). E assim que vi essa antologia disponível para download gratuito, não hesitei em baixá-la. Agora convido a todos para conferir o que eu achei de "OITO", uma antologia com oito contos, uma publicação independente. 


Sinopse: Entre o terreno e o etéreo existem muitos mistérios. Entre o céu e o inferno existem inúmeras portas. Entre a vida e a morte, também, existem inúmeras conexões. E o número oito está ligado a cada uma delas. Seja um equilíbrio cósmico, seja um círculo ou um quadrado, seja este mundo ou o intermediário: tudo está representado dentro de um oito, que de pé indica quantidade, e que deitado incorpora o infinito. Oito histórias. Oito sentimentos. Oito formas de se dizer o que está por dentro. Oito olhares. Oito cores: oito forma de falar de dores e amores. 


"Porque para cada conto há de se ter uma grande história...' 

Uma antologia maravilhosa! 💘💘💘

Por tratar-se de uma antologia, cada conto leva sua dosagem de particularidade: uns dramáticos, outros românticos e, claro, como marca registrada do autor, há também aqueles com sua  pitada de terror. Abaixo deixarei três quotes de contos que amei (se bem que gostei de todos). rs
Nara não sabia — e talvez nunca viesse a saber —, mas o que o filhote de pelos amarelos queria mesmo dizer, com o primeiro miado de sua vida, era a palavra que completava o chamado daquela que havia dado-lhe um lar não apenas naquela vida, mas também na anterior. Ele queria dizer... “Polo”. Ele queria dizer... “mãe”. (Antologia: Oito, Conto: Marco Polo) 
A faca de caça foi mais uma vez retirada da cintura, e o colecionador de máscaras estava finalmente pronto. Começaria ali, naquele exato minuto, o maior massacre de assassinatos em massa que o mundo chegaria a conhecer. (Antologia: Oito, Conto: O Colecionador de Máscaras) 
Mancando e ainda com a mente a girar, Jullian foi levado pelo centro da capela. Ao chegar à entrada, antes de deixar a pequenina capela em construção, não teve a certeza de ter ouvido certo ou de apenas ter sofrido um devaneio, mas conseguiu escutar, ao pé de seu ouvido, um sussurro gelado e suave formado por um coro de vozes combinadas: “Liberdade…” (Antologia: Oito, Conto: As Almas dos Enforcados)

(clique na imagem para maior resolução)

Excelentemente escritos e pra lá de instigantes, a cada virar de página eu me sentia mais envolvida e ansiando por mais.

OITO é uma coletânea de contos que retrata de tudo um pouco, cada qual com sua característica. As histórias começam diminutas e conforme a leitura foi fluindo, envolveu-me de forma que me fez desejar um livro para cada conto. Pois bem, o autor tem dessas, pois sabe como ninguém contar histórias que prende o leitor... E com OITO não seria diferente!!! Para quem curte uma leitura rápida e pra lá de instigante, eu mega indico essa antologia. o/

O livro tem contos narrado em primeira e terceira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está excelente, em formato padrão digital; e a capa é belíssima, mostrando um pouco de cada conto. 


Antologia: Oito
Autor: Décio Gomes
Publicação  Independente
Ano: 2017
Páginas: 180

26 de mai de 2018

[Falando em]: Hannibal — Série (Temporada 1)

Antes de iniciar a resenha, deixa eu respirar... 

OK! RESPIREI!!! 

Acho que agora já posso começar a falar sobre este conglomerado de empatia e, claro, falta de empatia que leva consigo um dos psicopatas mais icônicos da história do cinema. Em 2001, em "O Silêncio dos Inocentes", ele aparece encarcerado, interpretado pelo sensacional ator Anthony Hopkins. Para quem ainda não sabe do que se trata, deixarei abaixo a sinopse e o trailer (legendado) da primeira temporada da série Hannibal, uma produção da NBC, que teve estreia em 2013. Vem junto conferir! o/


Sinopse: Will Graham (Hugh Dancy) é um agente especial que forma perfis criminais. Contando com suas habilidades e a ajuda do FBI, inicia uma caça a um serial killer. Mas, neste caso, Will precisa da ajuda do enigmático psiquiatra Hannibal Lecter (Mads Mikkelsen). Juntos eles são imbatíveis, mas Lecter tem segredos que o agente ainda não descobriu.

FICHA TÉCNICA 
Hannibal 
Gênero: Drama, Suspense, Terror 
Temporadas:
Duração: 43 min. 
Origem: Estados Unidos 
Criação: Bryan Fuller 
Direção: David Slade, Guillermo Navarro, James Foley, Michael Rymer, Tim Hunter 
Roteiro: Bryan Fuller, Chris Brancato, David Fury, Jesse Alexander, Scott Nimerfro 
Produção: Martha De Laurentiis, Bryan Fuller, Michael Kessler, Loretta Ramos, Jesse Alexander, Chris Brancato, Sidonie Dumas, Tim King, Scott Nimerfro, Katie O'Connell, Christophe Riandee, Elisa Roth, David Slade, Steve Lightfoot, Jeff Vlaming, Jennifer Schuur, Sar
Elenco: Hugh Dancy, Mads Mikkelsen, Laurence Fishburne, Caroline Dhavernas, Gillian Anderson, Tao Okamoto, Raúl Esparza, Joe Anderson, Katharine Isabelle, Fortunato Cerlino, Scott Thompson, Aaron Abrams, Lara Jean Chorostecki, Richard Armitage, Rutina Wesley, Nina Arianda.
Ano: 2013






MINHAS CONSIDERAÇÕES:

Poderia ser apenas um remake de "O Silêncio dos Inocentes", com Dr. Hannibal Lecter atrás das grades. Porém o expectador é presenteado com muito mais, isto é, um roteiro instigante e aterrorizante, deixando de lado o conhecido psicopata atrás das grades, apresentando o não empático Dr. Hannibal, antes mesmo de ser descoberto. 

De antemão o espectador é conduzido a um design pessoal e proposital entre dois seres humanos diferentes: o primeiro denotando empatia por qualquer circunstância, o segundo negligenciando qualquer tipo de afeto. E é desta forma, entre investigações de um suposto serial killer, que o espectador é guidado à diversas atrocidades vindas de uma mente brilhante e culta, capaz de enlouquecer até mesmo o maior catalisador de sentimentos. 

HANNIBAL, A SÉRIE apresenta Dr. Hannibal e seu séquito de seguidores, tendo como base a linha investigativa e, claro, o terror por trás de diversos crimes. A grande sacada foi que mesmo sendo um roteiro adaptado, soube caminhar com as próprias pernas, de forma original e com conteúdo. Entre um caso e outro há uma sucessão de psicopatia, cada qual com sua particularidade, porém sempre interligando-se ao senhor-mor psicopata. Não posso deixar de dizer que além do magnífico roteiro, temos as espetaculares atuações dos protagonistas Dr. Hannibal Lecter (interpretado pelo ator Mads Mikkelsen), que foi tão original e único. E tão espetacular quanto é o agente especial Will Graham (interpretado por Hugh Dancy), mostrando-se um catalisador eficaz e sofredor. Eu me apaixonei por ambos, e isso não faz de mim uma psicopata, mas sim uma apreciadora de um magnífico roteiro. O final da primeira temporada foi de quebrar o coração, e deixou-me mais ansiosa para conferir a sequência. Não dá pra dizer mais, o certo é convidar a todos para assistir essa linha de investigação e mentes pra lá de sombrias. Se eu gostei?! NÃO, EU NÃO GOSTEI! EU MEGA, ULTRA, MAX, HIPER AMEI!!! 💘💘💘 E logo menos estarei conferindo a segunda temporada da série. Por fim, para você que curte uma trama investigativa de primeira, com muitas teorias e reviravoltas, eis essa maravilhosa pedida. EU. MEGA. INDICO. o/


25 de mai de 2018

"Como explicar o AMOR..."

Contam que, uma vez, se reuniram os sentimentos e qualidades dos homens em um lugar da terra. Quando o ABORRECIMENTO havia reclamado pela terceira vez, a LOUCURA, como sempre tão louca, lhes propôs: 

 Vamos brincar de esconde-esconde? 

A INTRIGA levantou a sobrancelha intrigada e a CURIOSIDADE, sem poder conter-se, perguntou: 

 Esconde-esconde? Como é isso? 

 É um jogo!  explicou a LOUCURA.  Em que eu fecho os olhos e começo a contar de um a um milhão enquanto vocês se escondem, e quando eu tiver terminado de contar, o primeiro de vocês que eu encontrar ocupará meu lugar para continuar o jogo. 

O ENTUSIASMO dançou seguido pela EUFORIA. A ALEGRIA deu tantos saltos que acabou convencendo a DÚVIDA e até mesmo a APATIA, que nunca se interessava por nada. Mas nem todos quiseram participar. A VERDADE preferiu não esconder-se, para quê? Se no final todos a encontravam? A SOBERBA opinou que era um jogo muito tonto (no fundo o que a incomodava era que a ideia não tivesse sido dela) e a COVARDIA preferiu não arriscar-se. 

 Um, dois, três, quatro...  Começou a contar a LOUCURA. 

A primeira a esconder-se foi a PRESSA, que como sempre caiu atrás da primeira pedra do caminho. A FÉ subiu ao céu e a INVEJA se escondeu atrás da sombra do TRIUNFO, que com seu próprio esforço, tinha conseguido subir na copa da árvore mais alta. A GENEROSIDADE quase não consegue esconder-se, pois cada local que encontrava lhe parecia maravilhoso para algum de seus amigos  se era um lago cristalino, ideal para a BELEZA; se era a copa de uma árvore, perfeito para a TIMIDEZ; se era o voo de uma borboleta, o melhor para a VOLÚPIA; se era uma rajada de vento, magnífico para a LIBERDADE. E assim, acabou escondendo-se em um raio de sol.

O EGOÍSMO, ao contrário, encontrou um local muito bom desde o início. Ventilado, cômodo, mas apenas para ele. A MENTIRA escondeu-se no fundo do oceano (mentira, na realidade, escondeu-se atrás do arco-íris), e a PAIXÃO e o DESEJO, no centro dos vulcões. O ESQUECIMENTO, não recordo-me onde escondeu-se, mas isso não é o mais importante. Quando a LOUCURA estava lá pelo 999.999, o AMOR ainda não havia encontrado um local para esconder-se, pois todos já estavam ocupados, até que encontrou um roseiral e, carinhosamente, decidiu esconder-se entre suas flores.

 Um milhão!  contou a LOUCURA, e começou a busca.

A primeira a aparecer foi a PRESSA, apenas a três passos de uma pedra. Depois, escutou-se a FÉ discutindo com Deus no céu sobre zoologia. Sentiu-se vibrar a PAIXÃO e o DESEJO nos vulcões. Em um descuido encontrou a INVEJA e, claro, pode deduzir onde estava o TRIUNFO. O EGOÍSMO não teve nem que procurá-lo. Ele sozinho saiu disparado de seu esconderijo, que na verdade era um ninho de vespas. De tanto caminhar, a LOUCURA sentiu sede, e ao aproximar-se de um lago descobriu a BELEZA. A DÚVIDA foi mais fácil ainda, pois a encontrou sentada sobre uma cerca sem decidir de que lado esconder-se. E assim foi encontrando a todos.

O TALENTO entre a erva fresca; a ANGÚSTIA em uma cova escura; a MENTIRA atrás do arco-íris (mentira, estava no fundo do oceano); e até o ESQUECIMENTO, a quem já havia esquecido que estava brincando de esconde-esconde. Apenas o AMOR não aparecia em nenhum local. A LOUCURA procurou atrás de cada árvore, embaixo de cada rocha do planeta, e em cima das montanhas. Quando estava a ponto de dar-se por vencida, encontrou um roseiral. Pegou uma forquilha e começou a mover os ramos, quando no mesmo instante, escutou-se um doloroso grito. Os espinhos tinham ferido o AMOR nos olhos. A LOUCURA não sabia o que fazer para desculpar-se: chorou, rezou, implorou, pediu perdão e até prometeu ser seu guia. Desde então, desde que pela primeira vez se brincou de esconde-esconde na terra: O AMOR é cego e a LOUCURA sempre o acompanha.

[Autor desconhecido]

23 de mai de 2018

Sobre a preguiça de ser criativo...


Por onde anda a criatividade?! Há clichê em tudo, ou seja, no romance, no drama, no suspense, no investigativo e pasmem, até no terror. A pergunta é a seguinte: O que de fato está acontecendo?! Por onde caminha a criatividade?!... Por onde caminha os acontecimentos que se interligam na trama e fazem todo o sentido?!... Por onde anda o ápice da trama com grandes revelações?!... Por fim, onde se encontra a razão do por quê?! Vou dizer, estou cansando de ler alguns nacionais, e digo isso com dor no coração. Eu não sou a perereca das galáxias em meus textos, mas tento usar da minha criatividade para elaborar um conteúdo — digamos assim — com conteúdo. Vamos vencer essa preguiça, com homens fodões e garotas puritanas, tampouco com garotas fodonas e homens puritanos. A vida, em sua totalidade, é paz, amor e guerra. Dedique-se mais ao conteúdo.

Abraços literários,
Simone Pesci 

22 de mai de 2018

[Falando em]: A luz que perdemos — de Jill Santopolo

Eu recebi essa maravilha em parceria com a editora Arqueiro, para resenhar no blog "Uma leitura a mais" e, claro, aqui também (P.S:. Obrigada, Arqueiro!). 💘💘💘 Agora convido a todos para conferir a sinopse, book trailer e o que eu achei de "A luz que perdemos", obra da autora Jill Santopolo. Vem junto! o/ 


Sinopse: Lucy e Gabe se conhecem na faculdade na manhã de 11 de setembro de 2001. No mesmo instante, dois aviões colidem com as Torres Gêmeas. Ao ver as chamas arderem em Nova York, eles decidem que querem fazer algo importante com suas vidas, algo que promova uma diferença no mundo. Quando se veem de novo, um ano depois, parece um encontro predestinado. Só que Gabe é enviado ao Oriente Médio como fotojornalista e Lucy decide investir em sua carreira em Nova York. Nos treze anos que se seguem, o caminho dos dois se cruza e se afasta muitas vezes, numa odisseia de sonhos, desejo, ciúme, traição e, acima de tudo, amor. Lucy começa um relacionamento com o lindo e confiável Darren, enquanto Gabe viaja o mundo. Mesmo separados pela distância, eles jamais deixam o coração um do outro. Ao longo dessa jornada emocional, Lucy começa a se fazer perguntas fundamentais sobre destino e livre-arbítrio: será que foi o destino que os uniu? E, agora, é por escolha própria que eles estão separados? A Luz Que Perdemos é um romance impactante sobre o poder do primeiro amor. Uma ode comovente aos sacrifícios que fazemos em nome dos ­nossos sonhos e uma reflexão sobre os extremos que perseguimos em nome do amor.




"Porque somos nossas escolhas e consequências" 

Um enredo maravilhoso! 💘💘💘

Lucy e Gabe se conhecem na faculdade, mais especificamente na aula de filosofia do professor Kramer, em 11 de setembro de 2001, quando o World Trade Center foi atacado e veio ao chão. Ela acompanha Gabe até o seu apartamento, que divide com três amigos, a fim de saber notícias sobre o trágico e devastador acontecimento. Durante aquele triste momento eles se beijam e se apaixonam.
Há momentos que alteram a vida das pessoas. Para tanta gente como nós, que morávamos em Nova York então, o 11 de Setembro foi um desses momentos. Qualquer coisa que eu tivesse feito naquele dia teria siso importante, teria sido gravado a ferro na minha mente e marcado meu coração. Não sei por que te conheci naquele dia, mas sei que, por isso, você passou a fazer sempre parte da história da minha vida. (Livro: A luz que perdemos, Pág.21)

(clique na imagem para maior resolução)



O desejo entre ambos foi imediato, mas após a ligação de Stephanie (ex namorada de Gabe), dizendo que o seu irmão que trabalha no World Trade Center estava desaparecido, ele decide reatar com a ex. Lucy se distancia e sofre da sua forma, tal quanto Gabe. E depois de anos, quando Lucy está comemorando com as amigas seus vinte e três anos, eles se reencontram em um bar. Agora Gabe está solteiro e eles começam a se relacionar.
Kate tinha razão, é claro. Mas, àquela altura, não havia nada que eu pudesse fazer para alterar o nosso destino — o seu, o meu, o nosso. Eu assumo a responsabilidade pela decisão. Até hoje assumo. Nunca me senti tão viva quanto nos cinco meses que moramos juntos. Você mudou minha vida, Gabe. Fico feliz pela escolha que fiz. Livre-arbítrio, apesar do destino que nos esperava. (Livro: A luz que perdemos. Pág. 49)
Por cinco meses Lucy e Gabe moram juntos, porém ele decide seguir com seus sonhos, mudando-se de Nova York, passando a trabalhar como fotojornalista no Oriente Médio. 
Herdamos as expressões de sofrimento de nossos antepassados pré-verbais, codificadas no DNA. Você estava mesmo partindo, em algum momento, mas nunca pude imaginar como seria. E foi um pesadelo. Como se o meu coração fosse frágil como vidro e alguém o jogasse no chão, quebrando-o num milhão de pedaços para depois esfregar o sapato nos cacos. (Livro: A luz que perdemos, Pág.72) 
(clique na imagem para maior resolução)


Agora cesso os comentários para não soltar mais spoilers.

Antes de qualquer coisa, quero dizer que a nota/referência na capa do livro, dizendo que os fãs de Um dia e Como eu era antes de você curtirão a obra faz todo sentido. Eu, particularmente, fiquei apaixonada por essa história e adianto que "leio até mesmo a lista de compras da Jill Santopolo". o/

A LUZ QUE PERDEMOS é uma sensível história de amor, uma impactante consequência de nossas escolhas, sejam elas viáveis ou não. Entre encontros e desencontros, querer e não poder, o leitor é arrebatado para dentro da vida de uma mulher que ama o passado tão quanto o presente. E que espera do futuro apenas continuar com o amor pulsando de forma vibrante dentro do peito. Não há como não se apaixonar com os dois amores de Lucy, ou seja, Gabe e Darren, pois ambos têm a sua porcentagem de sensibilidade e verdade. O contexto, em totalidade, me tocou de forma pessoal, deixando-me em alguns instantes inquieta e fazendo-me comparar algumas situações pelas quais já passei. Eu me senti como se fosse a protagonista, e assim como ela, me vi perdida. A questão do "será se..." é o ponto crucial da narrativa. Não há pior ou melhor escolha, há apenas escolhas e, claro, suas consequências. O final é de quebrar o coração e deixa uma belíssima mensagem. Se eu gostei?! NÃO, EU NÃO GOSTEI! EU MEGA, ULTRA, MAX, HIPER AMEI!!! 💘💘💘 Os direitos para o filme foi comprado, e eu estou ansiosa para conferir essa lindeza nas telonas. \o/\o/\o/

O livro é narrado em primeira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está excelente, com fontes e espaçamentos na medida, adornado em papel pólen soft (o amarelinho mais claro); e a capa é belíssima, estampando vestígios de Lucy e Gabe em duas já não existente s Torres Gêmeas. Por fim, para você que curte um lindo drama, daqueles de partir o coração, eis essa maravilhosa pedida.


Livro: A luz que perdemos
Autora: Jill Santopolo
Gênero: Drama/Romance
Editora: Arqueiro
Ano: 2018
Páginas: 272

20 de mai de 2018

Leia! Avalie! Compartilhe!

Ei, você... Está a fim de se encontrar em ótimas leituras?! Então convido a todos para ler DEZESSEIS - A ESTRADA DA MORTE e CONTANDO A CANÇÃO. O primeiro é inspirado na canção de mesmo título, da saudosa banda Legião Urbana — e o segundo é uma antologia com 10 breves contos inspirados em canções, entre elas com o repertório da Legião Urbana, Nirvana, Ira, Skid Row, Kid Abelha, Van Halen, Arnaldo Antunes e Nando Reis, Cindy Lauper, Jota Quest e, por fim, George Michael. Ambos projetos estão com excelentes avaliações e preço acessível, além de estarem disponíveis no Kindle Unlimited. Caso você não tenha o aparelho Kindle para leitura, basta baixar gratuitamente o aplicativo para o seu smartphone, tablet ou computador. Bem-vindos à estrada da morte e ao universo da vívida partitura!!! 🎶 📖 🎶




Adquira os e-books, AQUI.
✔ Baixe o aplicativo Kindle gratuitamente, AQUI

14 de mai de 2018

[Tradução]: Jesus Doesn't Want Me for a Sunbeam

Que Nirvana é a minha banda do coração não há dúvidas. Agora trago a tradução de uma canção que ficou mundialmente conhecida na voz de Kurt Cobain, mas que na verdade é originalmente da banda "The Vaselines". Confira a tradução de "Jesus Doesn't Want Me for a Sunbeam". Vem junto! ♪♫


P.S.: Vídeo editado por Simone Pesci

13 de mai de 2018

"Se todas as coisas fossem mãe..."

Se a lua fosse mãe, seria mãe das estrelas, o céu seria sua casa, casa das estrelas belas. 

Se a sereia fosse mãe, seria mãe dos peixinhos, o mar seria um jardim e os barcos seus caminhos.  

Se a casa fosse mãe, seria a mãe das janelas, conversaria com a lua sobre as crianças-estrelas, falaria de receitas, pastéis de vento, quindins. Emprestaria a cozinha pra lua fazer pudins! 

Se a terra fosse mãe, seria mãe das sementes, pois mãe é tudo que abraça, acha graça e ama a gente. 

Se uma fada fosse mãe, seria a mãe da alegria. Toda mãe é um pouco fada... Nossa mãe fada seria. 

Se uma bruxa fosse mãe, seria mamãe gozada: Seria a mãe das vassouras, da Família Vassourada! 

Se a chaleira fosse mãe, seria a mãe da água fervida, faria chá e remédio para as doenças da vida.  

Se a mesa fosse mãe, as filhas, sendo cadeiras, sentariam comportadas, teriam “boas maneiras”. 

Cada mãe é diferente: Mãe verdadeira, ou postiça, mãe-vovó ou mãe-titia. Maria, Filó, Francisca, Gertrudes, Malvina, Alice.

Toda mãe é como eu disse!

Dona Mamãe ralha e beija, erra, acerta, arruma a mesa, cozinha, escreve, trabalha fora, ri, esquece, lembra e chora, traz remédio e sobremesa. Tem até pai que é “tipo-mãe”... Esse, então, é uma beleza!!!

FELIZ DIA DAS MÃES!!! [em 13/05/2018]

[Texto de]: Sylvia Orthof

[Quotes]: Fantasia / Sobrenatural

Ei, você aí... Gosta de um enredo fantasia/sobrenatural?! Se a resposta e SIM, então deixo abaixo seis quotes de livros, todos do gênero e com excelentes histórias. Se quiser saber mais, basta clicar na aba "Resenhas / Livros" do blog e procurar pelo título da obra. Garanto que não irá se arrepender. Vem junto conferir! o/


(clique nas imagens para maior resolução)
 


 


 

12 de mai de 2018

[Divulgando]: A CUCA — de Marcelo de Lima Lessa

Hoje apresento-lhes um teaser trailer que tive o prazer de fazer, do novo livro de Marcelo de Lima Lessa, autor de Gênesis Proibido e Evangelho Perdido (para conferir as resenhas dos livros, clique AQUI e AQUI). Agora o autor nos brinda com o primeiro volume do "Contos do Folclore Sombrio - A CUCA", ainda sem casa editorial e que, certamente, o quanto antes estará em uma excelente editora. Vem junto conferir o teaser! o/


P.S.: Vídeo editado por Simone Pesci

11 de mai de 2018

[Divulgando]: Pôster e trailer da temporada 2 de "Os 13 Porquês"

Muitos já sabiam que haveria uma segunda temporada de "Os 13 Porquês" e, por este motivo, a Netflix liberou o trailer dessa nova temporada, que começa no próximo dia 18 de Maio de 2018. Se você ainda não sabe do que se trata, basta clicar AQUI. Eu, particularmente, apesar de ter achado a temporada 1 com um ritmo lento, gostei do que assisti. Agora, ao ver o trailer com essa sequência tão esperada, creio que a abordagem seja mais dinâmica (assim espero), além da trama continuar abordando temas polêmicos. A propósito, Hanna Baker está de volta, o que decerto será a cereja do bolo, com Clay tendo visões dela pedindo por justiça. \o/\o/\o/ Confira agora a sinopse e o trailer legendado. 


Sinopse: A temporada 2 de 13 Reasons Why retrata as consequências da morte de Hannah e a difícil jornada de nossos personagens rumo à recuperação. A escola Liberty se prepara para ir a julgamento, mas alguém quer impedir a todo custo que a verdade sobre a morte de Hannah venha à tona. Fotos ameaçadoras levam Clay e seus colegas à descoberta de um segredo terrível  e uma conspiração para encobri-lo. 



**E aí, o que achou?!
P.S.: Eu adorei!!! o/

10 de mai de 2018

[Falando em]: Outlander, A Libélula no âmbar — de Diana Gabaldon

Eu recebi essa maravilha em parceria com a editora Arqueiro, para resenhar no blog "Uma leitura a mais" e, claro, aqui também (P.S.: Obrigada, Arqueiro!). Como fã incondicional da série, adianto que essa sequência está tão entorpecente quanto o primeiro livro (para conferir a resenha do livro 1, clique AQUI). Agora convido a todos para conferir a sinopse, trailer da segunda temporada da série, além do que eu achei de "Outlander, A Libélula no Âmbar #Livro2", obra da autora Diana Gabaldon. Vem junto! o/


Sinopse: Claire Randall guardou um segredo por vinte anos. Ao voltar para as majestosas Terras Altas da Escócia, envoltas em brumas e mistério, está disposta a revelar à sua filha Brianna a surpreendente história do seu nascimento. É chegada a hora de contar a verdade sobre um antigo círculo de pedras, sobre um amor que transcende as fronteiras do tempo... e sobre o guerreiro escocês que a levou da segurança do século XX para os perigos do século XVIII. O legado de sangue e desejo que envolve Brianna finalmente vem à tona quando Claire relembra a sua jornada em uma corte parisiense cheia de intrigas e conflitos, correndo contra o tempo para evitar o destino trágico da revolta dos escoceses. Mesmo com tudo o que conhece sobre o futuro, será que ela conseguirá salvar a vida de James Fraser e da criança que carrega no ventre?




"Porque até mesmo as facetas da alma são conspiradoras..." 

Uma sequência apaixonante! 💘💘💘

Vinte e três anos se passaram e Claire Randall está de volta as Terras Altas, agora com Brianna (sua filha biológica com Jamie Fraser), que foi criada como filha legítima de Frank Randall.
 Por falar em círculos de pedra  disse ele rapidamente, acho que conheço o que você mencionou. É um belo cenário e não fica muito longe da cidade.  Sorriu diretamente para Brianna Randall, notando que ela possuía três pequenas sardas no alto da maçã do rosto.  Acho que vou começar este projeto com sua viagem até Broch Tuarach. Fica na mesma direção do círculo de pedras, então talvez... aaahh! (Livro: Outlander - A Libélula no Âmbar, Pág.19)
(clique na imagem para maior resolução)

A procura de notícias do passado, depois que Frank morreu e a fim de contar a verdade para Brianna, Claire, junto à Roger Wakefield (atual historiador e neto do reverendo já falecido Reginald), inicia uma busca incessante por documentos que lhe mostrem a verdade. 
"JAMES ALEXANDER MALCOLM MACKENZIE FRASER"  leu em voz alta.  Sim, eu o conheço. — Sua mão desceu pela pedra, afastando a grama espessa e alta ao redor, ocultando a linha de letras menores em sua base.
"Amado esposo de Claire"  leu ela. (Livro: Outlander - A Libélula no Âmbar, Pág.78)

Deparando-se com a lápide de Jamie, tendo a certeza de que ele morrera, Claire decide contar a verdade para Brianna e Roger.
 Um deles, um Fraser do regimento do senhor de Lovat, escapou...  repetiu Roger em voz baixa. Ergueu a cabeça da página e fitou os olhos dela, arregalados, sem nada ver, como os de um cervo hipnotizado pelos faróis de um carro que avança.
 Ele pretendia morrer no campo de batalha de Culloden  murmurou Roger.  Mas não morreu. (Livro: Outlander - A Libélula no Âmbar, Pág.877)

(clique na imagem para maior resolução)


Agora cesso os comentários para não soltar mais spoilers

Tendo em vista o último quote, há de se achar que a sequência da história inicia-se nesse ponto, ou seja, com Claire retornando após vinte e três anos ao passado. Mas não se enganem, pois trata-se de uma breve introdução.

OUTLANDER, A LIBÉLULA NO ÂMBAR é uma apaixonante sequência de acontecimentos, que conduzirá uma linha pra lá de tênue, apresentando novos fatos e consequências. A narrativa, em totalidade, se passa após o período em que os protagonistas fogem das Terras Altas (no final do primeiro livro), viajando pelo mar e fixando moradia na França, onde planejam mudar o futuro. Eu me apaixonei ainda mais pelo contexto. Talvez o fato de ter assistido a série antes, tenha tirado um pouco a gana em saber sobre os acontecimentos. No entanto, foram 890 páginas entre aventuras cômicas e perturbantes, embates políticos, liderança e, claro, amores e desafetos. A história mostra um outro lado de Jamie, onde ele se torna negociador e líder. É claro que ele me fez suspirar por diversas vezes. Claire, por sua vez, é introduzida na sociedade Parisense com ousadia, ajudando aos necessitados enfermos, e correndo sérios riscos por estar grávida. Se eu gostei?! A resposta é NÃO!  EU NÃO GOSTEI! EU MEGA, ULTRA, MAX AMEI!!! 💘💘💘 "E leio até mesmo a lista de compras da Diana Gabaldon!" o/ P.S.: Logo menos darei início a leitura do terceiro livro.

A trama é narrada em primeira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está boa, com espaçamentos na medida, porém as letras são um tanto miúdas (o que dificultou um pouco a leitura), adornada em papel pólen soft (o amarelinho mais claro e liso); e a capa é belíssima., estampando uma das cenas que Jamie e Claire protagonizam. Por fim, para você que é apaixonado(a) por um lindo romance cheio de reviravoltas, eis essa sensacional pedida. \o/\o/\o/


Livro: OUTLANDER, A LIBÉLULA NO ÂMBAR (LIVRO 2)
Autora: Diana Gabaldon
Gênero: Romance/Aventura
Editora: Arqueiro
Ano: 2018
Páginas: 890

9 de mai de 2018

"A vida espera pela janela"

A janela não era espaçosa em demasia, mas dava a ela uma visão bastante clara de tudo que interessasse aos seus olhos bisbilhoteiros. Toda envidraçada, ocultada, por vezes, pela cortina a tornar segredo o exterior em alguns momentos, essa abertura era somente sua. 

Nasceu naquela casa, após longas horas de um trabalho de parto exaustivo; rebentou para aquela residência, não para o mundo, como se conta sobre uma nova criança recém-chegada. E, a partir de então, foi lá mesmo que permaneceu. 

Tomava banho de sol pelo reflexo da janela; ouvia o choro e gritos de outras crianças da cadeirinha na sala e as visitas médicas aconteciam sempre nesse mesmo endereço. O próprio doutor havia proferido a sentença, segundo contava o pai. E também a tia, a vizinha, o farmacêutico e a governanta que dela cuidava desde que sua mãe partiu sem despedida, todos pensavam da mesma forma e estava dado o veredicto: ela jamais poderia sair de casa. 

De maneira que nunca ultrapassou a fronteira da porta de entrada. Quando menina, até esforçou-se, esboçou planos de fuga, driblou visitantes que deixavam lacunas à entrada, tentou mesmo convencer os professores que a assistiam, ensinando sobre as artes, matemática, letras e generalidades. Mas nada conseguiu. 

E dezessete anos voaram, como voam números perdidos. A menina curiosa tornou-se, assim, a menina desbotada. 

Da vida lá fora muito conhecia através do que a vista lhe entregava: sabia que as flores cheiravam a alegria; que, além de estrondos, os carros alardeavam os homens, com sua urgência e egotismo; sabia que o vento sacudia diferente os cabelos das meninas que passavam extasiadas com sorvetes nas mãos, provando os sabores uma da outra; sabia que os pássaros cumpriam sua missão religiosamente ao gorjearem seu ‘bom dia’ pela manhã. Tudo isso a fazia sentir-se ora meditativa, ora satisfeita, ora acomodada. 

Mas a menina estreita também não sabia de muitas coisas: não sabia que a chuva podia lavar todas as dúvidas do corpo numa tarde de verão; não sabia que as pessoas corriam e, nem sempre, estavam apressadas, pois muitas vezes o faziam sem olhar para trás, pelo prazer de serem livres; não sabia que se trocavam olhares nos bancos das praças, nas matinês, nas festas comemorativas e que isso poderia fazer o coração acelerar como numa febre; não sabia que não se encontrava a paz somente ouvindo as músicas favoritas, trancada no quarto e que ela podia estar ali num bar, num cemitério, na floricultura, na loja de sapatos, ou quando alguém estava sentado à calçada, fazendo bolhas de sabão. 

Pouco reclamava, pois nada lhe faltava. Se visse nos comerciais à televisão algo que desejasse, no dia seguinte, feito mágica, aquilo caia em suas mãos. 

– Pai. 

– Sim… 

E a menina acanhada disse uma hora qualquer, novamente, sem rodeios: 

– Será que um dia eu poderei frequentar uma faculdade? 

E ele a fitou com os olhos moídos: 

– Claro, minha pequena, um dia poderá… 

– Quando? 

E, dessa vez, foi o telefone que tocou. Outra vez foi a campainha, ou foram interrompidos pela hora do jantar ou do noticiário. 

Só que um dia ela não quis saber da televisão. Ficou ali na sua brecha, paisagem do mundo, olhando o vendedor que trespassava a rua. E, como de costume, escondeu-se quando percebeu que ela a havia notado. Ficou à espreita durante minutos, enquanto também ele expectava para reconhecer quem, à distância, estava a observá-lo. E o mesmo aconteceu no dia seguinte e nos outros. No quinto dia, ela não se ocultou mais e ambos, o andante zeloso e a menina não mais insípida, ficaram dividindo uma conversa sem palavras, baseada num dicionário que somente eles consultaram. 

Naquela noite, a menina arrebatada decidiu que o brilho das estrelas reluziria em seu corpo e seria seu. Juntou roupas em um lençol, carregou de salgadinhos uma sacola e deixou para o pai um bilhete afobado. Preparou-se, dessa forma, para a fuga, lutando contra os anos que deixaria para trás. 

Ele, o seu noivo de olhares, estava lá fora, aguardando sua chegada. De lá, jogou contra a janela aquela que tinha sido a maior pedra que encontrou, a fim de estilhaçar o vidro, pondo fim à barreira que os desunia. 

O barulho despertou a vizinhança. Na casa, acorreram a tentar entender o que acontecia, em meio à desorientação da madrugada. Mas, com exceção do susto, nada aconteceu, o vidro continuou íntegro e o aspirante a raptor correu, sem nem olhar para trás. A menina esmorecida explicou, com a voz escassa: 

– Ladrão. Era um ladrão! 

Enquanto o pai recobrava-se do assombro e telefonava para a polícia, só a governanta reparou no lençol e na sacola, mas nada revelou. Nem comentou sobre o bilhete à mesa de centro, tratou logo de enfiá-lo por dentro da camisola e guardar somente para si a confidência das palavras que não deveriam ser proferidas jamais. 
Através da janela, vejo as horas voando e nunca poderei alcançá-las. Peço desculpas se aqui vivi tempo demais. É hora de não olhar para trás. ” 
[Texto via]: Papo de Fran

[Dezesseis, A Estada da Morte]: Ana Cláudia

Ei, você ainda não conferiu DEZESSEIS - A ESTRADA DA MORTE?! Então dá uma conferida no vídeo abaixo, lembrando que a história foi inspirada na canção Dezesseis, da banda brasileira Legião Urbana. Bem-vindos à estrada da Morte! 📚📚📚


P.S.: Vídeo editado por Simone Pesci

✔ Adquira o e-book clicando AQUI.

6 de mai de 2018

E vamos que vamos...

[Falando em]: Amei Te ver — de Michael Josh

Eu recebi o pdf deste conto antes mesmo de ser lançado em formato digital, direto do amigo/autor Michael Josh. 💘💘💘 Sinto-me honrada por lê-lo antes de todos. Agora te convido a conferir a sinopse e o que eu achei de "Amei Te Ver", um conto que estará disponibilizado gratuitamente (como divulgação do autor), uma publicação independente. Vem junto! 


Sinopse: Você tem uma amizade que nunca mudou... Indiferente do tempo que se passe ou das coisas que acontecem em sua vida? Essa é a amizade de Renata e Felipe. Mesmo com todas as dificuldades que a vida colocou entre os dois, o que ambos sentiam um pelo outro sempre foi inabalável. Até que a vida lhes pregou uma peça. Renata e Felipe irão aprender o significado de um sentimento que preferiram não rotular. “Amei te ver” é uma história sobre amadurecimento e de altos e baixos, tal como a vida deve ser. Será que a amizade será suficiente para suportar todas as dificuldades que a vida colocar em seus caminhos?


"Porque, às vezes, reviver é viver..."






Um lindo conto! 💘💘💘

Felipe é um garoto que sempre tira notas baixas. Renata é uma garota esforçada, mas parece que nada entra na sua cabeça. Ele detesta tabuada. Ela tem dificuldade com as sílabas. Eis que ambos se tornam amigos.

 Você deu uma lição neles...  Renata comentou quando os dois desistiram ou se cansaram da briga. (Conto: Amei Te Ver, de Michael Josh)
(clique na imagem para maior resolução)

A amizade continuou com o passar do tempo, porém Felipe fez uma confissão...
 Eu beijei a Suelen! (Conto: Amei Te Ver, de Michael Josh)
Apesar de triste com tal confissão, o que realmente a deixou devastada foi saber que os pais do amigo estavam se separando e, com isso, Felipe se mudaria com a mãe para outro estado.
 Ótimo... Eu suportaria qualquer coisa nessa vida, menos perder meu melhor amigo. (Conto: Amei Te Ver, de Michael Josh) 
Agora cesso os comentários para não soltar mais spoilers.

AMEI TE VER é nada menos que um conto marcado por despedidas e reencontros. Um sentimento vigente e, ao mesmo tempo, oculto. A mais linda forma de se amar. O desfecho tamborila no peito como uma triste anedota, contudo deixa nas entrelinhas uma linda mensagem. EU AMEI O CONTO! Em verdade, queria que o autor o torna-se um livro.

O conto é narrado em terceira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação (em pdf) está boa; e a capa é linda de viver, estampando o casal protagonista. Por fim, para quem curte uma leitura rápido e que toca o coração, eis essa belíssima pedida. Logo menos o conto estará disponível na Amazon.


Conto: Amei Te Ver
Autor: Michael Josh
Gênero: Drama/Romance
Publicação Independente
Páginas: Aproximadamente 25
Ano: 2018

[ENTRE O CÉU E O INFERNO]: Max, Alex e Juan

Já faz um tempão que não posto nada sobre ENTRE O CÉU E O INFERNO, o meu primogênito publicado em 2014 e que, agora, está sendo repaginado para ser novamente publicado. Portanto, deixarei abaixo o parecer de uma das pessoas que conferiu sua versão passada. Logo menos teremos #EOCEOI muito mais lindo e emocionante. 🌷🌷🌷Fiquem atentos!



ALEX (protagonista): Como já disse ela é uma protagonista sem rótulos, por conta de ter tido uma história bem difícil é possível entender seu egoísmo inicial e sua carência no meio do enredo. O lado B de Alex é bem visível quando ela está com Max, o que deixa a história com um lado romântico lindo de se ler, dá a impressão de que ele ativa o que há de bom nela. #perfect

MAX: Bem, o mocinho da história é o típico sujeito que leva Alex ao céu. Só que Max não é o garotinho virgem esperando pela mulher certa aparecer em um vestido branco. O que eu gostei demais é que assim como Alex ele tem um lado B, porém inverso. Esse Lado B é mostrado quando ele próprio conta sobre a adolescência conturbada com Alex e revela que agiria da mesma forma se passasse pelo que ela passou.

JUAN: O típico vilão que eu gosto. Que te surpreende, que aparece quando tudo parece uma maravilha. Talvez o que eu tenha sentido falta foi uma justificativa de sua personalidade, mas é compreensível, por que podia ser que com isso a aura negra dele esmaecesse um pouco.

DONA ELIZA: Linda, linda e linda! Simplesmente amo ela e sei o por quê... Ela me recorda uma pessoa muito querida. Como ela aparece pouco na narrativa não dá pra falar muito dela sem spoliar, mas já adianto... Ela me fez chorar.

HUGO BRANDÃO: A personagem é plenamente justificável em todo o enredo, por suas escolhas e consequências ele é nada menos que um dos responsáveis por Alex ter se tornado a garota que é no começo do livro. Eu gostei muito da trajetória dele e fiquei com um pouco de agonia também.

Não falarei de TITO, CACÁ, TONY por que o que têm a falar deles é spoiler, eles têm uma participação muito curta no enredo.

P.S.: Palavras do amigo e autor, Michael Josh.

"Coração x Cérebro"

 O cérebro é o meu segundo órgão favorito.” (Woody Allen) 
 Fique quieto!

 Você precisa me escutar…

 Não. Não quero ouvir.

 Não me deixe aqui sentindo tudo sozinho…

 Chega! Você não manda mais aqui.

E virou as costas, desviando seu caminho. O parceiro de tantas paixões, amigo Coração, ficou ressabiado dentro do seu recanto. Foi designado a ele que não saísse de lá, que não exercesse mais função afetiva e continuasse seu trabalho habitual de tocar o sangue para frente, bombear sem titubeios, definir o fluxo, deixar passar, sendo somente motor, apesar de seu potencial eminente.
“Quando se amarra bem o próprio coração e se faz dele um prisioneiro, pode-se permitir ao próprio espírito muitas liberdades.” (Nietzsche) 
Se era o espírito ou razão que a controlariam, ainda não sabíamos nesse momento da história. O que ficou bem claro, fato consumado em sua totalidade, foi que apesar de cheio de água vermelha, o Coração ficou oco, dolorido em sua umidade. Fora deixado em paz, mas paz mesmo não encontrou. Esse golpe não esperava.

Cabreiro e abandonado, foi posto de lado pela primeira vez na vida. Sempre fora o Conselheiro-mor., o primeiro a ser inquirido, o autor da palavra final. Ela seguia o que o Coração mandava.
O que você sabe, Coração? 
Ele sempre sabia, mesmo não entendendo. Acertava até quando só palpitava, de palpite mesmo e, às vezes, de palpitação, quando a adrenalina o subjugava. Queria só dizer a ela que não se esquecesse do amor, mas teve as portas trancadas.

No entanto… alguém chegou para assumir o posto.
“Ninguém se mexe! Meu cérebro caiu” (frase de Jack Sparrow, em Piratas do Caribe)
 Deixe eu colocar ordem no recinto.

 Sim, sim, a casa é sua agora.

 Sempre foi, minha querida, sempre foi. Mas deixei você se iludir um pouco, pois sabia que no tempo certo voltaria para mim.

 Nossa, fui tão imatura que me envergonho disso.

 Sim, é hora de se envergonhar mesmo. Mas vou cuidar de tudo.

E foi assim que o Cérebro, aquela figura amedrontadora por ser tão dono de si, altivo e colossal mesmo com sua pouca estatura, pisoteou fortemente nos vestígios de amor jogados ao chão a fim de não os deixar mais tomar vida.

 O resto é só apêndice.

5 de mai de 2018

[E-books gratuitos]: Dias 05, 06 e 07 de Maio

Geinteinnn... "Johnny e o seu Opala azul metálico" e "Contando a Canção" estão no 0800, op's, gratuitos até segunda-feira (dia 07/05). Para quem não tem o aparelho Kindle para leitura, basta baixar gratuitamente o aplicativo no seu smartphone, tablet ou computador (deixarei o link abaixo). Bem vindos à estrada da morte e ao universo da vívida partitura!


✔ Baixe os e-books gratuitamente, clicando AQUI.
✔ Baixe gratuitamente o aplicativo, clicando AQUI.

3 de mai de 2018

Permita-me um pedido:

Quero uma vida em branco! Isso mesmo, em branco, onde eu possa colorir uma nova história, com personagens de olhos bem arregalados para que o novo desenho nasça sem erros. Quero muitas cores. Muitas mesmo. Quero tantas quantas forem possíveis para esquecer o cinza da quarta-feira que fere. Além das cores quero também perfumes. Quero cheiro da manhã bem como daquilo tudo o que é novo, que acaba de nascer, que tem força... O risco de me perder neste novo desenho é mínimo, pois não faltarão luzes a me guiar pelas linhas traçadas a mão livre e forte. Aviso que esta vida em branco terá como seu primeiro traço a linha do horizonte, daqueles a perder de vista, para que assim eu caminhe muito conhecendo novas pessoas. E quanto a você, não se preocupe. Terás seu lugar nesta nova vida, mas corra, pois as vagas são poucas. Serás bem vindo, desde que traga sua sinceridade e disposição para continuar a ser chamado de amigo. O que? Se nesta vida as mágoas terão espaço? Ah, não, essas não combinam com o novo colorido. O lugar que antes era reservado às mágoas agora será dedicado ao cuidado de saber quem realmente quer figurar nesta nova moldura. Agora se não for possível dar-me uma vida em branco, dê-me uma borracha, para que eu apague lembranças e sorrisos que um dia feriram esta alma que hoje suplica o direito de recomeçar. 

★ Por: Júlio Cesar Lima ★

[Quote]: Redenção — de Simone Pesci

Olá, pessoal!
Já faz um tempinho que estou estacionada nos textos. Porém, surgiu aquela vontadinha de dar continuidade em um dos meus enredos inéditos, ou seja, REDENÇÃO. E nada obstante, não perdi tempo, e mesmo não sequencialmente, estou mandado ver em um dos capítulos que mais ansiava escrever: a entrega de Ágata para Lúcifer... Op's, para Lucius Oliver. Confira abaixo um quote deste capítulo e, claro, um vídeo com a canção que será pano de fundo da cena.



— Então me mostre! — Ela desafiou-me. 

Eu poderia me materializar até mesmo como um demônio hollywoodiano de série via streaming. Mas decidi mostrar a ela a minha verdadeira essência. Aproximei-me, fazendo com que uma luz resplandecente surgisse ao meu redor, em seguida minhas asas negras despontaram. 

— Lindo! — disse Ágata, tocando minhas asas. 

— Como caíste do céu, sou a estrela da manhã! Não há beleza alguma nisso.


P.S.: Vídeo editado por Simone Pesci

1 de mai de 2018

[Lidos]: Abril de 2018

Olá, lovers!
Como foram de leituras?! Eu me enveredei em cinco obras: umas me tocaram mais; outras me tocaram menos. Bem ou mal todas me tocaram. 📚♥ 📚 Agora convido a todos para conferir as minhas cinco leituras de Abril. Vem junto! o/ 



[Clique no título para conferir a resenha]: