19 de mai de 2019

[Falando em]: Lendárias, A Legião — de Cristy S. Angel

Já faz muito tempo que estava de olho nessa obra, e quando a autora abriu novas parcerias, não pestanejei e me inscrevi. Por fim, fui uma das escolhidas e recebi um pacote recheado de carinho: com o primeiro e segundo volume dessa série, marca páginas do livro, outros dois marca páginas com o símbolo das Lendárias, ou seja, a flor-de-lis, e, claro, as dedicatórias (P.S.: Obrigada, Cristy!) 💘💘💘. Agora convido a todos para entrar no universo de Aurorya e conferir a sinopse, book trailer e o que eu achei de "Lendárias, A Legião", obra da autora Cristy S. Angel, uma publicação da editora Pen Dragon. Vem junto! o/ 


Sinopse: Em sua busca pela libertação de uma maldição, Kahlan, a líder das lendárias, é capturada pela legião em uma emboscada para ser levada ao rei das terras do norte. Na jornada, repleta de perigos e segredos através da floresta negra, têm seus poderes removidos por um bracelete mágico. Enquanto isso, o restante de seu clã guerreiro terá de decidir se partirá em sua busca ou se desvendará um novo mistério no forte das bruxas. Nesse meio tempo, a jovem e encantadora Líder é levada como prisioneira pelo comandante da legião, o belo Lian Ruthven, mas o que ambos não sabem, é que seus destinos estão mais ligados do que poderiam imaginar. 



"Porque há de ser corajosa e forte..." 

Uma trama instigante!

Kahlan é uma jovem bruxa, líder do clã Lendárias. Ela fora capturada por Lian, um belo comandante de olhos amendoados e seu clã, intitulado como A Legião, amando do rei do norte, Augustus. Em seu braço fora colocado o bracelete de Endora, que lhe priva de seus poderes, e o mesmo só pode ser tirado pela mesma pessoa que o colocou, ou seja, por Lian.
Um pequeno deslize (apenas um) e foi o bastante para o comandante a derrubar e colocar o bracelete de Endora em seu pulso. Não havia adornos nem beleza nele, era um pedaço de couro e metal, porém, reprimia os poderes de uma bruxa a deixando enfraquecida e perdendo a sua força. (Livro: Lendárias - A Legião, Pág.18)
(clique na imagem para maior resolução)  

Seu destino é o castelo de Vanmarah, e, enquanto a líder das Lendárias e A Legião percorrem uma longa jornada, as outras bruxas (companheiras de Kahlan), ficam na dúvida se a segue ou se procura por saber quem, ou melhor, o porquê ela fora capturada. 
 Os espíritos ancestrais estão inquietos, um mal está se erguendo, Kahlan. Uma escuridão se aproxima como no tempo da grande guerra e você deve se preparar.
 O que quer que eu faça?  perguntou com a voz embargada.
 Deve confiar nele.  a rainha olhou para Lian que dormia tranquilamente. (Livro: Lendárias - A Legião, Pág.98)

Dentre a longa viagem até o castelo de Vanmarah, a Lendária e os integrantes da Legião passam por algumas intempéries, correndo grande risco e sentindo-se ameaçados. Kahlan e Lian, mesmo como  digamos assim  inimigos, sentem uma empatia acolhedora e um inicial interesse. Ela, por sua vez, desconfia estar sendo levada ao Rei para ser subjugada e, por fim, ser obrigada a obedecê-lo.
Não chore, seja corajosa, seja forte!
Kahlan repetia para si mesma a frase de sua mãe, toda vez que um medo tentava dominá-la, e isso lhe dava coragem de enfrentar o que quer que fosse no seu caminho. (Livro: Lendárias - A Legião, Pág.122)

Agora cesso os comentários para não soltar mais spoilers.

Mais uma vez digo que foi um prazer sair da minha zona de conforto, afinal, quem me conhece sabe que o gênero que mais leio é, de fato, drama e romance. Porém, desta vez, estou aqui para falar da aventura que foi ler esse livro. Eu devorei a obra em menos de 48 horas, e já dianto que foi uma grata surpresa. 

LENDÁRIAS — A LEGIÃO é o primeiro de uma série de quatro livros (dois deles já foram publicados), onde a trama central baseia-se na jornada de dois clãs, em busca da verdade. Trata-se de uma história adornada em fantasia, com bruxas, elfos, criaturas monstruosas e, principalmente, uma trama instigante e bem amarrada. Kahlan, mesmo sem os seus poderes, mostra-se uma guerreira forte, além de ter um humor sarcástico que é uma pitada a mais para a trama. Lian também é marcante, como comandante, e, ainda assim, sua humanidade que transborda. Em certo trecho descobrimos uma nova condição que implica Lian, uma condição a qual nem ele mesmo sabe e que, provavelmente, no segundo livro, será explorada. Não posso deixar de citar um dos personagens secundários que também ganhou o meu coração: Scott é o nome dele... imediato e melhor amigo de Liam. A história, em si, é de pegar o leitor (ao menos me pegou por completo), com um "que" humorístico e, em verdade, muitas aventuras. O final deixa um plot twist daqueles, fazendo o leitor ainda mais curioso com a sequência. A escrita da autora é singela e entorpecente; a trama tem uma base boa e bem planejada; e os personagens (mesmo os secundários) são aqueles que, aos poucos, ganha o seu coração. O enredo é dividido em cinco partes, com capítulos curtos (graças aos céus, odeio capítulos longos). Por fim, para quem curte o gênero fantasia, eis essa excelente pedida. Eu, tão breve, iniciarei a leitura do segundo livro que foi enviado, LENDÁRIAS — O ORÁCULO

O livro é narrado em terceira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está boa, com espaçamentos e fonte em excelentes medidas, adornada em papel pólen (o amarelinho); e a capa é muito bonita, estampando ninguém menos que a nossa corajosa e linda, Kahlan. 


Livro: LENDÁRIAS  A LEGIÃO #1
Autora: Cristy S. Angel
Gênero: Fantasia
Editora: Pen Dragon
Ano: 2016
Páginas: 212

[Nova Parceira]: Cristy S. Angel

Olá, lovers!
Já faz algum tempo que não venho com uma nova parceria. Pois bem, eis que me inscrevi para parceria com a autora Cristy S. Angel e sua série "LENDÁRIAS", e, por fim, fui aceita (P.S.: Obrigada, Cristy!) 💘💘💘 A propósito, esse é o meu primeiro contato com um dos textos da autora... Eu já concluí a leitura do primeiro livro e tive uma grata surpresa (o próximo post será o da resenha). Agora convido a todos para saber um pouquinho mais sobre essa minha nova parceira.





Biografia:

Cristiane, gaúcha, idade bruxa desconhecida e humana não comentada, pseudônimo Cristy S. Angel. Nascida em Porto Alegre, é mãe de dois meninos, e Jogadora de MOBAS e RPGS Online, mas o seu favorito é o card game HS. Apaixonada por comida Italiana, ama chocolate e café. O seu primeiro contato com a leitura foi através das HQs do tio patinhas que sua mãe comprava quando podia, e do conto da Bela adormecida ilustrado. O primeiro livro que leu foi da série vagalume, que a professora de português entregava toda semana para ler e fazer resumo da leitura. O seu favorito da série era “A Arvore que Dava Dinheiro”. Nesta época começou a escrever contos, mas nunca quis publica-los. Foi somente depois de ler Instrumentos Mortais de Cassandra Clare que, realmente se apaixonou pela literatura fantástica. Conhecendo vários outros títulos do gênero. O favorito é Trono de vidro, da Sarah J. Maas. Hoje Cristy é Potterhead, caçadora de sombras, campeã, tributo, divergente, elemental, e Lendária .


P.S.: E aí, curtiram?! 
Logo menos teremos resenha de LENDÁRIAS  A LEGIÃO 
LENDÁRIAS  O ORÁCULO

17 de mai de 2019

[Falando em]: Enquanto a Neve Cai — de Vanessa Benfatti

Eu baixei esse e-book gratuitamente. Trata-se de um YA (young-adult), diga-se de passagem, uma aconchegante leitura. Agora convido a todos para conferir a sinopse, book trailer e o que eu achei de "Enquanto a Neve Cai", obra da autora Vanessa Benfatti, uma publicação independente. 


Sinopse: Tudo o que Holly tinha que fazer era fugir. Mesmo sendo uma adolescente para pensar dessa forma, era a sua única opção. Sua realidade estava tão dura que ela não via outra solução a não ser de fugir. Fugir do seu passado. Fugir da sua maldita vida. Fugir da dor que ela carregava em seu peito. E assim ela fez, embarcando no primeiro trem que conseguiu. Fugindo do passado ela tromba com seu futuro, ele vem vestido todo de preto, muito sexy e, com o olhar mais quente que Holly já teve sobre ela. Maverick, um músico que nas horas vagas tocava seu instrumento em uma estação de trem, com um intuito de trazer esperanças as pessoas solitárias que passavam por lá, através da música. Quando Marvel avistou Holly, ele pressentiu que era ela uma dessas pessoas que precisavam de sua ajuda e, assim, ele se empenhou em sua missão. Mas quanto mais ele convivia com ela, mais Marvel se encanta com aquela garota rebelde. A química entre ele surgiu em apenas uma noite, e os dois se viram tão ligados em seus problemas que, um sentimento forte nasceu. Porém Holly ainda estava fugindo e, justo quando ela já estava planejando um novo futuro com Marvel, seu passado rapidamente a alcança. Agora só caberá a ela voltar a fugir deixando Marvel junto com o passado ou deixar ser pega por ele.



"Porque há de se perdoar e, por fim, amar..." 


Uma acolhedora história!

Holly é uma garota de dezessete anos, patinadora artística e vem de uma família rica. Os pais são separados e, devido a uma desmazela do passado, chateada e revoltada, foge para Philadélfia, a fim de passar o Natal com sua avó. Contudo, surge um contratempo e ela se vê na estação de trem de Nova York, e acaba avistando Marvel. 
E, por uma pequena fração de segundos, nossos olhos acorrentaram-se e, de alguma forma, eu queria que eles ficassem assim pelo maior tempo possível. (Livro: Enquanto a Neve Cai, Cap.2)

Maverick (ou Marvel), é um rapaz de vinte e dois anos. Ele mora em Nova York e trabalha como operário em uma construção, além de ser violinista e, em suas folgas, tocar suas melodias na estação de trem. E é em uma destas folgas, na estação de trem e um tanto desesperada, que ele enxerga Holly.
Era diferente de tudo aquele olhar, ele me cegava, provocando-me um desejo desvairado de descobrir o que uma garota como ela fazia aqui a uma hora e meia do Natal. (Livro: Enquanto a Neve Cai, Cap.2)
Holly, depois de perder o seu trem para Philadélfia, acaba por conhecer Marvel e passa a noite de Natal com ele. A empatia entre os dois é imediata, despertando, assim, um interesse e fazendo com que os dois se envolvam. Assim como Holly, Marvel também tem uma triste história e, juntos, entre altos e baixos, os dois vão descobrindo como curar suas feridas.  
Não posso perder minha música favorita, porque hoje eu sei que conhecer Holly foi como escutar uma música nova e saber que, pelo resto da minha vida, ela seria a minha favorita. (Livro: Enquanto a Neve Cai, Cap.18)
Agora cesso os comentários para não soltar mais spoilers.

ENQUANTO A NEVE CAI é pincelado com dramas familiares e paixão à primeira vista. O título da obra faz jus ao nome, apresentando um cenário gélido e Natalino, além de adornado de coração. Em ritmo de "sessão da tarde" e um tanto "clichê" (algo que eu gosto muito), somos conduzidos a vida de dois jovens, cada qual com seus dilemas. Confesso que achei Holly mimada demais, mas, ainda assim, ela tem seu encanto. Em verdade, achei que a personagem fazia uma tempestade no copo d'água por tudo, o que implica a infantilidade dela. Já Maverick (Ahhhh, esse TOP GUN), me encantou de todas as formas. Só fiquei triste por ele não ter sido melhor aproveitado/trabalhado na trama, pois tinha potencial para isso. Os personagens secundários aparecem na medida exata, dando um "que" na história. Trata-se de um romance leve, com poucas reviravoltas, mas que, de alguma maneira, pega o leitor. O final, apesar de previsível, foi fofo. A escrita da autora é singela e envolvente. Por fim, para quem curte uma leitura envolvente, do tipo sessão da tarde, eis essa boa pedida.

A trama é narrada em primeira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está boa, no padrão digital; e a capa é bonita, estampando o casal em uma das cenas citadas no livro.


Livro: Enquanto a Neve Cai 
Autora: Vanessa Benfatti
Gênero: Young Adult
Publicação  Independente
Ano: 2018
Páginas: 332

15 de mai de 2019

[Falando em]: Porto Seguro — de Danielle Steel

Eu comecei a ler esse livro meio que ressabiada, afinal, não curti a capa dele (ME JULGUEM, POIS SOU DESSAS - rs). Em verdade, ganhei a obra da minha vizinha, e devido aos seus elogios para/com a mesma, me aventurei na leitura. E para a minha alegria tive uma belíssima surpresa. Agora convido a todos para conferir a sinopse e o que eu achei de "Porto Seguro", obra da autora Danielle Steel, uma publicação da editora Record


Sinopse: A pequena Pip Mackenzie é uma criança solitária. Com apenas 11 anos, sua vida já é marcada pela tragédia, após um acidente terrível ceifar a vida do irmão e do pai, e mergulhar a mãe, Ophélie, em uma profunda depressão. Abaladas pela tristeza, mãe e filha decidem buscar refúgio em uma cidade costeira da Califórnia, onde Pip, caminhando pela praia, conhece Matt Bowles. Um homem que perdeu quase tudo  inclusive seus amados filhos  em um doloroso divórcio, ele agora dedica-se às artes plásticas, e passa os dias observando o mar, preenchendo o vazio de sua vida com as tintas na tela. Enquanto a menina descobre naquele homem mais velho uma companhia acolhedora e sincera, Matt encontra em Pip um pouco de sua própria filha. Ophélie, que a princípio encara como uma ameaça a amizade deles, logo vê no homem um reflexo de sua própria tristeza, e a união dos três será o começo do processo de cura. 


"Porque há de se encontrar o seu porto seguro..." 


Um enredo apaixonante! 💘💘💘

Phillipa Mackenzie, mais conhecida como Pip, tem onze anos e acabara de passar por uma tragédia, pois perdera o pai e o irmão mais velho em um acidente. Ela é uma garota introspectiva e numa tarde, ao passear com seu cachorro Mousse pela praia,  acaba por conhecer Matthew Bowles (Matt), um artista plástico de quarenta e sete anos.
Havia alguma coisa excepcional menina. Ao pensar nela na praia, seus olhos passaram para o retrato que pintara anos antes de uma outra menina, muito parecida. Era sua filha Vanessa, mais ou menos naquela idade. Pensando nisso, foi para a sala, afundou-se no sofá de couro surrado e ficou vendo a neblina descer sobre o mar. E na sua imaginação viu a menininha de cabelo vermelho encaracolado e rostinho sardento, com olhos cor de conhaque impressionantes. (Livro: Porto Seguro, Páginas 20 e 21).
(clique na imagem para maior resolução)

Matt passou por um divórcio doloroso, onde a ex mulher o afastou de seus dois filhos: Vanessa e Robert. Desde então passara a morar numa cidade litorânea, pintando seus quadros e sentindo-se só. É quando conhece Pip que começa a sentir um lampejo de esperança, retratando na menina a filha que — literalmente — perdeu. Em um rompante ele acaba por conhecer a mãe da garota, Ophélie, de quarenta dois anos e que está em profunda depressão, desde a morte do marido e filho. A mãe, preocupada, o enxerga com má intenção, mas, aos poucos, ela se dá conta da verdadeira origem daquela amizade.
— Basta sua presença. Pip vai ficar encantada. — Ele não acrescentou "Eu também", mas teve vontade, e sentiu-se como uma criança. Eram boas pessoas, duas ótimas pessoas, que tinham sobrevivido a muita tristeza, tragédia e sofrimento. Quanto mais sabia dos seus problemas, mais respeito sentia por elas, especialmente depois daquele dia. O que ela contara sobre seu filho lhe pareceu uma verdadeira agonia. (Livro: Porto Seguro, Página 101).
O improvável se torna provável, quando Matt e Ophélie passam e se enxergar com outros olhos, entre dores e tragédias. Pip fica na torcida para que ambos se assumam, o que, aos poucos, acontece.
Olhou-a, debruçou-se sobre ela e lhe deu um beijo carinhoso na boca. Era a primeira mulher que ele beijava em anos, e ela nunca mais fora tocada por um homem desde que seu marido morrera. Ambos eram seres frágeis e cautelosos, como estrelas flutuando no céu. Ophélie levou um susto, não esperava por aquele beijo, mas para alívio de Matt não resistiu nem se afastou. Retribuiu o beijo com tal ardor que ambos ficaram sem ar. (Livro: Porto Seguro, Página 300).
 Agora cesso os comentários para não soltar mais spoilers.

Quero sobressaltar que esse foi o meu primeiro contato com um texto desta autora e, logo de cara, me apaixonei, pois ela sabe como ninguém conduzir uma belíssima história. 

PORTO SEGURO é um enredo onde os dissabores da vida são colocados à tona, uma abordagem delicada e entorpecente. Trata-se de uma história que aborda o luto, e, em conseguinte, a superação. Uma trama recheada de coração, tendo uma narrativa realística e um turbilhão de sentimentos. Pip, Ophélie e Matt são personagens que grudam na pele, com seus dilemas e, claro, a entrega total entre os três: o verdadeiro porto seguro para tanta tristeza que reina em suas vidas. Eu, particularmente, os amei! 💘💘💘 Em verdade, o descrevo como uma narrativa sublime, cheia de altos e baixos, e personagens cativantes. O final traz à tona um percalço já previsto e, ainda assim, não tirou o brilho da obra. Por fim, para quem curte um enredo enternecedor e que toca o coração, eis essa maravilhosa pedida. Eu me tornei fã da autora e afirmo que leio até mesmo a sua lista de compras. o/

A trama é narrada em terceira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está no padrão, porém achei a fonte para leitura diminuta demais (o que dificultou um pouco a leitura); e a capa, como bem disse no início da postagem, não me agradou muito (gosto não se discute - rs), estampando uma pequena imagem do mar.


Livro: Porto Seguro
Autora: Danielle Steel
Gênero: Drama/Romance
Editora: Record
Ano: 2007
Páginas: 400

4 de mai de 2019

[Lidos]: Abril de 2019

Olá, lovers!
Cheguei chegando, mês passado li três obras Made In Brasil (em e-book): teve romance, drama, sobrenatural e muito mais. A propósito, adorei as leituras, cada qual com sua particularidade e essência. Agora convido a todos para conferir as minhas leituras de Abril. Vem junto! o/


(clique no título da obra para conferir a resenha)