2 de dez de 2017

[Falando em]: DEPOIS DAQUELA MONTANHA — de Charles Martin

Eu escolhi esse livro como parceria (com a editora Arqueiro), a fim de postar a resenha no blog que sou parceira e colaboradora, ou seja, o blog "Uma Leitura a Mais", e, claro, aqui também. o/ Lembrando que a adaptação para as telonas já foi lançada, porém eu ainda não assisti. Agora convido a todos para conferir a sinopse, trailer do filme e a resenha de "DEPOIS DAQUELA MONTANHA", obra do autor Charles Martin. Vem junto! o/


Sinopse: O Dr. Ben Payne acordou na neve. Flocos sobre os cílios. Vento cortante na pele. Dor aguda nas costelas toda vez que respirava fundo. Teve flashes do que havia acontecido. Luzes piscavam no painel do avião. Ele estava conversando com o piloto. O piloto. Ataque cardíaco, sem dúvida. Mas havia uma mulher também  Ashley, ele se lembra. Encontrou-a. Ombro deslocado. Perna quebrada. Agora eles estão sozinhos, isolados a quase 3.500 metros de altitude, numa extensa área de floresta coberta por quilômetros de neve. Como sair dali e, ainda mais complicado, como tirar Ashley daquele lugar sem agravar seu estado? À medida que os dias passam, porém, vai ficando claro que, se Ben cuida das feridas físicas de Ashley, é ela quem revigora o coração dele. Cada vez mais um se torna o grande apoio e a maior motivação do outro. E, se há dúvidas de que possam sobreviver, uma certeza eles têm: nada jamais será igual em suas vidas. 




"Porque coragem é a resistência ao medo" 






Um pedido de socorro!


Era para ser uma viagem como qualquer outra, onde o Dr. Ben Payne, um médico/cirurgião de trinta e nove anos, e Ashley Knox, uma colunista de revista feminina de trinta e quatro anos, decidem pagar por um voo fretado, devido ao tempo os voos foram suspensos. Cada qual tem a sua razão: Ben tem uma cirurgia agendada para algumas horas; enquanto Ashley está prestes a se casar. Desta forma, junto ao Sr. Grover (piloto de uma aeronave modelo Scout) e seu cachorro, Tanque, tentam retornar para casa.
A última coisa de que me lembro é que houve um rodopio, uma cambalhota, e a cauda se quebrou. Em seguida, ouvi um estalido alto, Ashley gritou, o cachorro latiu e foi lançado fora da aeronave. A neve salpicou o meu rosto, seguida pelo som de galhos de árvore quebrando e pelo barulho do impacto. (Livro: DEPOIS DAQUELA MONTANHA, Pág.39)
(clique na imagem para maior resolução


O piloto tem um ataque cardíaco, vindo a óbito. Mas, antes disso, faz um pouso de emergência e consegue salvá-los. Ashley está ferida gravemente; e Ben, apesar de também sofrer com a queda, está mais resistente, devido ao seu preparo físico, pois é um amante de corridas e adrenalina. Destarte, inicia uma luta para que eles sobrevivam, passando por situações dolorosas e perigosas na neve, além de um frio congelante. 
 Nem acredito que estou deitada aqui deste jeito, com você me costurando, no meio de só Deus sabe onde, e estamos rindo. Acha que há alguma coisa errada conosco? (Livro: DEPOIS DAQUELA MONTANHA, Pág.59)
Ashley mostra sua força, mesmo estando com dores e tentando sobreviver. Ben agarra-se a força dela, a fim de não fazê-la entrar em desespero, tal como demonstrar o seu medo. E por quase 1 mês eles sobrevivem, oscilando entre a esperança e desesperança. 
O sol estava alto quando abri os olhos. Sentia dor em alguns lugares que havia esquecido que faziam parte do meu corpo. Não sentia fome, porém a fraqueza era tanta que eu não queria me mexer. Afora algumas migalhas, nossa comida havia acabado. Meu rosto dava a impressão de ter sido esticado. Queimado de sol. A boca estava descascando e mesmo a barba de duas semanas oferecia pouca proteção contra as queimaduras por raios solares. (Livro: DEPOIS DAQUELA MONTANHA, Pág.186)
Agora cesso os comentários para não soltar mais spoilers.  


Com uma narrativa lenta e detalhada (o único ponto que não gostei da trama), somos apresentados ao conhecido clichê de sobrevivência. Eu, particularmente, gosto muito do "mais do mesmo". Tal trivialidade ganha pontos ao expressar tragédia e sentimentos, principalmente do Dr. Ben Payne, onde, no passado, sofrera carência de afeto paternal e conhecera o amor através de sua mulher, Rachel.

DEPOIS DAQUELA MONTANHA é um enredo de reflexão, onde a jornada dos personagens é apresentada em dois tópicos: sobreviver a tragédia e confrontar o passado/presente. Os três personagens (estou incluindo o cachorro), são bem construídos, cada qual com sua particularidade e encanto, o que torna a narrativa lenta mais interessante. Ashley é uma personagem que nos faz querer ser igual, isto é, forte e bem-humorada; e Ben carrega no peito um amor que nem ele consegue enxergar, além de sua sólida coragem, o que se torna o ingrediente perfeito entre os dois. O final é previsível, mas leva consigo muita emoção. Agora, mais do que nunca, quero conferir o filme. 💘💘💘

O enredo é narrado em primeira pessoa, intercalando passado e presente, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação é simples, com fontes e espaçamentos em excelente tamanho, adornada em papel pólen soft (o amarelinho mais claro); e a capa estampa o pôster do filme, que está linda de viver e me fez imaginar todo o enredo com os atores escolhidos para a adaptação. Por fim, para você que curte um enredo de sobrevivência e reflexão, eis essa boa pedida. 



Livro: DEPOIS DAQUELA MONTANHA
Autor: Charles Martin
Gênero: Ficção Americana/Drama
Editora: Arqueiro
Ano: 2017
Páginas: 304

2 comentários

  1. Eu gostei muito do filme! A obra surpreende por ter um carisma próprio, por respeitar o seu tempo peculiar de desenvolvimento da história e por nos fazer torcer por essas personagens (além disso, tem um cachorro que os acompanha e que também captura nossa atenção e torcida). Mérito de Idris Elba e de Kate Winslet, que estão ótimos juntos. Um grande acerto é o grau dos desafios a serem contornados pelos sobreviventes. O senso de realismo evita que a ação descambe para o exagero e traz verossimilhança à história. Equilibrado, Depois daquela montanha dosa bem a trama de sobrevivência e o romance e oferece um agradável entretenimento ao longo de suas quase duas horas de duração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem-vindo, Tabaré!
      Gostei da análise sobre o filme, mas senti falta de algumas coisas. De qualquer forma, trata-se de uma adaptação.

      Abraços literários

      Excluir