10 de ago de 2017

[Falando em]: Meus dias com você — de Clare Swatman

Eu recebi esse livro dias atrás, em parceria com a editora Arqueiro, para resenhar no blog "Uma leitura a mais— e, claro, aqui no meu bloguito também (P.S: Valeu, Arqueiro e Renata!).💘💘💘Trata-se do romance de estreia da autora Clare Swatman. A propósito, tornei-me sua mais nova fã e espero, logo menos, poder conferir outro texto  de sua autoria. Agora confira a sinopse, book trailer e o meu parecer de "Meus dias com você".



Sinopse: Quando o marido de Zoe morre, o mundo dela desaba. Mas e se fosse possível tê-lo de volta? Numa fatídica manhã, Ed e Zoe têm uma discussão terrível, algo recorrente no seu casamento em crise, e ela acaba se despedindo de forma brusca quando ele sai para o trabalho. Pouco tempo depois, um ônibus acerta a bicicleta de Ed, matando-o e deixando Zoe arrasada por não ter lhe dito quanto o amava. Se tivessem ficado mais um pouco juntos aquela manhã, ele ainda estaria vivo? Será que poderiam ter reconstruído o amor que os unira? Após dois meses, Zoe ainda não conseguiu se conformar. De luto, decide cuidar do jardim do marido, quando acaba caindo e desmaiando. Então, algo estranho acontece: ao acordar, ela está em 1993, no dia em que conheceu Ed na faculdade. A partir desse instante, Zoe passa a reviver momentos cruciais de sua vida e percebe que talvez tenha conseguido uma segunda chance: uma oportunidade de fazer tudo diferente, de focar naquilo que realmente importa, de mudar os rumos do relacionamento  e, quem sabe, o destino de seu grande amor. 





"Porque há de se viver o agora..." 

Um romance apaixonante!

29 de junho de 2013
Seria um dia qualquer se não fosse por Zoe Morgan e Edward Williams, depois de quinze anos de casados, estarem à mercê de mais uma crise conjugal. Zoe está um tanto mau humorada, e Ed parte para o serviço despedindo-se de forma seca, com sua bicicleta. No entanto, fatalmente, é atropelado e vem a óbito. Eis que inicia o martírio de Zoe, apesar das diferenças e crises por quais todos os casais passam, eles se amavam muito.
 Eu vou levar para sempre o desejo de ter dito a ele algumas coisas que não disse, sempre vou desejar a chance de mudar algumas coisas que fiz no dia em que ele morreu e nos meses e anos antes desse dia. Mas não posso, então tentarei carregar comigo os momentos felizes e esquecer os ruins... (Livro: Meus dias com você, Pág.13)

(clique na imagem para maior resolução


Passaram-se dois meses após a morte de Ed, e Zoe encontra-se em estado de choque. Ela resolve ir até o jardim que era o cantinho preferido do falecido marido, e acaba tendo uma vertigem e levando um tombo. Contudo, ao acordar, ela se vê de volta a 18 de setembro de 1993, data que conheceu Edward, ainda na faculdade.
Sozinha por alguns minutos, eu respiro fundo para acalmar os nervos. É maravilhoso ver Ed novamente, mas ele não tem ideia do quanto me deixa feliz. Para ele, sou apenas uma amiga que ele beijou alguns anos, ao passo que para mim ele significa tudo. E tudo o que perdi. (Livro: Meus dias com você, Pág.61)

 (clique nas imagens para maior resolução 



Incrédula, Zoe sente-se grata por poder estar ao lado de Ed novamente  e, quem sabe, mudar o destino. Entretanto, a cada anoitecer, ela se desespera, pois sabe que o dia seguinte não será decorrente ao anterior, mas sim uma data importante que mostrará os seus erros, dando a chance de corrigi-los. O que antes eles não queriam passa a ser o maior sonho do casal, ou seja, ter um filho. E isso se agrava quando Becky, a irmã mais nova de Zoe, engravida. Ed e Zoe tentam alguns tratamentos, mas, infelizmente, nada acontece. E isso acaba tornando-se o prelúdio para que fiquem à mercê de uma crise, sempre desentendendo-se.
9 de junho de 2012 
"Dizem que, quando você perde um dos sentidos, os outros trabalham com mais tenecidade para compensar. O que pode explicar por que, antes mesmo de abrir os olhos, eu sei que alguém está olhando pra mim. Não fico com medo, mas meu coração bate forte assim mesmo, na esperança de que seja Ed outra vez, e também por saber da decepção que vai tomar conta de mim caso não seja. Tenho medo de que ontem tenha sido a minha última oportunidade e que eu esteja de volta ao presente." (Livro: Meus dias com você, Pág.225)

Agora cesso os comentários para não soltar spoilers.

Se tem uma coisa que AMO é sentir uma história, e este enredo encaixou-se com perfeição, o que me fez acreditar que a autora não parece uma novata, mas sim uma tarimbada contadora de histórias. O mágico de se ler um romance contemporâneo é a verossimilhança que ele apresenta. E foi o que aconteceu, sem grandes expectativas e esperando o tão sucessivo clichê, algo que amo muito, eu me entorpeci pelo conteúdo. 💘💘💘

Meus dias com você é um drama/romance para pessoas providas de coração. O enredo é tão profundo que me fez sentir os sabores e dissabores dos protagonistas. Aliás, eu fiquei perdidamente apaixonada por Zoe e Ed, ambos dotados de tamanha humanidade, com suas alegrias e tristezas. Trata-se de uma trama que nos mostra o quão mesquinhos somos, principalmente quando nossos anseios não se concretizam, e de uma forma medíocre, amargamos a nós e a todos que estão ao redor. Às vezes um simples e delicado gesto faz toda a diferença, e tanto Ed quanto Zoe me ensinaram muito com essa história. A cada virar de página eu ansiava pelo desfecho final, algo que foi dilacerante e lindo. Os personagens secundários são de suma importância, e me deixaram tão envolvida quanto/com os protagonistas. Agora estou numa baita ressaca literária. 

O enredo é narrado em primeira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está excelente, com fontes e espaçamentos em boa medida, adornada em papel pólen off-white (o amarelo mais claro); e a capa está divina (amo esse estilo de capa), estampando Zoe e Ed. Por fim, para você que curte um lindo drama/romance, eis essa MARAVILHOSA pedida. E pra finalizar: "Eu leio até mesmo a lista de compras da Clare Swatman". o/



Livro: Meus dias com você
Autora: Clare Swatman
Gênero: Drama/Romance
Editora: Arqueiro
Ano:2017
Páginas: 288

Um comentário