26 de ago de 2015

AUTORES QUE AS EDITORAS EVITAM - POR ELAINE VELASCO

Para que seu livro seja aprovado e publicado por uma editora, você precisa saber que tão importante quanto a qualidade de sua obra – para não dizer mais importante – é o seu comportamento enquanto escritor. As editoras estão sempre atentas aos novos escritores, à repercussão de seus trabalhos, como eles tratam seus leitores, se são pessoas instáveis, problemáticas, idôneas. Não se engane: há profissionais da literatura “infiltrados” em todos os meios, e qualquer deslize pode ser fatal. Já vi muito escritor que por mais promissor que fosse, não era contratado por nenhuma editora, simplesmente porque gozava de má fama. Vou listar os dez tipos mais comuns, para que você não corra o risco de se tornar um deles, e consequentemente, persona non grata para editoras.

1 – Autor barraqueiro: Esse, é de longe, o pior tipo. É aquele autor que discute publicamente com blogueiros, com leitores, com editores, com a família, com os amigos, enfim, com qualquer um, sem o menor pudor. O motivo principal de sua fúria, são críticas aos seus livros, mas sua ira pode ser desencadeada por qualquer outra razão, desde pessoais, até questões de maior amplitude, tal como posicionamento político, religioso, etc.

2 - Autor ansioso: Outro tipo que afugenta qualquer editora é o tipo ansioso. O cara envia a obra para ser analisada pela editora e se não recebe uma resposta em um mês, começa a telefonar, mandar e-mail, mensagens nas redes sociais. É preciso entender que cada editora tem um prazo – que costuma variar entre 6 meses a 1 ano – e que ela recebe dezenas, às vezes centenas de originais por dia, e eles são avaliados de acordo com a ordem de chegada.

3 – Autor invejoso: Aquele que não suporta ver o sucesso dos colegas. Ao invés de se concentrar em seu próprio trabalho e talvez até – por que não? – espelhar-se no outro que está chamando tanta atenção, para de repente, inspirado por ele, conseguir alavancar também a sua obra, esse autor fica provocando intrigas, espalhando boatos e destilando veneno por onde passa. Também fica cobrando “atenção” da editora, porque julga que o outro está recebendo mais investimento, mais divulgação. Fica irritadíssimo se não é convidado para eventos, pois odeia ser excluído.

4 – Autor arrogante: O livro dele é o mais perfeito de todo o universo. Não tolera que ninguém faça qualquer tipo de crítica ou sugestão sobre o seu texto, tão primoroso. Acha que todos têm inveja do seu trabalho, por isso o criticam, ou então, são um bando de ignorantes que não entenderam o que ele quis dizer.

5 – Autor pão-duro: É aquele autor que se recusa terminantemente a gastar um centavo que seja na publicação ou divulgação de seu livro. Ele acha que seu livro é tão bom, tão relevante, tão original, que a editora deve considerar uma honra ter a oportunidade de publicá-lo, e por isso, deve, além de publicar e divulgar seu livro sem cobrar nada – mesmo ele sendo um ilustre desconhecido – ainda custear suas viagens e quem sabe, até lhe pagar os direitos autorais adiantado, afinal, o sucesso do livro é garantido.


6 – Autor vaidoso: Certa vez, conheci uma autora, que fazia questão de que na capa de seu livro houvesse uma foto sua. Se o livro fosse uma autobiografia, talvez isso até fosse aceitável, mas não era o caso. O agravante é que a personagem do livro não tinha nada a ver com ela, tornando a situação ainda mais absurda. Todos tentaram, educadamente, avisar. Leitores, editores, amigos, familiares. Mas ela bateu o pé e ainda excluiu e bloqueou todos que discordaram dela nas redes sociais. No final das contas, a editora decidiu por bem não publicar mais o livro, pois viu que além de vaidosa, ela era barraqueira. E o pior é que casos como esse, ocorrem com mais frequência do que se imagina, muitos autores, não querem divulgar suas obras, mas a si próprios, muitas vezes dando mais ênfase às suas imagens, que às suas histórias.

7 – Autor máquina: Aquele autor que escreve um livro por semana e quer que a editora publique todos eles, sem se preocupar com a qualidade, o importante é que ele seja publicado. Também não se importa com a divulgação, já que, quando um livro seu é publicado, ele já está imerso em outro.

8 – Autor melindroso: Chora por qualquer coisa. Chora quando recebe uma crítica, uma ameaça, um resultado negativo. Chora porque não foi convidado para eventos, porque seu livro não vende, porque fulano chama mais atenção. Reclama da vida, dos leitores, das editoras, do capitalismo, do mercado, enfim, culpabiliza a todos, exceto a si próprio.

9 – Autor insistente: Ele assedia os leitores e as editoras através de todos os canais aos quais tem acesso. Telefone, redes sociais, e-mails. Faz postagens a cada cinco minutos falando de seu livro, marcando os amigos e os editores, sem ao menos pedir permissão. Muitas vezes acabam sendo excluídos e bloqueados, além de levarem uma dura daqueles que não tem papas na língua. É claro que é necessário divulgar, mas como tudo na vida, há que se ter um limite.

10 – Autor carente: Quer que as pessoas fiquem repetindo o tempo todo o quanto seu livro é maravilhoso, o quanto seu talento é desprezado injustamente. Precisa de demonstrações contínuas de afeto e admiração, inclusive por parte da editora. Fica publicando a cada minuto o posicionamento de seu livro na lista dos mais vendidos da Amazon, apenas para inflar o seu próprio ego.

Note que, geralmente, os autores problemáticos, apresentam mais de uma característica enumerada acima, até porque uma está intimamente interligada a outra. Por exemplo, o barraqueiro, geralmente é arrogante ou vaidoso. E o ansioso, costuma também ser uma máquina de produzir manuscritos. O melindroso, geralmente é, no fundo, um invejoso. O insistente, via de regra, é carente.

É claro que ninguém é perfeito, e todos possuímos algumas dessas características em maior ou menor grau. O que é necessário é saber dosar e ter autocontrole, pois mesmo já tendo um contrato com uma editora para uma obra, não há garantia alguma que seus outros livros serão aceitos, principalmente se, no meio do caminho, você apresentar indícios de ser um autor – como as editoras costumam dizer – chato.

Via: Blog Elaine Velasco

2 comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. "Muito bacana. E acho que foi gentil demais com alguns tipos!!! Têm alguns que são bemmm complicados... Valeu, Simone."

    ResponderExcluir