28 de mai de 2016

[Falando em]: Baía da Esperança — de Jojo Moyes

E novamente apresento a resenha de um livro que me entorpeceu. Trata-se do texto de uma das autoras que mais AMO e que sabe tocar corações como ninguém, tamanha realidade que leva em suas histórias, um prato cheio para admiradores de um bom drama/romance. Jojo Moyes passou a ser uma referência para  mim, e muitas vezes, ao conferir plataformas de avaliações referentes aos seus livros, fico estupefata  com pareceres negativos e abandonos. Porém, respeito tais avaliações, afinal, cada qual com seu gosto.  Eu fiquei sabendo que este faz parte de uma série de três livros. Contudo, não interfere a leitura caso ela seja feita fora de ordem. Confira a sinopse e resenha de Baía da Esperança, agora pela editora Intrínseca




Sinopse: Liza nunca conseguiu fugir do passado. Mas nas praias paradisíacas da encantadora comunidade de Silver Bay ela ao menos encontrou a liberdade e a segurança que procurava se não para ela, para sua filha pequena, Hannah, até que Mike Dormer se hospeda no hotel que Liza administra com a tia. Um perfeito cavalheiro inglês, com roupas elegantes e olhar sério, Mike pode significar o fim de tudo que Liza trabalhou arduamente para proteger: não apenas o negócio da família e o lugar que tanto gosta, mas principalmente a convicção de que ela nunca amaria nem seria digna de amor outra vez.


"Porque nem sempre temos que remar contra a maré..."

Verossímil! 
Apaixonante! 
Encantador!

Mike Dormer é um homem independente, além de empresário bem-sucedido e sócio do pai da sua noiva, Vanessa. Ele mora e trabalha em Londres, porém, agora, está em sua mais nova missão: encontrar o lugar perfeito para a construção de um resort de luxo. Eis que se depara com a cidade litorânea de Silver Bay, na Austrália, um paraíso tropical, onde golfinhos, baleias e tubarões são as atrações dos poucos visitantes que passam por lá, quase sempre hospedando-se no "Hotel Baía da Esperança", onde ele acabara de se hospedar, um lugar simples e aconchegante onde todos se conhecem e se ajudam.
Meu pai costumava dizer que eu tinha o perfil ideal para o mundo dos negócios. É que, embora de algum modo eu tivesse ido parar no segundo tipo, precisava admitir que não tinha talento para correr riscos. Eu era o rei da investigação e do planejamento diligentes, criterioso e atento ao deliberar, um cara que pesquisava tudo não só até o enésimo grau, mas muitos graus além. (Livro: Baía da esperança. Pág.34)
Liza MacCullen foi casada, contudo, agora vive com sua tia Kathleen, que é dona do Hotel Baía da Esperança e com sua filha, Hannah. Ela teve outra filha, Letty, que faleceu anos atrás devido uma trágica fatalidade que ela acredita ser culpada. E por este motivo, enfrentando perturbante depressão ela segue com os dias, dedicando-se de coração com uma das coisas que tanto ama, sendo guia para turistas, onde com o seu barco, destina há muitos que anseiam ver golfinhos e baleias neste lugar paradisíaco. O problema é quando ela (e todos os outros de Silver Bay) ficam sabendo que Mike está por lá para investigar e aprovar a compra de uma área para a construção de um resort, empreendimento grandioso que certamente vai tirar o sossego de todos e colocar em risco a vida dos mamíferos aquáticos que por lá estão.  

Kathleen, tia de Liza, é conhecida por ser a famosa caçadora de um tubarão, algo que aconteceu em sua juventude e que por anos foi a grande atração de Silver Bay. Seu pai, um homem rígido, a impediu de viver um grande amor com Nino, que ainda cuida de suas vinhas e por qual ela nutre grande apreço e paixão. Ela enxerga a grande possibilidade de sua sobrinha e Mike viver um grande amor, pois apesar de opiniões adversas, ambos mostram empatia e um inicial sentimento... Sentimento este que a cada dia se torna mais verdadeiro e avassalador, e que faz com que Mike enxergue Silver Bay com os mesmos olhos dos moradores da cidade, passando a bater de frente com o seu sócio e todos os outros, até mesmo com a sua noiva. Desta forma, se engaja numa luta para que não seja construído o resort. Por tempos ele se afasta da cidade litorânea, mas como o bom homem que é, retorna para entregar-se ao amor de Liza e também para lutar com unhas e dentes contra a construção de tal lugar. Agora falando em Liza... Apaixonada, ela se entrega a um novo e verdadeiro amor... S2
Estava elétrica, como se cada fibra do seu corpo pulsasse de energia, como se ela fosse uma força da natureza indomável, um gênio libertado de uma lâmpada. Eu passara semanas imaginando isso, me visualizava fazendo amor ternamente com aquela moça triste, beijando-a até fazer sua melancolia desaparecer. Mas ali, agarrada a mim, estava alguém que eu não tinha previsto: voraz, envolvente, cheia de vida. (Livro: Baía da Esperança, Pág.217)
Muitas coisas acontecem, especialmente com Hannah, filha de Liza, que assim como a mãe, sofre calada pela morte da irmã; uma garota doce, que foi obrigada a se portar de tal forma, ou seja, ponderando-se, quando ainda morava com o pai adotivo, o terrível ex marido de Liza.  
Observe o mar por tempo suficiente, seus humores e suas exaltações, suas belezas e seus terrores, e você terá todas as histórias de que precisa, de amor e perigo e daquilo que a vida nos traz em suas redes. E do fato de que às vezes não somos nós que estamos no leme, e não podemos fazer mais do que confiar em que tudo vai dar certo. (Livro: Baía da Esperança, Pág.300)
Agora cesso os meus comentários para não soltar spoilers.


Fazer a resenha deste livro chega a ser surreal, pois sou fã incondicional da autora e fico apreensiva em não depositar na resenha tudo o que senti. Trata-se de um drama/romance contemporâneo, onde a verossimilhança dos fatos e a simplicidade das palavras me levaram para uma sucessão de sentimentos adversos. Me vi envolvida por Silver Bay, queria estar no Hotel Baía da Esperança, ao lado de todos os personagens; me comovi com o amor detido de Kathleen e Nino, um amor que depois de 50 anos ainda vive, sempre esbarrando-se em olhares desejosos e uma fagulha de esperança envolta em amizade; queria estar dentro das páginas e dar uma ajudinha para Hannah, que sofria por não ter mais a irmã ao lado, sempre cessando o seu grito de dor; senti necessidade de colocar cara a cara Liza e Mike e dizer: SE AMEM! NÃO REMEM CONTRA A MARÉ, POIS VOCÊS ESTÃO SOBRE AS MESMAS CORRENTEZAS!!! Porém, uma das coisas que mais me tocou foi o direcionamento que a autora conduziu de forma magistral, onde Liza, a mãe que sofre pela filha sente diante daqueles animais que foram a sua salvação, algo que não tem como descrever aqui, só quem ler vai entender. Se eu que não sou mãe senti tudo de forma intensa, imagino quem vive este mágico e lindo dom de ser mãe. 

E por mais uma vez me deparei com um texto de encher os olhos e o coração, onde as dores e esperanças são protagonistas, coisa que a autora consegue desempenhar em grandiosidade e verdade. Eu não posso falar mais, pois sou fadada a soltar spoilers... O que eu posso adiantar é que mais para o final houve uma grande e emocionante revelação, um final MAGNIFICAMENTE LINDO! Se eu gostei? NÃO, eu AMEI!!! S2 E afirmando o que sempre digo quando leio um texto da Jojo: eu leria até mesmo a sua lista de compras. \o

O enredo é narrado em primeira pessoa, aos olhos de alguns personagens, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; sua diagramação (assim como revisão) estão perfeitas, com espaçamentos e fontes em excelentes medidas, adornada em papel pólen (o amarelinho); e sua capa é MARAVILHOSA, no mesmo padrão em que os livros da autora, pela Intrínseca, são publicados (P.S: AMO!), estampando a protagonista em um de seus momentos de acalento e magia. Por fim, para você que curte um enredo APAIXONANTE e de encher os olhos e o coração, eis uma maravilhosa pedida. \o



Livro: Baía da Esperança
Autora: Jojo Moyes
Gênero: Romance/Drama
Editora: Intrínseca
Ano: 2016 (nova edição)
Páginas: 304

2 comentários

  1. Siii para com isso. Fiquei morrendo de vontade de ler o meu. Preciso dar um jeito nisso. Poxa vida, amei mesmo. Mas lendo sua resenha, nesse caso, o livro da Jojo me lembrou a escrita da Danielle Stell não sei se já leu algo dela. Não sei pq mas realmente me lembrou, vamos ver o que acharei quando de fato o ler.
    Fora isso, como sempre amei sua resenha e agora fique curiosa com essa revelação. Vc bem que poderia me contar né? kkkk

    Beijossss
    Fer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fer, leia! É lindo de viver! S2
      Danielle Stell eu desconheço, mas fiquei curiosa agora. Se quiser eu te conto o grande segredo. hahaha

      Beijosssssss

      Excluir