5 de mar de 2015

Texto: "Falando em rasteiras da vida..." (por Simone Pesci)

Dentre tantas que eu já levei, essa, de fato, está sendo muito difícil.

E eu que achei que a minha cota de rasteiras já havia evaporado pelos ares...

SIM! Eu tive uma rasteira FODONA anos atrás, porém, de forma diferente, envolta à uma doença...

Viver ou morrer é consequência! 

Às vezes estamos vivos de corpo e mortos em alma... Esses joguetes da vida me desgastam...

E por isso eu me desliguei...

Desliguei-me de pessoas, amigos, familiares, redes sociais...

E é neste momento que estou buscando forças pra encontrar uma nova saída, afinal de contas, eu não quero estar viva de corpo e morta em alma... Isso é terrível!

Creio que às vezes essas rasteiras vem de encontro para testar a nossa fé e saber se estamos firmes em nossos propósitos. Contudo, tenho que confessar, o cômico se torna trágico quando percebo que àqueles que amo estão tão vivos de corpos e mortos em almas quanto eu...

Foi então que resolvi arriscar e joguei nas mãos de Deus...

SIM... Eu acredito muito em Deus!!!

Acontece que eu sou uma mulher de pouca fé quando essas rasteiras se fazem presente , e é nessas horas que, em contrapartida, minha fé se faz presente...

Por isso meu Deus, eu lhe peço: nos guie no melhor caminho... Se em novos ares ou se por aqui mesmo... pelejando em morte súbita.

Bom, agora é por conta do senhor... A sorte (ou azar) já foram lançados...

E que venham mais rasteiras!

(Texto: "Falando em rasteiras da vida..."  por Simone Pesci)

Nenhum comentário

Postar um comentário