4 de jan de 2017

“Todo silêncio tem um nome, tem um motivo…”

Alguns silêncios falam. Gritam tão alto que são capazes de transmitir mais sentimentos que muitas palavras ditas ou escritas. 

Traduzem o fim de um tempo, a indiferença natural ou forçada, a necessidade de ser notado ou esquecido. 

“Todo silêncio tem um nome, tem um motivo…” A frase, atribuída à Clarice Lispector, tem muito a dizer. Pois o silêncio pode ser sintoma de saudade, de “sinto a sua falta mas não há mais nada a ser dito”; ou mágoa: “fui ferido por você, e em vez de revidar com palavras lhe dou o meu silêncio”; ou finalmente indiferença e frieza: “meu silêncio é minha alma tranquila e em paz longe de você”. 

Silêncios falam alto para quem espera por uma resposta. É a mensagem visualizada e não respondida mesmo passadas 72 horas, é o sumiço de alguém que costumava fazer barulho o tempo todo, é a falta daquela risada deliciosa, é a impossibilidade de ir atrás de alguém que não quer mais ser encontrado. 

O silêncio é uma arma poderosa mesmo para quem não tem a consciência de estar numa batalha. Porque dentro do silêncio cabem inúmeras interpretações, e pode enlouquecer quem fica esperando só, com suas inquietações. 

Mas também pode ser o empurrãozinho que faltava para aquele que espera virar o jogo. Porque ser tratado com silêncio demorado é viver enclausurado. É aceitar o cárcere da falta de conclusões e respostas, é permitir ser manipulado pela ausência de sinais. E talvez seja hora de descobrir que quem muito se esconde, uma hora deixa de ser lembrado. 

O silêncio é necessário e carrega inúmeros significados. Mas quando é usado para manipular e ferir, deixa de seguir um caminho de coerência com o coração para ser uma arma inconsequente da razão. 

Nem todo mundo ama da maneira certa, e muita gente se apega aos amores rasos e errados. Há que se ter cuidado com o silêncio. Com o silêncio que provocamos ou que é provocado em nossa vida. E coragem para abandonar silêncios que ferem, pois o bom da vida é encontrar respostas no amor que damos e de graça ofertamos…

Por: Fabíola Simões

Nenhum comentário

Postar um comentário