26 de fev de 2017

[Falando em]: A Última Nota — de Felipe Colbert & Lu Piras

Hoje apresento-lhes a resenha de um livro que li anos atrás e que AMO MUITO. Trata-se de um enredo lindo, escrito por dois autores que admiro pacas, ou seja, a minha amiga-anja Lu Piras e o autor Felipe Colbert. Confira agora a sinopse, book trailer e o meu parecer de "A Última Nota", uma publicação da editora Novo Século.


Sinopse: Quando Alícia Mastropoulos se apresenta pela primeira vez como a principal violinista na Orquestra de sua Universidade, ela não tem ideia dos acontecimentos que este fato desencadeará. Decidida a tocar uma composição inédita deixada por seu falecido avô em vez da música programada, ela se emociona e erra a última nota, mas ninguém parece perceber. No dia seguinte, recebe a notícia que um jovem desconhecido é encontrado no coreto próximo ao local da apresentação e levado para um hospital. Quando acorda, ele não se lembra de nada, apenas chama pelo nome dela. Ele, o belo e misterioso rapaz de olhos azuis, é exatamente o que Alícia precisa evitar. Porém, a aproximação entre os dois se torna inevitável quando ela descobre que sua avó, Cecília, tomando conhecimento do caso, hospedou-o e ainda lhe deu o nome de Sebastian. Preocupada, Alícia pede que sua avó o afaste de casa, antes que a situação traga problemas para sua família e para o seu namoro com Theo. Percebendo a relutância da avó e incomodada com a proximidade cada vez maior de Sebastian, Alícia decide apressar o noivado com Theo, para a satisfação de seus pais, que veem com bons olhos um casamento entre duas famílias tradicionais gregas. Só que, aos poucos, ela começa a descobrir uma intensa atração pelo rapaz desconhecido, que a levará a entender, enfim, o mistério que o envolve, a resgatar histórias do passado e a tomar importantes decisões para o futuro. 




"Porque onde há amor, há melodia" 

Um enredo inspirador!

Alícia Mastropoulos tem vinte e um anos, mora com os pais no Rio de Janeiro, além de ser filha única de uma tradicional família Grega. Seus pais têm um restaurante Grego, o qual ela passa parte do tempo ajudando-os. Ela namora com Theodoro Papadakis, mais conhecido por Theo, também de família Grega, o que faz com que tenha aprovação de todos. Ainda assim, os pais  Egídio e Artêmia , são contra o que ela decidiu se dedicar, ou seja, a Faculdade de Música. No entanto, eles não a impedem de prosseguir com o seu sonho, e Alícia acaba tornando-se a primeira violinista da orquestra da Universidade, algo que também não agrada muito o seu futuro noivo, Theo. 
Não me atrevi a limpar o pó, embora tivesse tido esse impulso. O título  no centro da capa dura do livro, em uma tipografia serifada medieval, gravada em baixo relevo e em tinta dourada metalizada  trazia a palavra "Gratia". Eu sabia que gratia em latim significava "graça", por isso fiquei intrigada com aquele nome. Abri o livro com cuidado e vi que, na verdade, era um caderno de partituras. Na primeira folha amarelecida pelo tempo, a letra do meu avô desenhou a palavra "composições", com sua assinatura logo abaixo. (Livro: A Última Nota, Pág.17)
O avô, Amadeus, que falecera há pouco tempo, fora uma famoso violinista. A propósito, foi ele quem apresentara essa paixão para Alícia. E numa das visitas que ela faz para a sua avó, Cecília, a qual não tem mais contato com o filho e nora, por não ser tradicionalmente Grega, ela encontra um livro de partituras, onde se atreve a levar uma das composições do avô que não fora concluída. Alícia resolve fazer a lição de casa, com a composição não concluída, ordenada por seu professor rígido, chamado Oscar, porém apelidado por sua melhor amiga, Carol, como Ogroscar. 
 Estou ligando do Hospital da lagoa. Acabamos de receber a internação de um rapaz que não se recorda de nada. A única coisa que ele repete, é o seu nome. Você poderia vir até aqui? (Livro: A Última Nota, Pág.29)
Alícia se vê apavorada ao receber uma ligação pedindo para que ela vá a um hospital. Imaginando ser Theo, não pensa duas vezes e parte para o hospital. Chegando lá tem uma estranha surpresa, pois dá de cara com um belo rapaz de olhos azuis como o oceano, que não se lembra de suas origens, nem mesmo o seu nome. Ela se impressiona com a beleza do rapaz, além de se entristecer pela condição que ele se encontra. Dias depois ela retorna ao hospital, junto de sua amiga Carol, para ter notícias do desconhecido. Porém não o encontra. Tal qual surpresa maior quando, em uma das visitas na casa da avó, ela se depara com o mesmo rapaz, o qual ela acolhera e deu o nome de Sebastian.
 Eu chorarei todas as suas lágrimas. E quero sorrir todos os seus sorrisos.  Ele fez uma breve pausa, e sua voz se encorporou mais:  Eu não sei quem sou, quem eu fui ou o que farei... Eu não consigo responder a sua pergunta anterior, nem mesmo posso lhe dizer o meu verdadeiro nome. Eu só sei que nada sou sem você. Nada. (Livro: A Última Nota, Pág. 168)
Inicialmente ela não aceita essa condição, com um estranho sendo acolhido por sua avó. Mas, com o tempo, a aproximação entre os dois é inevitável, transformando-se em um sentimento vigente, o que faz com que Alícia bata de frente com os pais e desmanche o noivado com Theo, pois SIM, ela acabara por ficar noiva com ele. Agora cesso os meus comentários para não soltar mais spoilers

O que esperar de um enredo escrito por dois excelentes escritores? Nada mais do que uma belíssima história, adornada de coração e com alguns mistérios. Afinal de contas, eu conheço o trabalho do Felipe no gênero suspense/investigativo; já a Lu  digamos assim  , angelicalmente... O que tornou a dosagem de delicadeza, poesia e pontas a serem preenchidas mais do que instigantes, com personagens apaixonantes, principalmente Sebastian, o qual sou perdidamente apaixonada e que leva consigo muitas interrogações. Desta forma, eis uma trama envolta em anseios e paixão, além de uma pitada mágica. 

Este é um enredo leve e maravilhoso de se ler. Eu torci muito por Alícia e Sebastian, e por muitas vezes tive vontade de dar uns tabefes no Theo. A família Mastropoulos, algumas vezes, me dava nos nervos. Mas era compreensível, pois tudo fazia parte de suas origens/tradições. E a Dona Cecília... Ahhh, que avó mais fofa!!! O final foi lindo, com algumas reviravoltas, deixando-me com o coração palpitando de forma descompassada. E a última frase do livro, a última mesmo, deixou-me ainda mais ansiosa pela continuação, algo que aguardo desde 2012 e que fiquei sabendo que talvez teremos.

O livro é narrado em primeira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está boa, com fontes e espaçamentos em excelente tamanho, adornada em papel off-white (o amarelinho mais claro); e a capa é linda, estampando Alícia e o seu tão querido violino. Se eu gostei? NÃO, EU NÃO GOSTEI! EU AMEI!!! E leria até mesmo a lista de compra dos autores. \o Por fim, pra você que curte um romance doce e com uma pitada de mistério, eis essa fantástica pedida. 


Livro: A Última Nota
Autores: Felipe Colbert & Lu Piras
Gênero: Romance
Editora: Novo Século
Ano: 2012
Páginas: 260

2 comentários

  1. Olá, Simone!
    Primeiramente parabéns pelo blog e pelos livros, adorei a sinopse desses!

    Sempre vi a capa desse livro nas lojas mas nunca me interessei... sua resenha me deixou com a pulga atrás das orelhas haha

    Abraço!
    http://lupiliteratus.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem-vindo, Fabio!
      Se você curte um romance lindo, adquira-o. Eu, particularmente, AMO essa história.

      Abraçosssss

      Excluir