1 de fev de 2016

[Falando em]: Novo Mundo — de Flávio Vieira

Segue a resenha de mais um nacional enviado pela editora Tribo das Letras. Trata-se do primeiro livro do autor Flávio Vieira. Antes de mais nada, agradeço à Nanda Gomes por mais esse presente. Agora confiram sinopse e resenha de: "Novo Mundo".


Sinopse: Tudo na vida de Hugo ia exatamente igual, quando em uma manhã ela muda completamente. Ele se encontra diante de uma jornada que lhe mostrará que tudo que acreditava não existe.

Seguir por um caminho desconhecido pode levá-lo a lugares inesperados, e às vezes quando fazemos perguntas, as respostas que nos são dadas podem não ser as que queremos e elas te levam à um Novo Mundo. 

Embarcar nessa aventura irá fazer Hugo desvendar milhares de mistérios. Pessoas irão querer lhe ajudar e confiar pode ser a pior escolha. Se um conselho serve, traga uma bússola, encarar essa jornada pode te fazer esquecer o caminho de casa.


"Porque entrar em um novo mundo pode ser perigoso..."







Hugo Vieira é um adolescente de 17 anos que mora com sua família. Porém, ao despertar de um novo dia, se vê numa situação um tanto estranha e inusitada... Sua família o ignora por completo, como se ele nem mesmo existisse ou estivesse ao lado de todos. Em seguida, sua família desaparece.
Qual o motivo de tudo aquilo? Será que eles viajaram e depois voltariam? Entretanto, não fazia muito sentido, por que só eu ficara para trás? Não bastava estar preocupado, naquele momento estava muito confuso e triste. (Livro: Novo Mundo, Pág.27)
Ele tem um amigo chamado Barry, o qual confidencia sobre o atual e estranho acontecimento. E no meio de toda essa bagunça, há também Vitória, mãe de Barry, que sempre se desvencilha das perguntas de Hugo, quando o mesmo a questiona sobre o sumiço de sua família e também David, o policial que toma frente das investigações.

Uma carta fora deixada para Hugo. No entanto, os policiais restringiram o seu conteúdo. Desta forma, ele não pôde saber o que estava escrito nela. É quando o delegado da cidade, Heitor, o chama para uma conversa e revela parte do conteúdo da mesma.
E se o que ele disse estar escrito na carta fosse verdade? Eu fazia parte daquilo? Fazia parte de Um Novo Mundo? Como eu poderia fazer parte daquilo que eu não compreendia? (Livro: Novo Mundo, Pág.39)
Em meio a toda confusão, surge Cristian... Um mensageiro que entrega uma nova carta para Hugo, marcando desta forma um encontro. E nesse encontro ele é abduzido de volta para sua casa, onde, agora, sua família está como antes, feliz e lembrando dele. Contudo, o ambiente perpetua numa mútua estranheza, onde sua família omiti coisas e foge de seus questionamentos, o que o deixa ainda mais confuso e com o pé atrás, principalmente quando batem de frente dizendo que Hugo não tem um amigo chamado Barry. Eis que surge um novo amigo, agora chamado Harry. Aliás, este, por sua vez, convence Hugo de que aquela não é sua família e também de que ele está sendo enganado. Assim, ele o convence a deixar sua até então família e seguir ao seu lado para ter as repostas que tanto anseia.
 Decida-se, Hugo! Você veio até aqui porque estava confuso e procurando respostas. Eu vim atrás de você, amigo, e não quero perder você de novo! Então, confie em mim e achará as suas respostas. Eu prometo! (Livro: Novo Mundo, Pág.94)

... contudo, como diz a sinopse: confiar pode ser a sua pior escolha. Agora cesso os meus comentários quanto à trama, pois não quero soltar spoilers.

O autor teve uma excelente ideia, construindo uma trama que, em muitos momentos, prendeu-me. Isso já é um ponto positivo. Porém, achei que houve muitos diálogos e quase nada de narrativa. Não me importo com tramas onde há mais diálogos, desde que tenha uma explicação (mesmo que mínima) condizente na narrativa. Houve também uma falta de amadurecimento na escrita e na forma com que a trama foi conduzida. Além de falhas na revisão/copydesk, algo que, pelo que me informei, já está sendo corrigido. Aliás, o final ficou em aberto, creio eu para uma continuação, onde haverá muitas revelações.

O livro é narrado em primeira pessoa, com diálogos e narrativa de fácil compreensão; sua diagramação é simples, não há separação em capítulos (outra coisa que me incomodou um pouco), pois acho que ao menos teria de ter uma divisão em PARTES, já que não há capítulos; os espaçamentos estão na medida certa e a fonte está um pouco maior (algo que muito me agradou), envolta em papel pólen, ou seja, o amarelinho; sua capa estampa um homem sentado em um banco, olhando o horizonte e parecendo indagar-se internamente, algo que achei legal, pois imaginei Hugo com seus tantos questionamentos internos. Por fim, para quem curte o gênero e gosta de se entreter com uma leitura rápida, essa é uma boa pedida.


Livro: Novo Mundo
Autor: Flávio Vieira
Gênero: Romance
Editora: Tribo das Letras (Selo Métrica)
Ano: 2015
Páginas: 118

Nenhum comentário

Postar um comentário