20 de nov de 2015

[Quote]: Dezesseis — A Estrada da Morte

Assim que estacionei o meu Trovão na calçada da lanchonete, notei uma pequena multidão, ao redor de um também Opala metálico, porém, na cor preta, idêntico ao meu. Todos me encaravam, deixando-me ainda mais confuso. De repente, Janjão saiu do meio de uma roda de pessoas e ficou ao meu lado.

 Brow, você foi desafiado.  disse, vibrando.

Por um instante não dei importância às suas palavras. Foi quando me deparei com Ana Cláudia ao lado de Samy, num canto próximo a mim. Ela tentou me ignorar, desviando o seu olhar para outra direção. O marombado, por sua vez, me encarava com fúria. Foi quando, em questão de segundos, ficamos frente a frente, numa disputa acirrada de olhares. O silêncio se fez presente. Todos queriam escutar o que tínhamos a dizer:

 Eu te desafio para uma queda de braço, seu pé na tábua!  falou Samuel em alto e bom som, com o seu dedo indicador apontado bem próximo ao meu nariz.

 Pois bem, marombado... Eu te desafio num racha!  rebati, provocando-o, mostrando o meu dedo médio.

 Vocês dois são ridículos!  disse o anjo, com preocupação.

Continuamos nos encarando com ódio, e, segundos depois, o marombado perguntou:

 E qual seria o prêmio?

Desta forma, chutei bem alto na aposta. De fato, se tivéssemos uma queda de braço, eu perderia, pois Samuel treinava por horas, ingerindo anabolizantes, no intuito de se vangloriar em público. Por fim, ele era músculos e eu agilidade... Eu desconfiava da minha derrota em uma queda de braço. No entanto, tinha certeza da minha vitória em um racha.

 Se eu ganhar, levo a Ana pra casa!  provoquei-o, dando um sorriso de canto.

Ele encarou-me com brasas nos olhos, prendendo a respiração e tentando se conter. Segundos depois, em contrapartida, anunciou:

 Então vamos lá, pé na tábua... Se eu vencer, levo o seu Opala!  também sorriu de canto ao apostar a minha preciosidade.

Engoli seco minha paúra. Eu não me negaria o prazer de vê-lo perder uma disputa. Eu era o rei dos pegas e ninguém me venceria, nem mesmo ele. Contudo, havia algo que estava me incomodando... Sua ousadia ao colocar minha preciosidade em jogo  o Opala azul metálico  fazia com que o meu modo "adrenálico compulsivo objetivo" viesse à tona . Foi quando me dei conta de que estava sendo tão sem noção quanto ele, apostando a companhia daquela que tanto queríamos ao nosso lado.

Inspirado na canção “Dezesseis”  da banda brasileira Legião Urbana  este é um enredo de amor recheado com muitas aventuras.

**A VENDA EM FORMATO FÍSICO, CLICANDO AQUI.

Nenhum comentário

Postar um comentário