12 de out de 2014

[Falando em]: O Retrato de Dorian Gray

Trata-se de uma obra de Oscar Wilde. Aliás, a primeira vez que fiquei sabendo sobre essa obra, foi em uma entrevista do meu amado Kurt Cobain (ex líder da banda Nirvana), pois ele citou na entrevista que este era um de seus enredos favoritos. O filme acabou caindo no esquecimento, porém no intervalo de um filme que eu estava assistindo, tive a surpresa de saber que ele seria exibido. Sendo assim, acabei assistindo-o. E por isso estou aqui. Por fim, eternamente jovem; eternamente amaldiçoado. Confira agora a sinopse e meu parecer sobre "O Retrato de Dorian Gray".



Sinopse: Londres. Dorian Gray (Ben Barnes) é um belo e ingênuo jovem, levado à alta sociedade local por Henry Wotton (Colin Firth), que lhe apresenta os prazeres hedonistas da cidade. Basil Hallward (Ben Chaplin), um artista que frequenta este meio, resolve pintar um retrato de Dorian, de forma a capturar sua beleza jovial. Ao ver o quadro Dorian faz a promessa de que daria tudo, até mesmo sua alma, para permanecer sempre com o visual nele estampado. A partir de então Dorian não mais envelhece, mas todos os pecados que comete e a idade que chega são demonstrados no retrato, cada vez mais terrível. Para que ninguém mais o veja, Dorian decide esconder o retrato no sótão de sua casa.


Você venderia sua alma para o Diabo?
Não? 
Pois então, Dorian Gray não hesitou e vendeu. 
Eis que surge "O Retrato de Dorian Gray". 
O que eu achei? 

Vamos lá...
Começando que o meu interesse no filme foi 100%, pois tenho amigos em comum que ovacionam essa obra. Segundo porque lembrei do Kurt citando-o em uma entrevista, o que de certa forma despertou ainda mais o meu interesse. 

Sombrio! 
Instigante! 
Chego a dizer até... Aterrorizante!!!

É um gênero que muito gosto, pois fala de escolhas e também de suas consequências. É fato que fazer um pacto com o mal não trará bons frutos... Tudo acontece quando Dorian é apresentado a alta sociedade, devido à uma herança que herdou, e neste meio, um artista pinta o seu retrato tão perfeitamente que o deixa muito satisfeito, desejando sempre ter aquela mesma aparência. Eis que surge o pacto, diante do retrato pintado. Dorian tem uma vida de luxúria, é desejado por todas(os), porém consegue ver sua alma obscura refletida neste retrato.

Ainnn, ainnn, ainnn... Que cara louco esse Dorian! rs

Eu gostei muito do filme, afinal ele tem um enredo instigante e obscuro, e no final leva uma mensagem para refletirmos. No entanto, alguma coisa — que não sei qual , deixou a desejar. Acredito que seja o roteiro adaptado, ou até mesmo uma possível edição cortada na TV paga, algo que a minha amiga mencionou, pois ela também assistira pela TV paga e percebeu que houve cortes. Por consequência, uma cena a menos pode fazer toda a diferença. Quanto ao conteúdo, eu nem tenho o que questionar, pois é uma obra prima. E digo mais, fiquei com muita vontade de ler o livro. Por fim, para quem curte um enredo sombrio, eis essa excelente pedida. 

✔ Este é o 3º livro de Oscar Wilde a ganhar uma versão cinematográfica pelo diretor Oliver Parker. Os filmes foram O Marido Ideal (1999) e Armadilhas do Coração (2002).
✔ As filmagens começaram no verão de 2008 e duraram nove semanas.
✔ É a 16ª versão para o cinema ou TV do livro de Oscar Wilde.
✔ Exibido na mostra Panorama do Cinema Mundial, no Festival do Rio 2010.

Dados finais da postagem via: Adoro Cinema

Nenhum comentário

Postar um comentário