30 de set de 2014

Adeus, ORKUT!

Era pra ser apenas mais um serviço da internet que se encerra e deixa saudades aos seus usuários. Mas o fim da rede social Orkut marca a trajetória de milhões de internautas, principalmente de brasileiros, que começaram a conhecer a web por meio dessa ferramenta.

A rede tornou-se espaço próprio tanto de interação e experimentação, quanto de excessos por partes dos membros. Era possível postar depoimentos particulares ou públicos chamados de "testimonials", e até mesmo testar a criativdade ao fazer imagens com a combinação de caracteres no "scrapbook", espaço voltado para recados no perfil de cada usuário.

A empresa Google, dona do Orkut, escolheu este 30 de setembro de 2014 como o último dia para se fazer login na ferramenta. Para quem já está com saudades, será possível fazer o download das fotos, scraps e depoimentos até setembro de 2016. Também ficará disponível o contéudo público das discussões feitas nas comunidades, ainda que não seja mais possível criar novos tópicos.

Artigo via: EBC

"8 mentiras que escritores iniciantes contam para si mesmos"

O escritor é um mentiroso honesto. Profundo? Não fui eu quem disse isso, mas sim Pep Bras, um autor espanhol com mais de 20 livros publicados.

Essa é uma frase muito boa e tem tudo a ver com quem tira seu sustento da ficção. Mas não é disso que quero falar. Fiquei pensando: que mentiras escritores contam para si mesmos, principalmente os iniciantes?

Pesquisando por aí, eu descobri que a lista de mentiras é tão imensa que renderia uma série de artigos. Como estou sem saco para planejar algo assim – não esqueça que estou escrevendo aqui só para quebrar o galho do amigo encapuzado –, vou falar daquelas que se destacaram pra mim.

Confira a seguir as 8 mentiras que escritores contam para si – sem nenhuma ordem específica, afinal, eu não sou tão sistemático quanto o chefe.

1 – Escrevo para mim, não para os outros. Todo escritor quer e precisa ser lido. Quem não gosta de se reconhecido, bajulado? Podem falar mal também – críticas ajudam a aprender, a melhorar –, mas falem. O frágil ego de artista aprecia e necessita de audiência. Escrever sem a intenção de comunicar algo para outra pessoa é o mesmo que conversar consigo mesmo: estranho, chato, e pouco proveitoso.

2 – Não ligo para críticas, desde que sejam construtivas. Escritores odeiam ser criticados. Pouco importa se o crítico é leigo (íntimo ou desconhecido) ou profissional, nem mesmo o quão cuidadoso ele seja. Talvez ninguém tome conhecimento desse ódio – e é assim mesmo que deve ser –, mas é impossível não senti-lo. Ninguém gosta de levar puxões de orelha por um trabalho ao qual se dedicou com afinco.

3 – O importante é escrever, publicar é só consequência. A publicação atormenta os pensamentos de todo escritor, ainda mais se ele for iniciante. E não estou falando apenas de livros. Há centenas de sites, fóruns, listas de discussões, revistas e grupos pela Internet abarrotados de textos alheios. O problema é que a grande maioria serve muita coisa crua ou malpassada. Deixem seus textos ao fogo por mais tempo, escritores!

4 – Não invejo o sucesso de outros escritores. Quando um colega fecha seu primeiro contrato com uma editora ou emplaca mais um livro independente de sucesso, a primeira coisa que um escritor faz é encarar o monstro de olhos verdes. Ele pode até ficar feliz pelo outro, mas não consegue evitar um pouco de amargura: “como?”. “Por que não eu, que escrevo tão melhor?”. “Sortudo!”. “Tem as costas quentes!”

 Esse curso vai me tornar um escritor! E esse livro, site, vídeo… Leitura e estudo são aspectos fundamentais na formação de um bom escritor. O problema é passar mais tempo aprendendo sobre como escrever do que escrevendo de fato. Conselhos, dicas e técnicas são úteis apenas quando postas à prova. Teoria não produz livros, prática sim.

6 – Vou dar uma espiadinha rápida no Facebook. E no Twitter. Agora o e-mail. Opa, mensagem no WhatsApp. Não existe isso de “espiadinha rápida” nesta era da distração em que vivemos. Minutos se transformam em horas e o que é relevante é trocado por curtidas insignificantes e comentários vazios. Depois não adianta reclamar da correria da vida nem sobre como não sobra tempo para nada.

7 – Ninguém me dá sossego para escrever. Um escritor só é produtivo quando as pessoas de sua vida o deixam em paz. Ele também é mais ansioso, psicopata, viciado em redes sociais e vídeos pornôs. Ei, pelo menos ele será capaz de escrever uma obra-prima sobre as maravilhas de se viver em uma caverna. Má ideia? Então talvez seja melhor viver para incorporar experiências e deixá-las transbordar na escrita.

 Não me considero escritor. Escritor não é só alguém que tem livros publicados. Isso é um autor. Ainda assim, há muitos que relutam em aceitar o título – o próprio T. K. é um desses. Humildade é uma característica louvável, mas não exageremos. Alguém que tem o dom de juntar palavras para criar ou contar histórias é, para mim, um escritor. Ponto.

Taí. Essas são algumas das mentiras que mais me incomodaram em minhas pesquisas. Fique à vontade para complementar, condenar ou louvar essa lista nos comentários abaixo. Como? Se já contei algumas dessas mentiras? É claro que não, eu não sou escritor.

E você, quais mentiras costuma contar para si mesmo?

Artigo via: Escriba Encapuzado

Este é o INFERNO...

Quote solicitado pela minha amiga/co-roteirista "Juny Mourapara a página do facebook: Literatura Nacional BR. Confiram:


Ps.: Confira os 5 primeiros capítulos online, clicando AQUI.

Joãozinho em: Dialogando com o papai...

Joãozinho está dentro do carro do seu pai, quando avista duas prostitutas na calçada...
- Pai, quem são aquelas senhoras?
O pai meio embaraçado, responde:
- Não interessa filho... Olhe antes para esta loja... Já viu os lindos brinquedos que tem?
- Sim, sim, já vi. Mas... quem são as senhoras e o que é que estão fazendo ali paradas?
- São... são. São senhoras que vendem na rua.
- Ah, sim?! Mas vendem o quê?? - Pergunta admirado o garoto.
- Vendem.... vendem... Sei lá... vendem um pouco de prazer.
O garoto começa a refletir sobre o que o pai lhe disse, e quando chega em casa, abre a sua carteira com a intenção de ir comprar um pouco de prazer.
Estava com sorte! Podia comprar 50 reais de prazer!
No dia seguinte vai ver uma prostituta e pergunta-lhe:
- Desculpe, minha senhora, mas pode-me vender 50 reais de prazer, por favor?
A mulher fica admirada, e por momentos não sabe o que dizer, mas como a vida está difícil, ela aceita. Porém, como não poderia agir de forma 'normal' com o garotinho, leva o garoto para casa dela e prepara-lhe seis pequenas tortas bem gostosas de morango e chocolate.
Já era tarde quando o garoto chega em casa. 
O seu pai, preocupado pela demora do filho, pergunta-lhe onde ele tinha estado. O garoto olha para o pai e diz:
- Fui ver uma das senhoras que nós vimos ontem, para lhe comprar um pouco de prazer!
O pai fica amarelo:
- E... e então... como é que se passou?
- Bom, as quatro primeiras não tive dificuldade em comer, a quinta levei quase uma hora e a sexta foi com muito sacrifício. Tive quase que empurrar para dentro com o dedo, mas comi mesmo assim. Ao final estava todo lambuzado, melequei todo o chão, e a senhora me convidou para voltar amanhã, mas para ser sincero ao senhor eu só tive prazer nas três primeiras , as outras só comi para mostrar que sou homem mesmo, posso ir amanhã novamente, pai?
O pai desmaiou.

(texto via: facebook)

28 de set de 2014

Sobre o Plágio/Pirataria...

Um dos motivos pelo qual postei apenas os 5 primeiros capítulos de "Entre o Céu e o Inferno" no Wattpad é o PLÁGIO/PIRATARIA! SIM!!! Como todos sabem é o que está mais rolando atualmente, mesmo com tanta facilidade para o leitor, muitas das vezes podendo adquirir uma obra a baixo custo, também por outras redes sociais tais como: AMAZON, entre outros. Aliás, tempos atrás disse que liberaria o pdf final (o mesmo que rodei na gráfica para ser impresso) para alguns parceiros. No entanto, depois de muito pensar, decidi que não mais o farei. Afinal de contas, seria mais fácil 'uma possível' distribuição do arquivo. Por fim, estou apenas levantando a bandeira CONTRA O PLÁGIO/PIRATARIA, e de certa forma, estou triste por todos amigos autores que estão passando por isso. Espero do fundo do coração que tudo se resolva o quanto antes e que a justiça seja feita.

Abraços,

Simone Pesci.

26 de set de 2014

#EOCEOI e o seus leitores...

Não há no mundo presente mais lindo que este! Aliás, chegou aqui em casa uma cartinha muito esperada, de duas leitoras de ‪"Entre o Céu e o Inferno"‬. >>> Eu agradeço a Sandra Alvarenga, Dona Rosinha e o Projeto Mãos Amigas que receberam meu livro de braços abertos. E fico muito feliz em saber que, de alguma forma, consegui tocar o coração de vocês. Saibam que as cartinhas ficarão guardadas, ao lado de outras cartinhas que eu já recebi de leitores e que guardo com todo carinho do mundo.
Obrigada! 


Ps.: É por essas e outras que digo:
- Valeu (e ainda vale) a pena! 

-------- xxx --------

"Quero muito agradecer pelo carinho com a gente, Alex e Max fazem o maior sucesso por aqui". (Sandra Alvarenga)

"Parabéns Simone Pesci pelo romance encantador! Um dos mais belos que já li durante meus 50 e uns anos de vida." (Dona Rosinha)

Texto: A boca fala o que o coração sente? (por Simone Pesci)


Porque a boca fala do que está cheio o coração." (Mateus 12:33-34)

Sempre ouvi isso, e de certa forma, o tratei com seriedade... Então, eis que surgiu o momento de falar sobre isso:

Num momento como este (uma maré ruim) pela qual estou passando, percebi o quanto as palavras têm poder - e elas podem nos fazer declinar ou então prosseguir...

Eu optei em prosseguir! Mesmo que este meu 'prosseguir' me entristeça e faça de mim uma pessoa amargurada.

Às vezes fico me indagando:

- Sou tão ruim assim?

SIMMM!!! Eu tenho o lado 'ruim' correndo em minhas veias, pois sou um ser humano - e todo ser humano têm dentro de si: o bem e o mal. No entanto, mesmo na dificuldade atual, estou tentando seguir 'O BEM'! Palavras podem ser devastadoras, ainda mais quando notamos que elas são ditas com o coração. E, dependendo do grau com que elas foram ditas (ou escritas), pode até ser mortal.

Falando nisso, um simples parênteses pode determinar o que virá no futuro... Uma interpretação mal sentida então, nem se fala. ;)

A única coisa que eu posso tirar como conclusão com isso tudo é: "Quando a boca não consegue dizer o que o coração sente o melhor é deixar a boca sentir o que o coração diz." Perae, quem disse isso foi "William Shakespeare" ou seria a "Bíblia"? rs

Conclusão:

- Sua boca fala o que o seu coração sente?

Ps.: A minha, sempre! ;)

Texto: Sobre o Clichê! (por Laury Alves)

Um clichê é uma ideia relativa a algo que se repete com tanta frequência que já se tornou previsível dentro daquele contexto.” Sempre que ouvimos ou usamos a palavra clichê, a primeira ideia é negativa, referindo-se a algo sem criatividade. Com medo do clichê, muitos autores se aventuram nas idéias mirabolantes que trarão originalidade a estória. Mas afinal, o que é originalidade?

O ser humano conta histórias e estórias desde antes da escrita se propagar. Se pensarmos nisso, é impossível contar algo que seja inteiramente novo e que nunca antes na historia da humanidade tenha sido contato. Já existiram milhares de tipos de morte, milhares de tipos de romance, milhares de tipos de todas as outras coisas.

Uma coisa é certa: cada linha que se escreve é um pedaço de clichê. E a originalidade não está em evitá-lo, mas em saber usá-lo a seu favor. O clichê, como seu próprio significado francês nos ensina, é uma matriz. Ou seja, é a forma básica como começará sua estória. Mas atenção, a base não é a estória toda!

O que torna um clichê original são os pequenos elementos. A personalidade de um personagem, seu passado, seus sonhos... As particularidades dele o tornarão único, ainda que o caminho que ele venha a percorrer siga a matriz. E qual a matriz básico do básico? Grande virada que tira o protagonista de seu cotidiano, seguindo em frente a partir da mudança, surgimento de problemas e inimigos, tentando sobreviver a eles, ápice do caos e dos problemas, resolução de tudo e final feliz.

Um clichê se torna cansativo quando nem mesmo os pequenos elementos são originais. O que eu considero um grande exemplo disso pra mim foi o momento de sucesso de Cinquenta Tons de Cinza e seus irmãos gêmeos que vieram a seguir. Homem novo, rico, bonito, CEO de alguma empresa enorme e dominador. Mulher nova, inexperiente, insegura sobre tudo a seu respeito, desafortunada e submissa. E o resto... Bem, o resto todo mundo sabe. Combinações idênticas que encheram prateleiras.

Esse é um tipo de clichê que se deve evitar. Aquele que se torna cansativo de tanto de usar, de tanto as mesmas combinações serem feitas.

Não tente fazer o livro mais louco do universo por medo de cair em um clichê. O maior segredo é saber usá-lo e não há forma melhor de aprender a usá-lo do que lendo. Faça combinações diferentes, ponha um pouco de você e do que existe a sua volta em cada livro. O pequeno detalhe da sua história, tornará a sua estória única. ( por Laury Alves)

Via: Blog Marli Carmem Escritora

24 de set de 2014

[Falando em]: Kurt Cobain, A Construção do Mito — por Charles R. Cross

Essa resenha é uma declaração de amor! Afinal, pude conhecer anos atrás uma biografia autorizada sobre Kurt e o NIRVANA, também escrita por Charles R. Cross! S2 Aliás, só quem é fã para entender o que senti ao ler essa obra. \o

Este livro, diferente de "Mais Pesado que o Céu" (também de Charles), é uma visão de tudo o que Kurt e o NIRVANA representa até hoje no cenário musical, na moda e na vida das pessoas. Ele revela pouco dos bastidores e muito de sua influência. Eu, particularmente, amei tomar conhecimento de muitas coisas das quais eu sabia  vamos dizer assim  superficialmente. No entanto, esta resenha será diferente... Ao invés de revelar o impacto da leitura sobre mim, postarei trechos da mesma. E posso dizer, eu nunca marquei tanto um livro com postit como esse. S2 Portanto, confiram abaixo sinopse, BT (book trailer) 'não oficial' editado por mim e trechos de "Kurt Cobain - A Construção do Mito", uma publicação da editora Agir.

Sinopse: "Ninguém morre virgem, a vida f... com todos nós." (Kurt Cobain)  Quando Kurt Cobain e o Nirvana lançaram seu primeiro álbum. Bleach, em 1989, ninguém  nem mesmo Kurt  poderia prever que um ídolo estava prestes a nascer. Em menos de uma década, o jovem de Aberdeen, Estados Unidos, foi mais do que um recordista do mundo fonográfico. E nem mesmo o uso abusivo de drogas e sua rejeição à posição de ídolo impediram que Kurt se tornasse o rosto de uma geração. Doze anos após sua morte, ocorrida em 5 de abril de 1994, a revista Forbes listou as 13 celebridades que mais lucravam após a morte: Kurt Cobain ficou em primeiro lugar com ganhos estimados em 50 milhões de dólares. Mas o que fez Kurt se tornar um ícone da década de 1990 na música, no cinema, no comportamento e até mesmo na moda? Neste livro, o jornalista e especialista em música Charles R. Cross aborda a transição de Kurt Cobain de astro do rock a ícone mundial, que se mantém mesmo vinte anos após sua morte.


P.S: Vídeo editado por Simone Pesci
Recentemente, fãs do Reino Unido elegeram o verso "Here we are now, entertein us" como a terceira melhor letra da história da música. Este livro, originalmente intitulado Here We Are Now [Aqui estamos agora] que você tem em mãos,  procura reinterpretar a letra de acordo com a visão de onde nós,  como um corpo coletivo de fãs, estamos agora, depois da morte de Kurt. Ele se foi há duas décadas, mas aqui estamos nós agora. E, nesse espaço e tempo, como podemos medir sua importância? (Pág.21)
Kurt jamais disse diretamente  porque detestava tato aquele termo, mas diversos outros músicos de Seattle  me revelaram por que as palavras os deixavam indignados: ela diminuía o valor individual e transformava sua arte numa moda rotulada e comercializada. (Pág.58 - Sobre o termo 'Grunge')
Estranho amor: seriam Courtney Love, diva principal da banda pós-punk Hole, e seu marido, Kurt Cobain, galã do Nirvana, a Yoko e o John do grunge?  Ou os próximos Sid & Nancy?" O texto continha insinuações sobre o uso de drogas, sobre Frances ter nascido em situação crítica de saúde, e descrevia Courtney como tendo um "caráter devastador". Quando o Conselho de menores do Condado de Los Angeles entrou em cena e ameaçou tirar deles a guarda da criança, Kurt ficou fora de si. Um dia após Courtney dar à luz, entrou na sala de parto com uma pistola carregada, querendo que ambos cometessem o suicídio. (Pág.62)
Para mim, é muito difícil seguir em frente  sabendo que há vermes como esses dois em meio ao nosso público." Kurt ficou ainda mais chateado por saber que "Polly", a canção que escreveu depois de ler uma notícia num jornal sobre uma menina de 14 anos que fora  torturada e estuprada, tinha sido usada como trilha sonora para outro crime horrendo. (Pág.64)
Kurt Cobain teria um ponto de vista diferente de Lagerfeld e Klein. O seu corpo franzino o fazia parecer sexy numa sociedade onde a magreza é valorizada, mas era, para ele, um dos seus maiores motivos de vergonha. (Pág.92)
Por mais que o público pudesse vê-lo como um viciado em heroína, essa fase só aflorou mais tarde. Durante os primeiros 24 anos de sua vida, Kurt Cobain não foi um viciado  muitas vezes, era o mais sóbrio em seu círculo de amizades. (Pág.127)
É terrível descrever essas palavras, mas Kurt é mais conhecido por ter se suicidado que por qualquer outra coisa. Até aqueles que não conhecem nada sobre o Nirvana, a música ou arte de Kurt sabem que ele deu cabo à própria vida em abril de 1994 com um tiro de espingarda. (Pág.136) 
Krist Novoselic me disse uma vez que, para compreender Kurt, era preciso entender que havia algo de errado com ele, algo anormal  o que era  uma das chaves para a sua arte. "A música tinha essa coisa sombria, furiosa, bela e angustiada", disse Novoselic. "Havia beleza, mas tinha algo fora do lugar. Uma espécie de perturbação. Era aquilo que o diferenciava de todos os outros daquela época. Ele era um artista e eles, não." (Pág.159)
Ele não pertencia a esses tempos modernos. A maior parte da sua coleção musical era formada por fitas cassete, algumas delas gravadas do rádio depois de muita espera até que a canção perfeita fosse tocada, prestando atenção para apertar o botão e gravar no momento certo. (Pág.161)
David Bowie, à Spin: "Fiquei maravilhado quando descobri que Kurt Cobain gostava do meu trabalho e sempre quis perguntar a ele o motivo para ter gravado "The Man Who Sold the World". Tinha uma interpretação boa e direta e que de certa forma soava sincera. Teria sido ótimo poder trabalhar com ele, mas só conversar também seria bem legal." (Pág.165)
Michael Stipe, à Newsweek: "Eu sei como seria o disco seguinte do Nirvana. Seria bem calmo e acústico, com muita orquestração. Seria um álbum muito foda  e fico com um pouco de raiva por ele ter se matado. Eu e ele gravaríamos um teste para o álbum, uma fita cassete. Estava tudo combinado. Sua passagem de avião estava comprada. Um carro o apanharia no aeroporto. E no último minuto ele ligou e disse: "Não posso ir." (Pág.166)
Este livro aborda apenas algumas maneiras como Kurt Cobain influenciou a música e a cultura - aquelas que eu vi como as mais importantes e fáceis de serem identificadas. As pessoas se identificam com Kurt por diversos motivos, e ainda o fazem, e muitos aspectos dessa atração não podem ser quantificados, como as vendas de discos do Nirvana, as horas que a sua música ocupou as ondas de rádio ou a quantidade de tênis com o seu nome estampado. Para muitos, esse impacto é algo pessoal e varia de um indivíduo para outro. (Pág.170)

Livro: Kurt Cobain  A Construção Do Mito
Autor: Charles R. Cross
Gênero: Biografia
Editora: Agir
Ano: 2014
Páginas: 175

23 de set de 2014

Desafio dos livros - Os 10 Mais! (por Simone Pesci)

Pois então, foram tantos desafios em redes sociais, dentre eles: o desafio dos livros! E é claro que eu (Simone) fui desafiada também - e por esse motivo colocarei aqui o meu TOP 10. Confiram:

1º lugar

Livro: O céu está em todo lugar
Autora: Jandy Nelson
Editora: Novo Conceito
Gênero: Romance
Ano: 2011
Páginas: 424

Sinopse: Este é um livro de estreia vibrante, profundamente romântico e imperdível. Lennie Walker, de dezessete anos de idade, gasta seu tempo de forma segura e feliz às sombras de sua irmã mais velha, Bailey. Mas quando Bailey morre abruptamente, Lennie é catapultada para o centro do palco de sua própria vida - e, apesar de sua inexistente história com os meninos, inesperadamente se encontra lutando para equilibrar dois. Toby era o namorado de Bailey, cujos sentimentos de tristeza Lennie também sente. Joe é o garoto novo da cidade, com um sorriso quase mágico. Um garoto a tira da tristeza, o outro se consola com ela. Mas os dois não podem colidir sem que o mundo de Lennie exploda...


2º Lugar

Livro: Entre o Céu e o Inferno
Autora: Simone Pesci
Editora: Independente
Gênero: Romance
Ano: 2014
Páginas: 294

Sinopse: Alex conheceu o sofrimento desde a mais tenra idade. Foi adotada e sua nova família não era a salvação que uma criança tanto precisava. O seu próprio pai adotivo lhe apresentou o primeiro inferno. Porém, o céu decidiu resgatá-la, foi quando em plena infância, Max apareceu em sua existência. Mas a jornada era árdua e Alex cresceu vivendo no inferno e sendo amparada pelo céu... Ela precisava escolher um dos caminhos, uma estrada certa que a levasse ao destino que tanto sonhara. Mas o jogo da vida não era fácil. Juan surgiu para relembrar o seu maior inferno. E, agora, Alex vive perdida, tendo que escolher "Entre o Céu e o Inferno". Conheça a história de uma jovem garota que aprendeu a viver com o ódio, o amor, o perdão, a fé e o recomeço. Uma jornada aterrorizante e com um delírio sexy e instigante. A pureza sublime de um céu... E o fogo abrasador de um inferno.


3º Lugar

Livro: A Culpa é das Estrelas
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Gênero: Romance
Ano: 2014
Páginas: 288

Sinopse: A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas. Inspirador, corajoso, irreverente e brutal, A culpa é das estrelas é a obra mais ambiciosa e emocionante de John Green, sobre a alegria e a tragédia que é viver e amar.


4º Lugar

Livro: Como eu era antes de você
Autora: Jojo Moyes
Editora: Intrínseca
Gênero: Romance
Ano: 2013
Páginas: 320

Sinopse: Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Além disso, trabalha como garçonete num café, um emprego que ela adora e que, apesar de não pagar muito, ajuda nas despesas. E namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe. Quando o café fecha as portas, Lou se vê obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, a ex-garçonete consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto e planeja dar um fim ao seu sofrimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro.



5º Lugar

Livro: O Inferno de Gabriel
Autor: Sylvain Reynard
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance/HOT
Ano: 2013
Páginas: 512

Sinopse: A salvação de um homem. O despertar da sexualidade de uma mulher. Enigmático e sedutor, Gabriel Emerson é um renomado especialista em Dante. Durante o dia assume a fachada de um rigoroso professor universitário, mas à noite se entrega a uma desinibida vida de prazeres sem limites. O que ninguém sabe é que tanto sua máscara de frieza quanto sua extrema sensualidade na verdade escondem uma alma atormentada pelas feridas do passado. Gabriel se tortura pelos erros que cometeu e acredita que para ele não há mais nenhuma esperança ou chance de se redimir dos pecados. Julia Mitchell é uma jovem doce e inocente que luta para superar os traumas de uma infância difícil, marcada pela negligência dos pais. Quando vai fazer mestrado na Universidade de Toronto, ela sabe que reencontrará alguém importante – um homem que viu apenas uma vez, mas que nunca conseguiu esquecer. Assim que põe os olhos em Julia, Gabriel é tomado por uma estranha sensação de familiaridade, embora não saiba dizer por quê. A inexplicável e profunda conexão que existe entre eles deixa o professor numa situação delicada, que colocará sua carreira em risco e o obrigará a enfrentar os fantasmas dos quais sempre tentou fugir. Primeiro livro de uma trilogia, O inferno de Gabriel explora com brilhantismo a sensualidade de uma paixão proibida. É a história envolvente de dois amantes lutando para superar seus infernos pessoais e enfim viver a redenção que só o verdadeiro amor torna possível.


6º Lugar

Livro: A Menina Que Roubava Livros
Autor: Markus Zusak
Editora: Intrínseca
Gênero: Drama
Ano:2013
Páginas: 480

Sinopse: A trajetória de Liesel Meminger é contada por uma narradora mórbida, surpreendentemente simpática. Ao perceber que a pequena ladra de livros lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. Traços de uma sobrevivente: a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. O único vínculo com a família é esta obra, que ela ainda não sabe ler. Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a conivência do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que lhe dá lições de leitura. Alfabetizada sob vistas grossas da madrasta, Liesel canaliza urgências para a literatura. Em tempos de livros incendiados, ela os furta, ou os lê na biblioteca do prefeito da cidade. A vida ao redor é a pseudo-realidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela História. A Morte, perplexa diante da violência humana, dá um tom leve e divertido à narrativa deste duro confronto entre a infância perdida e a crueldade do mundo adulto, um sucesso absoluto - e raro - de crítica e público.


7º Lugar

Livro: A marca de uma lágrima
Autor: Pedro Bandeira
Editora: Moderna
Gênero: Infanto-Juvenil
Ano: 1986
Páginas: 94

Sinopse: Isabel, uma jovem inteligente e criativa de 14 anos, apaixona-se por seu primo Cristiano, que é apaixonado por Rosana, sua melhor amiga. Como seu amor não é correspondido, Isabel encontra um caminho para declarar-se a ele: escrevendo cartas românticas, que são assinadas pela amiga Rosana. Obcecada por esse sentimento, a adolescente nem se dá conta de Fernando, que a ama e está sempre por perto como um bom amigo. O assassinato da diretora da escola muda os rumos dos acontecimentos, e Isabel corre risco de vida por ter testemunhado mais do que devia. No hospital, descobre seu verdadeiro amor por Fernando.



8º Lugar

Livro: Equinócio - A Primavera
Autora: Lu Piras
Editora: Dracaena
Gênero: Romance/Fantasia
Ano: 2012
Páginas: 440

Sinopse: A cidade do Rio de Janeiro é o pano de fundo onde a estudante de medicina Clara vive sua rotina diária com a família e amigos. O que ela não imaginava é que tudo o que acreditava estivesse prestes a mudar, com a visita inusitada de um anjo. As força do mal ameaçam escravizar a raça humana e, para impedir, o anjo da guarda Nath-Aniel (Nate) vem à Terra, disfarçado de humano, para alertar sua protegida Clara de que sua vida está em risco. Proibido de agir em nome dos humanos e alterar seus destinos, o anjo acaba por se envolver demasiado quando revela a Clara que o pai dela, um renomado cientista, é o responsável pela descoberta que despertou as forças do mal: a fórmula da perpetuação da vida humana (criônica). Toda a missão da legião de anjos celestiais é colocada em risco quando Nate e Clara se apaixonam.



9º Lugar

Livro: Adeus à Humanidade
Autora: Marcia Rubim
Editora: Novo Século
Gênero: Romance/Fantasia

Ano: 2012
Páginas: 392

Sinopse: Uma paixão acendendo após mais de um século de escuridão.Uma doença atual apagando a luz de uma vida.Somente sua mordida poderia curá-la.Apenas seu tipo sanguíneo seria capaz de matá-lo. Como um amor tão improvável sobreviveria? Do que você seria capaz de abdicar para salvar e vivenciar, mesmo que por pouco tempo, um amor jamais sentido antes? Da cura de milhares de humanos? Da própria vida? Stephanie tinha todos os motivos do mundo para não acreditar em seres míticos ou na felicidade, mas vai descobrir que estava totalmente enganada. Sua alma-gêmea existe! O problema é que a linha do tempo que a separa do amor eterno é muito tênue. E somente um milagre possa uni-los novamente.



10º Lugar

Livro: Uma Segunda Chance
Autora: Angie Stanley
Editora: Independente
Gênero: Romance/Fantasia
Ano:2012
Páginas: 488

Sinopse: O que você faria se o seu anjo da guarda te desse Uma Segunda Chance? O que você faria se pudesse voltar à sua adolescência e consertar tudo o que fez de errado? Se pudesse rever seus pais e velhos amigos? E ainda conquistar o grande amor de sua vida? Acompanhe as aventuras da inteligentíssima advogada Angie Dix, que depois de sua morte prematura, recebe a visita de seu anjo-diva (uma linda morena escultural) e consegue uma chance de voltar no tempo, com a consciência de uma mulher de 35 anos, no seu corpo de adolescente, com 16 anos! E assim ela tem sua chance de ouro de conquistar o grande amor de sua vida, o super astro do Rock, ídolo das multidões e rei das tatuagens sem sentido: o apaixonante Jared Lettus. Divirta-se com as engraçadas trapalhadas de Angie, seu melhor amigo, o hilário Shannon e Be, seu anjo-diva sem noção, nessa comovente tentativa de salvar Jared de um futuro muito sombrio! Sejam bem vindos aos fantásticos anos 90 e seu símbolo maior: a camisa xadrez de flanela!

21 de set de 2014

Playlist - Entre o Céu e o Inferno! (por Simone Pesci)

Você (assim como eu) é fã de playlist, seja em livros ou filmes? Se a resposta é sim, confira abaixo trecho e tradução de duas canções que estão na playlist do meu amado livro: Entre o Céu e o Inferno! ;)

**Quer conferir a playlist completa?
Basta clicar, AQUI.

Na mesa de cabeceira, peguei o controle remoto e apontei-o para o aparelho de som que estava à minha frente, na mesma prateleira que abrigava equipamentos de última geração, o melhor em audiovisual. Ao som de People Are Strange, do grupo americano The Doors, iniciei mais um dia. 



Obedeci apenas seguindo-o com o olhar, enquanto caminhava em direção à antiga e linda jukebox que ficava no canto do salão. Uma música de gosto duvidoso estava tocando ao fundo, fazendo com que todos no ambiente ficassem entediados. Ele conferiu o repertório musical que a máquina tinha a oferecer e instantes depois apertou dois botões, dando vida ao local com a linda trilha de — The Air That I Breathe — e em passos contidos e firmes voltou-se em minha direção, pegou em minha mão levantando-me da cadeira, e guiou-me até o centro da pequena pista de dança. 
Eu notei que todos os olhares pairavam sobre nós. Em especial — os de Júlia — que nos fitava com ódio. Porém, todos os olhares esvaeceram-se no ar deixando-nos na companhia apenas de nossa presença. Era como se estivéssemos a sós ao som daquela linda canção. E por algum tempo, que não sei quanto exatamente... Ficamos face a face, podendo assim sentir o ressoar de nossos corações. 
— The Hollies! Excelente escolha. — falei.

SINCERICÍDIO! (por Eugenio Santana)

SINCERICÍDIO – Sincero. Autêntico. Transparente. Como água ou pedra.

(clique em cima da imagem para maior resolução)


Nada de máscaras, representações. Sim, sim, não, não. Nada de meio-termo. E pronto. O mais é conversa fiada ou diálogo macarrônico e prolixo. Rituais, normoses, encenações, atores, atrizes, palco, cenário. Os seres humanos, notadamente os intelectuais, nada entenderam do Sermão da Montanha. Prefiro os simples, os humildes sinceros não dissimulados pelas convenções e tradições. Os verdadeiros, de alma nua. Os iletrados, os puros e ingênuos, os embriagados de ternura. E por isso os inteligentes egos cegos, corroídos pela podridão de Lúcifer, me deixam exausto e desencantado. As coisas do Alto são dos sinceros.

(Jornalista/Escritor EUGENIO SANTANA, FRC – MTb 1319/JP)

Luiza Possi - Polly Nirvana Cover

Quem me conhece sabe o quanto sou fã da banda NIRVANA! Aliás, essa sempre será a banda da minha vida. Lembro-me que conheci a banda no final de 1999... início de 2000, e foi amor a primeira vista, ou seria: "ouvida". O som? Smells Like Teen Spirit! SIMMM! O tão famoso hit que despontou a banda para o mundo e que até hoje é um hino no cenário musical.

Eis que, então, meu coração dilacerou-se... Foi quando em 1994 meu amado Kurt Cobain resolveu por um fim em sua existência. No entanto, tanto a banda quanto Kurt ainda perdura com intensidade em meu coração... E, minutos atrás, encontrei esse cover maravilhoso de outro hit super famoso da banda: "Polly"! ;)

Sabe o que é melhor de tudo? Saber que essa versão da qual tanto gostei (e a melhor que ouvi até hoje) é NACIONAL!!! \o/ Por fim, conheço pouco o trabalho da Luiza Possi, mas o pouco que conheço admiro. Já escutei outras músicas de sua autoria e tantos outros covers, e sempre curti a voz da mina. Confiram:

O NIRVANA permitiu uma linguagem que eu chamo carinhosamente de 'tosco'. Mas sendo uma linguagem bacana. Tosco que eu digo é assim: não precisa tá completamente tocado com, sabe, tem pau acorde, tem... tem chacundum, tem um monte de coisa acontecendo ali que antes não. Se tinha uma coisa certinha a cumprir, mesmo dentro do Rock e tal, que o NIRVANA meio que descambou sabe. Ti permitiu ter uma linguagem mais debochada da parada, vamos dizer assim. Então, isso me influência muito porque estou há anos dizendo pra todo que eu vou trabalhar: não eu quero tosco, eu quero tosco. E agora no meu disco eu acho que consegui uma coisa mais ácida que o NIRVANA têm e tem influência sim, claro que tem. (Luiza Possi)

Ps.: Simplesmente sensacional! ;)

20 de set de 2014

The Lovely Bones Soundtrack - Song to the Siren

Se existe no mundo um filme que me toca, este filme se chama: "The Lovely Bones", ou seja, "Um Olhar do Paraíso"! TAQUEOPARIU!!! PUTAFILMÃO! Enredo dilacerante, efeitos/fotografia sensacionais, atuações mais que perfeitas e trilha sonora magnífica. Esse eu conferi no cinema e por muitas vezes aqui em casa. Dá até vontade de assisti-lo novamente.

Sinopse: Aos 14 anos, a jovem Susan Salmon (Saoirse Ronan) tem o grande sonho de beijar um garoto por quem está apaixonada. Seu desejo, no entanto, é frustrado quando seu vizinho George (Stanley Tucci) a convida para entrar em um retiro que ele construiu em sua casa. O convite é apenas uma desculpa para que ele possa arrastá-la para dentro de sua residência, estuprá-la e matá-la brutalmente. Com o desaparecimento da filha, Jack (Mark Wahlberg) e Abigail (Rachel Weisz) demoram a acreditar que possa ter acontecido algo de mais grave. Porém, logo a polícia encontra um pedaço do braço da menina, o que indica que há poucas chances dela estar viva. Enquanto a família sofre com a notícia, Susan acompanha todas as mudanças desencadeadas com a sua morte, e não terá paz enquanto o crime não for solucionado.

Um Olhar do Paraíso é dirigido por Peter Jackson, famoso pelas superproduções King Kong e a trilogia Senhor dos Anéis, e é adaptado do livro de Alice Sebold. Apesar de bastante criticado, o longa foi indicado ao Oscar de melhor ator coadjuvante, para Stanley Tucci. Mark Wahlberg foi chamado para atuar como o pai de Susan dias antes do início das filmagens. O ator escolhido para o papel havia sido Hugh Jackman, que não aceitou o convite. Ryan Gosling, que foi selecionado depois, desistiu do papel pouco antes do início da produção.

Ficha Técnica
Nome: The Lovely Bones (Um Olhar do Paraíso)
Gênero: Drama
Ano: 2009
Elenco: Saoirse Ronan, Mark Wahlberg, Raquel Weisz, Stanley Tucci, Susan Sarandon, Rose Maclver, Reece Ritchie e Nikki  Soohoo.


THE LOVELY BONES SOUNDTRACK
SONG TO THE SIREN

19 de set de 2014

[Falando em]: A marca de uma lágrima — de Pedro Bandeira

Resenhar este livro é sem igual! Aliás, essa foi uma obra que muito me marcou na adolescência, e que não sei por qual motivo, acabou caindo no esquecimento. Na verdade, recordei-me dele dias atrás, quando vi uma postagem no blog da minha amiga/blogueira "Fernanda Braga", também dizendo o quão importante foi esse enredo em sua vida.

Eu conheci "A marca de uma lágrima" anos atrás, quando tive que lê-lo para um trabalho de escola. E posso dizer... Depois do trabalho, o reli por diversas vezes  e também sempre sonhei com esse enredo no cinema. Portanto, confiram agora a sinopse, book trailer (editado por euzinha \o), e também a sinopse e resenha. Confiram:



Sinopse: Isabel, uma jovem inteligente e criativa de 14 anos, apaixona-se por seu primo Cristiano, que é apaixonado por Rosana, sua melhor amiga. Como seu amor não é correspondido, Isabel encontra um caminho para declarar-se a ele: escrevendo cartas românticas, que são assinadas pela amiga Rosana. Obcecada por esse sentimento, a adolescente nem se dá conta de Fernando, que a ama e está sempre por perto como um bom amigo. O assassinato da diretora da escola muda os rumos dos acontecimentos, e Isabel corre risco de vida por ter testemunhado mais do que devia. No hospital, descobre seu verdadeiro amor por Fernando.


Ps.: Vídeo editado por Simone Pesci.
Da massa confusa de dançarinos, uma figura destacou-se. Foi como se os mais ousados sonhos de Isabel tivessem tomado corpo e forma.Corpo e forma de sonho.O sonho dos sonhos de Isabel.Ele se aproximou, com aquela luz maluca fazendo brilhar seus dentes e o branco de seus olhos.E que dentes!E que olhos! (Livro: A marca de uma lágrima - Pág.10)
Trata-se de um enredo infanto-juvenil, com sua primeira edição publicada em 1985. E, por sinal, a edição que tenho aqui é de 1986, uma das primeiras. 

Eu não sou uma adolescente, mas ainda aprecio muito todo tipo de leitura (até mesmo a juvenil), desde que a mesma toque o meu coração. E reler esta obra foi extremamente prazeroso, pois é um enredo muito bem escrito e digo mais... Poético! Tenho certeza que Pedro Bandeira ainda toca o coração de muitos com essa linda leitura. E, de certa forma, agradeço a ele por ter feito desta uma das minhas primeiras leituras. S2

Pois bem... O livro não é extenso, com apenas 94 páginas transbordadas em sentimentos. Aliás, eu andei verificando por aí, e descobri que as novas versões são mais extensas. Não sei se pela diagramação ou o quê (?) Mas, de fato, eu não troco este meu exemplar (já um tanto tarimbado), por nada no mundo. rs
Todos os papéis que importavam, porém, já tinham sidos escritos. E todos por Isabel. Foram eles que geraram e alimentavam ainda o amor daqueles dois. E destruíram a esperança da autora. Em muitos deles, ficara apenas a marca de uma lágrima. Pingada na solidão de seu desespero. (Livro: A marca de uma lágrima - Pág.48)

Porque escrever poesia não é para qualquer um...

Pedro Bandeira nos apresentou um lindo enredo adolescente, daqueles que você fica relembrando muitas coisas pela qual já passou, também na adolescência. Não é o caso de todos, mas posso afirmar que, ao menos pra mim, por diversas vezes me senti uma Isabel... E arrisco a dizer que às vezes ainda me sinto. rs

A marca de uma lágrima é uma história em formato de poesia... Uma lindeza sem tamanho, onde a protagonista, Isabel, se apaixona por seu primo, Cristiano... Que se apaixona por sua melhor amiga, Rosana. No entanto, Isabel conhece Fernando, que se torna seu grande amigo e que está apaixonado por ela (o coração tem dessas coisas mesmo). hahaha

A narrativa está em terceira pessoa, e os diálogos são bem divertidos e sugestivos. Digo até que alguns lindamente escritos (coisa de poeta mesmo). Salve, salve Pedro Bandeira! \o/ O livro é breve, com uma abordagem dinâmica e principalmente muito bem escrito. É o tipo de leitura que toda pessoa no mundo deve apreciar, nem que por única vez. Por fim: para os apreciadores de uma breve e linda história adornada  por poesia, eis uma excelente pedida. \o S2


Mas vale um fim trágico do que uma tragédia sem fim..."

P.S: Deu pra sentir a poesia em forma de texto ou o texto em forma de poesia? 
Simplesmente sensacional!!! #EU #MEGA #INDICO

Livro: A marca de uma lágrima
Autor: Pedro Bandeira
Editora: Veredas
Ano: 1986
Páginas: 94

17 de set de 2014

Quero compartilhar uma coisa com vocês...

A minha irmã do meio "Sonia" está lendo #EOCEOI. Deixe-me explicar: ela não tem o hábito da leitura, sequer pega num livro que não seja a "Bíblia" — e, dias antes da Bienal, resolveu iniciar a leitura, para dessa forma, de algum modo, me ajudar na sessão de autógrafos que aconteceu no dia 30/08/14. Ela está entrando no capítulo 22 que se chama: "De Frente com o Inferno". Ao total a obra tem 27 capítulos + epílogo — e como eu já disse, ela não tem o hábito da leitura, e por esse motivo, ainda não finalizou o livro. No entanto, no final da tarde de ontem quando cheguei em casa, tive uma agradável surpresa.

Assim que desci do carro, quando ela ainda estava abrindo o portão, disse:

— Nossa! Acabei de ler 5 capítulos e estou amando!!! O enredo é muuuuuuito bom, me prendeu de uma forma... Só não continuei porque tenho que fazer outras coisas. Mas amanhã vou vou ler mais um pouco. Parabéns!!! Estou tão orgulhosa de você...

---------------- xxx ---------------

Ps.: Agora pensa como estou me sentindo? Obrigada pelas palavras minha "ursuleta". Estou muito feliz em saber que #EOCEOI também tocou você. T. AMO!

Novos Parceiros - Simone Pesci e #EOCEOI

É  com alegria que divulgo três novas parcerias! Sejam BEM-VINDOS, novos parceiros. ;)

15 de set de 2014

Manias de Escritor - com Simone Pesci! (via: Blog Marli Carmem)

Se eu tenho minhas manias? Ô se tenho! E, por sinal, são muitas. rs
Falando nisso... A autora de "Amazônia - Um caminho para o sonho - Marli Carmemconvidou-me para participar de um quadro em seu blog, citando 5 manias das quais tenho. Desde já, agradeço o convite e divulgação... Obrigada, Marli! De coração.

**Para conferir, clique AQUI.

14 de set de 2014

Quote: A Marca de Uma Lágrima! (de Pedro Bandeira)

(clique em cima da imagem para maior resolução)

- ... a física estuda a relação que existe...

Neste físico de um deus grego,
Numa intensa relação,
eu, pálida e bêbada, tremo
e me afogo e me sufoco
entre loucura e paixão...

- ...entre a matéria e a energia...

Quero fundir meu corpo
no teu corpo junto ao meu.
Nos teus braços serei cega
pra que sejas o meu guia.
Nós seremos a matéria,
nosso amor será a energia...

- ... a energia afeta a matéria...

Se esse amor me modifica.
me transforma, me edifica,
se ele afeta tanto a mim,
também te transformará.
A energia desse amor
afetou-nos para sempre,
e a matéria que hoje somos
outra matéria será...

- ... esse processo de transformação e objetivo...

No meu seio serás meu para o uso que eu quiser.
Nos teus braços me abandono,
ao teu lado sou mulher...

(trecho do livro: A Marca de Uma Lágrima - de Pedro Bandeira)

Filme: A Letra Escarlate

Uma mulher a frente de seu tempo;
Um pastor;
Nasce o amor!

O pastor = Gary Oldman 
A mulher = Demy Moore 
O enredo = de perder o fôlego!

Esta versão é de 1995. ;)

Sinopse - A Letra Escarlate: Em 1666 em Massachussetts, Bay Colony, uma bela mulher (Demi Moore) casada com um médico (Robert Duvall) chega na localidade na frente do marido, com a incumbência de providenciar um lar para o casal. Mas ela fica apaixonada por um reverendo (Gary Oldman), que tem por ela os mesmos sentimentos. No entanto, eles reprimem tais emoções pelo fato dela ser casada, mas quando ela supõe que seu marido foi morto pelos índios ela se sente livre e acaba ficando grávida do reverendo. Mas, como apesar de ficar presa e socialmente marginalizada ela se recusa a dizer o nome do pai da criança, passa então a portar um "A" de adúltera bordado em cores vermelhas em suas roupas, como símbolo de sua vergonha perante a sociedade local.

Ps.: Eu simplesmente surtei. 

13 de set de 2014

[Falando em]: Como eu era antes de você — de Jojo Moyes

Eu conheci este livro através das redes sociais, e logo de cara me encantei com sua capa e sinopse. Tempos depois, minha amiga Juny me presenteou com essa lindeza. P.S: Obrigada, Juju! S2

Trata-se de uma história de amor sem igual, onde duas pessoas têm suas limitações e uma se torna a salvação da outra. Quer saber mais? Então vamos de sinopse, book trailer (não oficial) e resenha de "Como eu era antes de você", uma publicação da editora Intrínseca.


Sinopse: Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Além disso, trabalha como garçonete num café, um emprego que ela adora e que, apesar de não pagar muito, ajuda nas despesas. E namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe. Quando o café fecha as portas, Lou se vê obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, a ex-garçonete consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto e planeja dar um fim ao seu sofrimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro.




Louisa Clarck  ou Lou, como é conhecida  é uma garota de 26 anos, com uma vida comum e sem grandes perspectivas. Aos olhos de sua família, é vista sempre em segundo plano, ficando às sombras de sua irmã muito mais antenada e inteligente. Lou é acomodada com sua vida, tem um namorado que só pensa em si e que sequer a satisfaz. Aliás, ela acha isso tudo normal, pois é acostumada com a vida que tem. Porém, é quando ela perde o emprego do qual tanto gostava, que sua vida dá uma reviravolta, pois sua família passa um mal bocado, digamos assim, financeiramente... Então, no perrengue que se encontra, ela resolve trabalhar como cuidadora de um rico homem, vítima de um terrível acidente, tornado-se um tetraplégico.

Este homem se chama Will e tem apenas 33 anos, ou seja, uma vida toda pela frente. Porém, está preso à uma cadeira de rodas, o que faz se tornar um homem amargurado e sem esperanças. Afinal, antes do acidente, desfrutava da vida com sabedoria e alegria... Ele era um independente empresário, que tinha uma linda namorada e que gostava de praticar esportes radicais, tão como SEXO!!!
Validade: 19 de março de 2007
Fiquei olhando. Meio que ri, e meus olhos se encheram de lágrimas.
 Essa é a data...
 Data do acidente. Sim.  Ele olhou para o céu.  Ah, pelo amor de Deus, Clarck, não se comova. Era para ser engraçado.
 É engraçado. De um jeito horrível.
 Nathan vai gostar. Ah, não faça essa cara. Não é como se eu tivesse estragado meu corpo perfeito, certo? (Livro: Como eu era antes de você - Pág.190)

Lou passa a cuidar de Will, pensando inicialmente no dinheiro. Porém, com o tempo, ambos se afeiçoam, tornando-se o remédio um do outro. E neste meio tempo, Will mostra à ela que a vida pode ser muito mais do que aquilo que ela pensa que é, trancafiando-se em seus medos, não desfrutando dos prazeres da vida... Eles se apaixonam! Porém, Will, já havia feito um dilacerante pedido para sua família... Pedido este que deixou Lou (assim como todos), sem chão. Contudo, ela acha que pode fazê-lo mudar de ideia, e com isso, salvá-lo. .. E por um tempo determinado, se embrenha em mostrar à ele que, mesmo estando naquela situação, ele pode SIM levar os dias. No entanto, Will está mais do que decidido com sua devastadora decisão.
 Minha situação  não vai melhorar. A chance é piorar cada vez mais e minha vida, que já é limitada, vai ficar ainda mais. Os médicos disseram. Há várias coisas que estão me atingindo. Eu percebo. Não quero mais sentir dor, nem ficar enfiado nessa cadeira, nem depender de ninguém, nem ter medo.. Por isso, peço a você que,  se sente o que diz, me companhe. Fique comigo. Me dê o fim que desejo.
Olhei-o horrorizada, o sangue bombeando nos ouvidos. Mal conseguia entender.
 Como pode me pedir uma coisa dessas?
 Sei que é...
 Eu digo que amo você e que quero construir um futuro e você me pede para assistir ao seu suicídio?
 Desculpe. Não queria ser agressivo. Mas não disponho de luxo por muito tempo. 
(Livro: Como eu era antes de você - Pág.284)

Dilacerante!
Verossímil!
Devastador!

Este foi um livro que ficou cravado no meu coração, tamanha carga dramática que leva consigo.  E, ao final, deixou-me em pranto e dilacerada. Se gosto de enredos assim? Eu simplesmente AMO! Afinal de contas, não há nada que me encante mais do que um enredo que toque o meu âmago, coisa que este conseguiu com maestria. A autora conduziu a trama de forma magnífica, envolta numa narrativa entorpecedora e diálogos de quebrar até mesmo a mais dura alma. Todos os personagens (tanto os protagonistas quanto os antagonistas) são de suma importância, e levam consigo uma grande lição. Por fim, seu conteúdo, no geral, é uma linda história de vida e de como devemos prosseguir perante certas decisões. O final é devastador, algo que durante a leitura (e até mesmo na sinopse) eu já desconfiava, digno de um Oscar. Aliás, este é aquele tipo de enredo para leitores providos de coração... Com uma carga dramática em demasia, em alguns trechos, uma pegada sarcástica. Lembrando que a trama foi adaptada para as telonas e chega aqui no Brasil em Junho de 2016. \o/

O enredo é narrado em primeira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está perfeita, com fonte e espaçamentos na medida certa, envolta em papel pólen, ou seja, o amarelinho; a capa é linda, estampando uma Louise que  a meu ver  está buscando a tão almejada liberdade/felicidade. Para você que é fã de uma magnífico dramão, eis essa excelente pedida. \o Eu me tornei fã da Jojo e leria até mesmo a sua lista de compras. \o 


Livro: Com eu era antes de você
Autora: Jojo Moyes
Gênero: Romance/Drama
Editora: Intrínseca
Ano: 2013
Páginas: 320